Brasil Cidades

25/01/2020 | domtotal.com

Em apenas 24 horas, Minas Gerais registra 30 mortes causadas pelas chuvas

Além dos óbitos, há 17 pessoas desaparecidas, o que pode elevar as perdas

Bombeiros trabalham em Ibirité, aonde deslizamento matou duas crianças e a mãe
Bombeiros trabalham em Ibirité, aonde deslizamento matou duas crianças e a mãe (Douglas Magno/AFP)

O número de mortes em razão das chuvas em Minas Gerais subiu para 30. O número foi atualizado pela Defesa Civil do estado no início da noite deste sábado   (25). Além dos óbitos, há 17  pessoas desaparecidas, o que pode elevar as perdas.

Subiu para 30 o número de mortos em decorrência das fortes chuvas que atingem Minas Gerais - sete pessoas ficaram feridas e 17 continuam desaparecidas. Parte das vítimas foram soterradas depois de desabamentos de residências. Entre a quinta-feira, 23, e a sexta, 24, foi registrado em Belo Horizonte recorde do volume de chuvas em 24 horas: 171,8 milímetros. O número anterior era de 164,2 milímetros em 14 de fevereiro de 1978. As marcas envolvem 110 anos de medições.

Os temporais castigaram, até o momento, 36 municípios do estado, atingindo 3.375 pessoas. Conforme o último balanço das autoridades estaduais, sete pessoas ficaram feridas, 2.620 estão desalojadas e 911 desabrigados.

Leia também:

Temporal provoca mortes em Minas Gerais; BH teve a pior chuva da história

Dois bombeiros foram soterrados na sexta-feira, 24, durante buscas a vítimas em Betim, na Grande Belo Horizonte. Ambos foram resgatados por colegas, encaminhados ao Hospital de Pronto Socorro XXIII, na capital, e liberados durante a madrugada deste sábado, 25. A capital e a região metropolitana são as áreas mais atingidas. Onze das 30 mortes aconteceram em cidades da Grande Belo Horizonte, de acordo com o divulgado até agora:

  • 2 em Belo Horizonte;
  • 1 em Contagem;
  • 4 em Betim;
  • 4 em Ibirité.

O comandante do Corpo de Bombeiros, coronel Edgar Estevão, afirmou que as buscas por desaparecidos podem sofrer paralisações ao longo do dia por causa do encharcamento do terreno. "Temos risco para as próprias guarnições. Em alguns momentos, os trabalhos precisam ser suspenso para avaliação", disse, citando o caso dos dois bombeiros atingidos por deslizamento em Betim enquanto procuravam por soterrados. "Estavam chegando à vítima que procuravam", acrescentou.

Os bombeiros informaram ainda que as buscas não podem contar, ao menos por enquanto, com helicópteros, por causa do teto baixo, ou seja, pela grande concentração de nuvens em baixa altitude sobre as regiões sobretudo no interior atingidas pelas chuvas. "Estamos chegando por terra", afirmou.

De acordo com a Defesa Civil, há risco grande de deslizamento em nove cidades da região metropolitana de Belo Horizonte: Sabará, Rio Acima, Brumadinho, Contagem, Nova Lima, Betim, Ribeirão das Neves e Ibirité, além da própria capital. Em Belo Horizonte, somente ontem (24) foram registradas 72 ocorrências desse tipo.


Entre a quinta e a sexta-feira, o volume foi o maior registrado desde que teve início o monitoramento, no ano de 1910.

A previsão é que a intensidade das chuvas reduza-se a partir de domingo (26). A Defesa Civil, o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar continuam trabalhando no atendimento de ocorrências tanto de risco geológico (como deslizamentos e soterramentos) quanto de risco hidrológico (como alagamentos e inundações).

Plano de ação nacional

O governo federal realiza, neste sábado (25), uma reunião com diferentes órgãos e agências, sob a coordenação do Ministério do Desenvolvimento Regional, para traçar um plano de ação nos municípios mais prejudicados pelas chuvas. O Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad) disparou o alerta máximo diante do elevado número de alertas por desastres naturais acionados nos últimos dias.


O ministro do Desenvolvimento Regional (MDR), Gustavo Canuto, vai sobrevoar as localidades mais afetadas nos próximos dias. O governo federal já reconheceu de forma sumária (quando o quadro é tão crítico que a própria União toma a iniciativa de agir) situação de calamidade pública em quatro municípios do Espírito Santo: Iconha, Vargem Alta, Rio Novo do Sul e Alfredo Chaves. Também foi decretada situação de emergência em Belo Horizonte e Contagem.

