Blog Veículos

Stellantis: grupo vai gerenciar a Fiat Chrysler e a Peugeot

16/07/2020 13:47:36

Fusão entre a FCA e PSA vai gerar novo conglomerado Stellantis, controlando 14 marcas da indústria automobilística

Grupo Stellantis deve ser criado oficialmente em 2021
Grupo Stellantis deve ser criado oficialmente em 2021

Dando sequência ao processo de fusão 50/50, a Peugeot SA (Groupe PSA) e Fiat Chrysler Automobiles NV (FCA) revelaram nesta quarta qual será o nome corporativo a ser criado: Stellantis. O logotipo é esse que você vê; o símbolo ainda está sendo definido.

‘Stellantis’ é a junção do verbo latino “stello”, que significa “iluminar com estrelas”. O conceito deles é que o nome representa o audacioso projeto de integração de empresas e culturas diferentes, com marcas italianas, francesas, americanas e inglesa, dentre outras.

“As origens latinas do nome homenageiam a rica história de suas empresas fundadoras, enquanto a evocação da astronomia captura o verdadeiro espírito de otimismo, energia e renovação que impulsionam essa fusão que está mudando o setor”, diz o comunicado.

O nome Stellantis será usado exclusivamente para se referir ao Grupo, como uma marca corporativa. Os nomes e os logotipos das marcas constituintes do Grupo permanecerão inalterados.
O projeto é que a fusão seja concluída no primeiro trimestre de 2021. Contudo,essa data pode ser alterada de acordo com a crise da pandemia do novo coronavírus. O processo inclui a aprovação pelos acionistas de ambas as empresas em suas respectivas Assembleias Gerais Extraordinárias e a satisfação de análises antitruste e outros requisitos regulatórios.

O novo conglomerado reúne as marcas marcas Abarth, Fiat, Jeep, Dodge, Lancia, Ram, Chrysler, Alfa Romeo, Maserati, Peugeot, Citroën, DS, Opel e Vauxhall, além de Comau e Teksid. O agora quarto maior grupo automotivo cobre praticamente todos os segmentos-chave de veículos, desde automóveis de luxo, premium e de passageiros, até SUVs e picapes & veículos utilitários leves.

Segundo a companhia, o novo grupo tem 46% das receitas derivadas da Europa e 43% da América do Norte, com base nos dados agregados de 2018 de cada empresa. A partir da união, as estratégias para as outras regiões serão reformuladas.

Comentários