Mundo

10/09/2019 | domtotal.com

Apesar de nível superior mais acessível, falta mão de obra qualificada

As políticas e instrumentos de financiamento ajudaram a melhorar o acesso ao ensino superior para um número maior de pessoas, mas carece de qualificação.

'Em países com as taxas de ensino mais altas, pelo menos 70% dos estudantes recebem bolsas ou empréstimos estudantis', aponta a OCDE.
'Em países com as taxas de ensino mais altas, pelo menos 70% dos estudantes recebem bolsas ou empréstimos estudantis', aponta a OCDE. (Wilson Dias/Agência Brasil)

O ensino superior está se tornando mais acessível, graças em parte ao aumento dos orçamentos públicos, mas alguns setores ainda têm problemas para encontrar mão de obra qualificada, afirmou a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico em seu relatório nesta terça-feira (10).

As políticas e instrumentos de financiamento ajudaram a melhorar o acesso ao ensino superior para um número maior de pessoas, disse a OCDE em seu relatório Panorama geral da educação 2019.

Por exemplo, "em países com as taxas de ensino mais altas, pelo menos 70% dos estudantes recebem bolsas ou empréstimos estudantis", aponta a OCDE.

Em 2016, os países da OCDE gastaram uma média de 3,5% de seu PIB no ensino primário, secundário e pós-secundário não superior (isto é, concluem o ensino médio, como escolas preparatórias para o ensino superior). O orçamento público para esses níveis de educação aumentou 18% desde 2005.

Em termos de ensino superior, os gastos aumentaram em média 28%, mais que o dobro da taxa de crescimento de matrículas (12%) entre 2005 e 2016 nos países da OCDE.

A proporção de graduados no ensino superior aumentou significativamente, passando de 35% entre 25-34 anos em 2008 para 44% em 2018. É o aumento no número de graduados que mais contribuiu para esse crescimento.

Em quase metade dos países da OCDE, mais de 40% dos jovens de 19 a 20 anos estão no ensino superior. Mas "ainda há desafios pela frente", alerta a organização, que indica que "alguns setores ainda têm dificuldades em contratar mão de obra qualificada".

Assim, em 2017, apenas 14% dos egressos optaram pelo setor de engenharia, indústria e construção e 4% pelas tecnologias da informação e comunicação. No entanto, esses dois setores são os que mais oferecem oportunidades de emprego.

As mulheres continuam sub-representadas nesses setores. Em média, representam menos de 25% das novas matrículas nessas carreiras nos países da OCDE.


AFP

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!

Comentários


Instituições Conveniadas