Em situações como essa, os órgãos se articulam para tornar ágeis ações em suas áreas, como envio de medicamentos e antecipação de benefícios sociais.

Além disso, com o reconhecimento da calamidade ou da situação de emergência, os municípios estão aptos a elaborar seus planos de ação e pedir recursos ao governo federal para ajudar em iniciativas de socorro, assistência, restabelecimento de serviços essenciais ou reconstrução.

Segundo informações do MDR, Belo Horizonte é o município com o plano mais adiantado e deve conseguir a liberação dos recursos já no início da próxima semana. O valor ainda está sendo fechado de acordo com as necessidades emergenciais.

A definição da verba para os demais municípios também depende da conclusão dos seus planos. Representantes do governo federal estão nos locais atingidos desde o último fim de semana auxiliando as equipes locais nas ações de socorro, assistência e no dimensionamento dos anos para a elaboração do plano de ação.

Em Minas Gerais, o secretário nacional de Proteção e Defesa Civil, coronel Alexandre Lucas, coordena as ações desde o último domingo (19). Já no Espírito Santo, o coordenador do Cenad, Armin Braun, auxilia os trabalhos na região.

Alerta máximo

O governo federal decretou ainda, de forma sumária, o estado de calamidade pública nas cidades capixabas de Alfredo Chaves, Iconha, Rio Novo do Sul e Vargem Alta e a situação de emergência em Belo Horizonte e Contagem, Minas Gerais.

Equipe do Ministério do Desenvolvimento Regional atua em apoio aos trabalhos de resposta às fortes chuvas que atingiram o Espírito Santo e a região metropolitana de Belo Horizonte. Profissionais da Defesa Civil Nacional estão em ambas as localidades para auxiliar na mitigação dos danos humanos e materiais causados pelos desastres.

O regime de atenção teve início na segunda-feira (20) e é parte da Operação Chuvas de Verão 2020. Nos próximos dias, o ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, vai sobrevoar as localidades mais afetadas pelas chuvas.

Desde quarta-feira (22), alertas têm sido emitidos em decorrência de chuvas intensas e altos acumulados de precipitação na faixa que compreende o Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais e o Rio de Janeiro, além do Distrito Federal. A pasta ressalta que, dentro da mancha de impactos, há localidades que já estão sofrendo com as chuvas registradas desde o dia 17 de janeiro.

As recomendações são destinadas a órgãos de proteção e defesa civil estaduais e municipais e a moradores de áreas de risco nas regiões que poderão ser afetadas. Há possibilidade de ocorrerem desastres naturais como inundações, enxurradas, alagamentos, deslizamentos de terra e corridas de solo.

Alertas

De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Regional, somente em janeiro deste ano, a Defesa Civil Nacional já disparou mais de 2 mil alertas de desastres naturais para todo o Brasil. Os números incluem os avisos emitidos por SMS para os celulares cadastrados e para os usuários de TV por assinatura, serviço que não requer cadastro.

O envio dos alertas ocupa papel central na mitigação de danos materiais e preservação da segurança e da vida da população em áreas de risco, especialmente diante das fortes chuvas que deverão prosseguir neste fim de semana atingindo os estados do Espírito Santo, de Goiás, Minas Gerais e do Rio de Janeiro, além do Distrito Federal.

A Defesa Civil Nacional orienta as pessoas que moram em áreas de risco, ou que já tenham registrado desastres anteriormente, a procurar os órgãos locais de defesa civil para ter acesso ao plano de contingência de sua região. É importante conhecer as rotas de fuga e os pontos seguros para uso em momento prévio ao desastre.

Os interessados em receber alerta da Defesa Civil devem enviar para o número 40199 um SMS com o CEP de interesse. De imediato, as seguintes frases confirmarão o êxito da operação: “Cadastro realizado com sucesso. O celular está apto a receber alertas e recomendações de Defesa Civil. Para cancelar, envie sair e o CEP para 40199”. É permitido cadastrar mais de um CEP.

Já os alertas em TV por assinatura são enviados diretamente aos televisores. O serviço é gratuito, está disponível em todos os estadosl e não necessitam de cadastro prévio.


Agência Estado, Agência Brasil e DomTotal



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!