Cultura Moda

04/01/2014 | domtotal.com

Criações de Paco Rabanne vão a leilão


Criações de Paco Rabanne para a coleção Primavera-Verão 2013, apresentadas em 2 de outubro de 2012, em Paris
Criações de Paco Rabanne para a coleção Primavera-Verão 2013, apresentadas em 2 de outubro de 2012, em Paris (AFP)
Cerca de 200 modelos de alta costura de Paco Rabanne, criados originalmente para desfiles e utilizados em peças de teatro e ópera, serão leiloados pela Casa Drouot de Paris em 22 de janeiro.

Os vestidos, chapéus, joias e sapatos foram desenhados entre meados dos anos 70 e os anos 90. Alguns dos vestidos foram feitos de alumínio, pedras, metal e plástico.

Todas as peças foram reunidas entre 1979 e 2009 por Jorge Zulueta e Jacobo Romano, fundadores do Grupo Ação Instrumental, companhia argentina que tem o objetivo de renovar a linguagem tradicional da ópera.

"Os vestidos-esculturas, utilizados a serviço de nossos heróis e heroínas de nossas óperas, permitiram elevar o gesto dramático da música", indicaram em um informe divulgado à imprensa pela Casa Artcurial, responsável pelo leilão.

Entre as peças especiais do leilão estão um vestido curto de 1981 composto de placas metálicas e uma saia com penas de cisne (estimados entre 2.000 e 3.000 euros), um vestido de 1977 feito com contas de madeira (entre 3.000 e 4.000 euros), um vestido "Cleópatra", composto de cilindros metálicos (entre 2.000 e 3.000 euros).

Também serão leiloados grandes vestidos drapeados e caftãs de musseline de seda, entre muitos outros itens.

Paco Rabanne, citado no comunicado de imprensa, considera que não há fronteira entre a alta costura e o vestuário cênico, já que ambos "são feitos para ser inflado, exagerado, dos sonhos".

Esta é a segunda venda de modelos do estilista pertencentes ao espanhol Jorge Zulueta e Jacobo Romano. Em janeiro de 2012, 300 vestidos, esculturas e acessórios assinados por Paco Rabanne foram vendidos por 140.000 €.


AFP

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!

Comentários


Instituições Conveniadas