Religião

26/02/2019 | domtotal.com

'Máquinas ou Humanos?', Vaticano procura respostas em conferência sobre roboética

Debate sobre a roboética chega ao Vaticano, para ajudar a definir rumos. Papa destaca 'profundas mudanças' na relação entre a tecnologia e o corpo.

Para a Igreja, avanço da robótica e da Inteligência Artificial põe em jogo algo que diz respeito às próprias caraterísticas do homem.
Para a Igreja, avanço da robótica e da Inteligência Artificial põe em jogo algo que diz respeito às próprias caraterísticas do homem. (Lukas - @hauntedeyes/ Unsplash)

O Vaticano está promovendo uma conferência sobre “roboética” onde debate questões e potenciais da robótica ou da genética, por exemplo. O encontro teve início segunda-feira (25) e se estende por esta terça-feira.

“Hoje é possível intervir muito profundamente na matéria viva, usando os resultados obtidos pela física, genética e neurociência, bem como pela capacidade de cálculo de máquinas cada vez mais poderosas”, escreve o Papa Francisco, na carta com que se associa à próxima Assembleia Geral da Academia Pontifícia para a Vida (APV), no seu 25.º aniversário de instituição.

O texto, divulgado pela Santa Sé, tem como título ‘Humana communitas’ (A comunidade humana), convidando à reflexão sobre as novas tecnologias, definidas hoje como “emergentes e convergentes”.

“Trata-se das tecnologias de informação e comunicação, as biotecnologias, as nanotecnologias e a robótica. O corpo humano também é suscetível a intervenções que podem modificar não apenas as suas funções e desempenhos, mas também as suas formas de relacionamento, a nível pessoal e social, expondo-o cada vez mais à lógica do mercado”, refere o pontífice.

A APV promove, durante dois dias, a assembleia dedicada ao tema ‘Roboética. Pessoas, máquinas e saúde’.

O Papa sublinha que é necessário “compreender as profundas mudanças que são anunciadas nessas novas fronteiras”, a fim de poder orientá-las para o serviço da pessoa, “respeitando e promovendo sua dignidade intrínseca”.

“Uma tarefa muito exigente, que requer um discernimento ainda mais atento do que o habitual, devido à complexidade e incerteza de possíveis desenvolvimentos”, admite.

Francisco saúda os “numerosos e extraordinários recursos” que são postos à disposição da humanidade pela pesquisa científica e tecnológica, mas adverte que os mesmos “correm o risco de obscurecer a alegria que resulta da partilha fraterna e da beleza de iniciativas comuns”.

“A Igreja é chamada a relançar vigorosamente o humanismo da vida que surge da paixão de Deus pela criatura humana”, aponta a carta que assinala os 25 anos da criação da Academia Pontifícia para a Vida.

O organismo fundado por São João Paulo II tem novos estatutos de 2016, com o objetivo de fazer com que a sua reflexão tenha em conta “o crescente ritmo da inovação tecnológica e científica”.

Francisco denuncia o que classifica como “degradação do humano” e o paradoxo do “progresso”, falando num “estado de emergência”, que se estende ao plano ambiental.

O sistema econômico e a ideologia do consumo selecionam as nossas necessidades e manipulam os nossos sonhos, sem levar em conta a beleza da vida partilhada e a habitabilidade da casa comum”.

O Papa propõe uma nova perspetiva ética universal, “atenta aos temas da criação e da vida humana.

A APC, com 151 membros dos cinco continentes, é elogiada pelo “compromisso com a promoção e proteção da vida humana em todo o seu desenvolvimento, a denúncia do aborto e da eliminação do doente”.

“Estamos plenamente conscientes de que o limiar do respeito fundamental pela vida humana está hoje a ser violado de forma brutal, não apenas pelo comportamento individual, mas também pelos efeitos das opções e acordos estruturais”, aponta Francisco.

A carta defende uma “bioética global”, com atenção às repercussões do meio ambiente na vida e na saúde, para “aprofundar a nova aliança do Evangelho e da criação”.

Em 2020, o Vaticano vai promover uma assembleia sobre a Inteligência Artificial.

Entrevista

Padre Carlo Casalone, jesuíta, membro da Academia Pontifícia para a Vida (Santa Sé), na sua seção científica, falou antes da conferência iniciar à Agência ECCLESIA e Família Cristã sobre a necessidade de preservar o “sentido” do humano e determinar o rumo que se pretende, neste campo.

