Religião

16/05/2022 | domtotal.com

Unidade entre católicos e anglicanos exige caminhar e trabalhar juntos, diz o Papa Francisco

Católicos e anglicanos são chamados a caminhar juntos

O Reverendo Will Adam, vice-secretário-geral da Comunhão Anglicana, oferece um presente ao Papa Francisco durante uma reunião em 13 de maio de 2022
O Reverendo Will Adam, vice-secretário-geral da Comunhão Anglicana, oferece um presente ao Papa Francisco durante uma reunião em 13 de maio de 2022 Foto (CNS/Vatican Media)

NCR

CIDADE DO VATICANO - Cristãos divididos devem reconhecer como seus pecados fraturaram a Igreja de Cristo, ser honestos sobre as lutas que suas comunidades estão enfrentando e ser humildes o suficiente para reconhecer que outros têm dons de que precisam, disse o Papa Francisco.

Ao receber os membros da Comissão Internacional Anglicano-Católica Romana no Vaticano em 13 de maio, o Papa também insistiu que, enquanto os diálogos teológicos formais continuam, os cristãos divididos também devem estar dispostos a sujar as mãos "no serviço compartilhado aos nossos irmãos e irmãs feridos descartados pelos caminhos do nosso mundo."

A "jornada" em direção à unidade cristã não é simplesmente metafórica, disse Francisco.

"Como parte desta jornada concreta, desejo encomendar suas orações para este passo importante. O Arcebispo (Anglicano) Justin Welby e o moderador da Igreja (Presbiteriana) da Escócia, dois queridos irmãos, serão meus companheiros de viagem quando, dentro de algumas semanas, finalmente poderemos viajar para o Sudão do Sul."

O Papa Francisco, o Arcebispo Welby de Canterbury e o Reverendo Dr. Iain M Greenshields, o novo chefe da Igreja Presbiteriana, anunciaram que visitarão o Sudão do Sul juntos de 5 a 7 de julho.

Em uma terra onde diferentes denominações evangelizaram diferentes comunidades e muitas dessas comunidades vivem tensões políticas entre si, o Papa disse: "A nossa será uma peregrinação ecumênica de paz, para sermos promotores de reconciliação, pacientes artesãos de concórdia, capazes de dizer não à perversa e inútil espiral da violência e das armas."

Divergindo de seu texto preparado, o Papa Francisco disse ao grupo: "meu irmão Justin está enviando sua esposa primeiro para fazer os trabalhos de preparação e caridade. E este é o bom trabalho que ele faz, como casal, com a sua esposa. Obrigado por tanto."

Nas relações ecumênicas, como nas relações civis, disse Francisco, "não devemos cair na escravidão do conflito".

"Devemos distinguir entre crise e conflito", disse o Papa. "Nós, em nosso diálogo, teremos que entrar em crise, e isso é bom", porque uma crise pode forçar as pessoas a reconhecer o perigo e encontrar maneiras criativas de superá-lo.

Católicos e anglicanos, disse o Papa, são chamados a caminhar juntos, "avançar, deixando para trás as coisas que dividem, passado e presente, e mantendo o olhar fixo em Jesus e na meta que deseja e nos aponta: a meta de unidade visível entre nós."

"Toda busca por uma comunhão mais profunda deve ser uma troca de dons, onde cada um faça suas as sementes que Deus plantou no outro", insistiu o Papa. "Os dons do Espírito Santo nunca são dados para uso exclusivo de quem os recebe. São bênçãos destinadas a todo o povo de Deus: as graças que recebemos são destinadas aos outros, e as graças que os outros recebem são necessárias para nós."

No âmbito do ecumenismo, porém, a "troca de presentes" pode ser reduzida a um gesto formal ou cerimonial, disse.

"Humildade e verdade", disse o Papa, são necessárias para garantir que isso não aconteça.

"Falar honestamente uns com os outros sobre questões eclesiológicas e éticas, discutir temas desconfortáveis, é arriscado; poderia aumentar as distâncias em vez de promover o encontro", disse o Papa. As questões eclesiológicas que dividem católicos e anglicanos incluem a ordenação de mulheres como padres e bispos, e as questões éticas incluem a bênção de casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

O lugar para começar, disse Francisco, deve ser "admitir e compartilhar as lutas que vivemos. Este é o primeiro passo: não se preocupar em parecer atraente e seguro para nossos irmãos e irmãs, apresentando-se como gostaríamos de ser, mas mostrando a eles com o coração aberto como somos na realidade."

"Os pecados que levaram a nossas divisões históricas só podem ser superados com humildade e verdade, começando com a dor por nossas feridas recíprocas e a necessidade de dar e receber o perdão mútuo", disse o Papa. "Isso exige coragem, mas é o espírito do dom, pois todo dom verdadeiro implica sacrifício, implica transparência e coragem, e abertura ao perdão".

Traduzido por Ramón Lara.


Dom Total

Escrito por Cindy Wooden, Serviço Católico de Notícias.



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!



Outras Notícias

Não há outras notícias com as tags relacionadas.