Esporte Especializados

23/09/2018 | domtotal.com

Brasil alcança marca histórica no Mundial Equestre com duas pratas de Riskalla


Rodolpho Riskalla montando Don Henrico entrou para a história do Adestramento Paraequestre no Brasil ao conquistar duas medalhas de prata no mais importante evento mundial de esportes com cavalos, os Jogos Equestres Mundiais, este ano em 8ª versão e pela segunda vez nos Estados Unidos. Na terça-feira (18), na prova técnica Grau IV, Riskalla atingiu 74,625% de aproveitamento, e nesse sábado (22) no Freestyle Grau IV - prova com coreografia livre e música - registrou 77,780% no Tryon International Equestrian Center, na Carolina do Norte.

"Mais uma vez eu não tenho palavras. Competir em um Mundial foi uma experiência maravilhosa assim como na Olimpíada. Eu sabia que meu cavalo, que está comigo desde de julho 2017, tem qualidade pra isso. Sorte também ajudou, mas é preciso muita técnica e trabalho", destacou Rodolpho, que trabalha na empresa Dior em Paris, treina no clube Polo de Paris e conta com apoio de sua mãe e treinadora Rosangele e da irmã Victoria, também amazona. Seu cavalo Don Henrico é um hannoveriano de 15 anos cedido por sua amiga e patrocinadora, a amazona olímpica alemã Ann Kathrin Linsenhoff.

As conquistas do cavaleiro paulistano de 33 anos, radicado em Paris, foram fundamentais para o 7º lugar da equipe, o melhor resultado do Brasil desde que a Federação Equestre Internacional (FEI) integrou o Adestramento Paraequestre nos Jogos Equestres Mundiais, em 2010, nos Jogos de Kentucky, EUA.

A disputa por equipe aconteceu nesta sexta-feira (21) com os resultados da segunda reprise cumprida por todos os cavaleiros dos cinco graus distribuídos em provas realizadas na quinta-feira, 20, e sexta, 21. O Brasil, em 7º, somou 210,965% pontos com aproveitamento dos três melhores resultados. Os medalhistas carimbaram o passaporte para a Paralimpíada de Tóquio 2020: Holanda, que faturou o ouro com 223,597%, a Grã Bretanha, dona da prata com 222.957%, e a Alemanha, que conquistou o bronze com 219.001%. Para o Brasil ainda há outras diversas chances de classificação para os Jogos.

A holandesa Sanne Voets, ouro na Rio 2016, com Demantur N.O.P. garantiu três títulos mundiais grau IV em 2018. na prova técnica em 18/9, no Freestyle Grau IV, em 22/9, com 79.645, além de ouro por equipes.

O Time Brasil conquistou seu melhor resultado em Jogos Equestres Mundiais com quatro integrantes: Rodolpho Riskalla/Don Henrico no grau IV, o medalhista paralímpico Marcos Fernandes Alves, o Joca, montando Vlaminir, no grau II e no grau I o também medalhista paralímpico Sérgio Fróes Ribeiro de Oliva montando Coco Chanel M e Vera Lúcia Martins Mazzilli com Ballantine.

No balanço geral, Rodolpho Riskalla/Don Henrico (grau IV) faturou a primeira medalha de prata na prova técnica dia 18/9 com a nota média geral 73,366%. Retornou para a pista na quinta-feira, 21, na segunda reprise, válida para qualificação da equipe, ficou em segundo lugar com a nota 74,625%; e se despediu do evento neste sábado, 22, conquistando sua segunda medalha de prata com a nota 77.780% no Freestyle.

Sérgio Oliva com Coco Chanel M (grau I) foi o segundo melhor resultado do Brasil no Mundial de Tryon. Campeão Mundial em 2007 e dono de duas medalhas de bronze na Paralimpíada do Rio 2016, o brasiliense de 36 anos atingiu 70,036% na prova técnica dia 19, e 70,786% na segunda reprise com resultado válido para a classificação por equipe. Oliva não participou do Freestyle.

Também competindo no grau I, outra brasiliense, Vera Lúcia Martins Mazzilli montando Ballantine registrou 65,357% na prova técnica dia 19, e 62,607% na prova qualificatória válida para a equipe, resultado que acabou sendo descartado. A amazona de 67 anos - a mais velha da modalidade em Tryon - também não participou do Freestyle.

O último brasileiro em pista da modalidade em Tryon foi o também brasiliense Marcos Fernandes Alves, o Joca, que monta Vladimir no grau II. Dono de dois bronzes na Paralimpíadas de Pequim 2008, Joca, 57 anos, registrou 64,412% na prova técnica, 65,636% na reprise qualificatória para equipe, e se despediu do evento com 65,413% no Freestyle. 


Gazeta Esportiva

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Mais Lidas
Instituições Conveniadas