- Porque falar de roboética no Vaticano?

A Igreja tem uma grande experiência de reflexão sobre o homem e sobre o que carateriza a presença do homem na história, no mundo. O tema da robótica, estreitamente ligado ao da inteligência artificial, refere-se exatamente à relação entre o humano e o artificial, entre o que o homem é espontaneamente e o que pode fazer, através das suas capacidades técnicas. Portanto, está em jogo algo que diz respeito às próprias caraterísticas do homem e a Igreja tem muito interesse nisto, também porque a questão é como colocar à disposição de todos o patrimônio de experiência, de sabedoria, que a Igreja conseguiu amadurecer e cultivar ao longo dos séculos. 

- O debate, muitas vezes, não é apenas sobre aquilo que é possível fazer, tecnicamente, mas sobre os limites do humano…

Por certo, fala-se muitas vezes de ética para definir limites, mas eu penso que poderia ser interessante tentar colocar a pergunta em termos de sentido. Qual é o sentido do ser humano? A partir daqui, sim, quais são os limites que devemos definir, enquanto pessoas que agem de forma consciente e responsável. Isto é, qual é a nossa responsabilidade em relação ao bem que recebemos, através da criação, no qual vivemos, e de que forma o devemos gerir, responsavelmente. 

- Nas questões éticas, a Teologia tende mais a reagir, mas parece que neste campo há uma intenção de antecipar questões e potencialidades…

Há um desenvolvimento científico e tecnológico que carateriza todo o mundo, ainda que de forma diferente, nos vários continentes, e que diz respeito a todos, numa sociedade global – tanto assim, que temos na nossa conferência relatores da África, da América Latina, da Ásia. Muitas vezes, faz-se uma reflexão a partir do momento em que a investigação científica já tem os meios, ao seu dispor, como se o comboio já tivesse partido e se procurasse orientá-lo num determinado sentido e não noutro.

Neste caso, a nossa pergunta é: que comboio queremos construir? E se este comboio tem mesmo de ser construído. Portanto, trata-se de assumir o tema da investigação científica e tecnológica, não são só olhando para os seus resultados, mas interrogando-nos sobre o sentido desses instrumentos, das formas de aproximação à realidade que queremos criar. Nesse sentido, é muito importante antecipar, para termos uma ideia de como é que pode ser orientado o nosso património de conhecimento, económico. São objetivos de uma investigação que, no mundo de hoje, deve ser sensata, humanizadora, justa. 

- A Academia Pontifícia para a Vida decidiu trazer para o centro das suas reflexões a roboética e, em 2020, a inteligência artificial. Como é que se determinou a necessidade de debater estas questões?

Efetivamente, não queremos apenas promover um encontro sobre robôs e depois deixar o tema de lado, porque temática está muito ligada à inteligência artificial, são dois elementos que convergem e interagem.

A reflexão teológica permite ter uma imagem e compreensão do homem, a qual é depois declinada na prática pela ética. Por isso, trata-se de apresentar o que o Evangelho e a reflexão teológica nos dizem sobre o homem, articulando-o com as perguntas do mundo contemporâneo. Isto vale também para o trabalho da Academia, que sempre se interessou sobre os temas da vida humana.

Hoje, queremos colocar num novo contexto as perguntas de sempre, relativas à vida pessoal, como protegê-la, defendê-la, apoiá-la neste contexto cultural, científico, tecnológico. 

- O que se pode esperar destes dois dias de debate?

Sendo o primeiro passo de um evento que se desenvolve em dois tempos, este ano e no próximo, procura acentuar, em particular, na compreensão do fenómeno. Ou seja, o que é possível fazer, efetivamente, quais são as vias de investigação que se estão a seguir, no que diz respeito aos robôs e a inteligência artificial. Depois, vão ser elaborados critérios que nos ajudem a interpretar, numa escuta livre e crítica, procurando encontrar parâmetros que definam o que é bom para o homem, para a humanidade, no seu todos, no desenvolvimento destas tecnologias.

A última parte é especificamente centrada nos temas da saúde, porque a história da Pontifícia Academia para a Vida e a sua missão própria tem a ver, em particular, com a vida e a saúde. Veremos de que forma é que estas novas tecnologias estão a ser implementadas no campo dos tratamentos e da biomedicina.


Ecclesia

TAGS




Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!



Outras Notícias

Não há outras notícias com as tags relacionadas.