ESDHC

07/03/2019 | domtotal.com

Egressos da Dom Helder vencem etapa de competição global

Equipes buscam o desenvolvimento de soluções inovadoras, que impactem positivamente o ecossistema da Justiça no mundo.

A equipe da egressa Rafaela Silva conquistou o 1º lugar com a plataforma RevisePrev.
A equipe da egressa Rafaela Silva conquistou o 1º lugar com a plataforma RevisePrev.
Logomarca da RevisePrev.
Logomarca da RevisePrev.
A equipe do egresso Pedro Esteves conquistou o 3º lugar com a plataforma JuntaMais.
A equipe do egresso Pedro Esteves conquistou o 3º lugar com a plataforma JuntaMais.
Logomarca da JuntaMais.
Logomarca da JuntaMais.

Os advogados Rafaela Silva e Pedro Esteves, egressos da Dom Helder, conquistaram um ótimo resultado na primeira etapa do Global Legal Hackathon, considerado o maior evento de legaltech no mundo. Mais de cinco mil pessoas, em 25 países e 6 continentes, participaram das atividades, que foram realizadas entre os dias 22 e 24 de fevereiro. Além de Belo Horizonte, outras sete cidades brasileiras foram escolhidas como sede: Balneário Camburiú/SC, Curitiba/PR, Florianópolis/SC, Jaraguá do Sul/SC, Manaus/AM, Porto Alegre/RS e Recife/PE.

Soluções inovadoras

O objetivo do Global Legal Hackathon é engajar faculdades, escritórios, empreendedores, empresas de tecnologia, governo e prestadores de serviços, entre outros atores, para o desenvolvimento rápido de soluções inovadoras, incrementais ou revolucionárias, que impactem positivamente o ecossistema da Justiça no mundo. Sendo assim, a equipe da advogada Rafaela desenvolveu a RevisePrev, uma plataforma jurídica para revisar o cálculo previdenciário de forma simples e gratuita, e conquistou o 1º lugar na competição. Já a equipe do advogado Pedro criou a JuntaMais, uma plataforma de apoio jurídico gratuito, por voluntários, para mulheres em vulnerabilidade. O projeto obteve o 3º lugar.

A Comissão de Direito para Startups da OAB/MG e a Associação Brasileira de Lawtechs e Legaltechs (AB2L) foram responsáveis pela organização do evento em Belo Horizonte. "É incrível o que é possível se produzir em tão pouco tempo, com foco, trabalho em equipe e suporte de pessoas mais experientes, os mentores. Foi um final de semana de intenso aprendizado, muita resiliência e, ao final, todos os participantes estavam com a sensação de dever cumprido", afirma Pedro.

Em entrevista ao portal Dom Total, os advogados contaram um pouco mais sobre os projetos desenvolvidos e a experiência adquirida na competição. No caso de Pedro, os demais integrantes da equipe contribuíram para a elaboração das respostas. Confira:

Como surgiram as ideias apresentadas por vocês no Global Legal Hackathon?

Rafaela: Durante a competição a equipe criou a ideia do RevisePrev. A ideia foi desenvolvida no segundo dia do evento, quando as equipes começaram a trabalhar em seus projetos de inovação. A equipe contou com os advogados Fernanda Horta, Rafaela Silva, Lindamaria Lima e Érico Servano, que desenvolveram a questão prática e jurídica da plataforma, os programadores Guilherme Cunha e Paulo Vitor Gonçalves, que desenvolveram o site e softwere da plataforma, e o estudante de direito Gustavo Babo, que teve papel fundamental na validação e Bussines do projeto.

 Pedro: Surgimos em um evento no estilo Hackathon, uma maratona tecnológica. Uma das regras do evento, Global Legal Hackathon, é que todo o desenvolvimento do negócio ocorra dentro das 50h entre sexta à noite e domingo. O JuntaMais é uma lawtech social, totalmente criada no evento, que busca conectar mulheres em situação de vulnerabilidade a advogados voluntário por meio de um portal online.

Quais as propostas das respectivas plataformas? Elas serão lançadas?

Rafaela: A plataforma desenvolvida pela equipe focou na dor de mercado previdenciária, com intuito de incentivar o acesso à informação e justiça, e evitar a desburocratização da revisão previdenciária. A RevisePrev enseja conexão entre clientes qualificados e advogados cadastrados na plataforma para realização do procedimento, sendo que inova ao promover automatização dos cálculos previdenciários e petição eletrônica com teses pré-fixadas, através de programação e algoritmos, simplificando a verificação do direito e a atuação do advogado.

Tendo saído como vencedora da competição a equipe segue para as próximas fases, que consistem em duas semifinais online, no Brasil, e por fim, a final, que ocorrerá em NY, em maio de 2019. Após a vitória na competição a equipe está desenvolvendo o projeto para a próxima fase da competição. Os programadores estão desenvolvendo o software de cálculos e os demais integrantes estão verificando as teses jurídicas para integração da plataforma.

Pedro: O produto consiste em uma plataforma online, adaptada a PC ou mobile. O uso ou não de um aplicativo integrado será definido ao longo das próximas semanas. E sim, vamos lançar o protótipo plataforma em breve.

A justiça, infelizmente, é inacessível para grande parte da população. Tendo em vista o número de Defensorias Públicas e Delegacias da Mulher em nosso Estado, por exemplo, é possível prever que a maioria das mulheres que têm os seus direitos violados não possuem atendimento rápido ou qualificado. O JuntaMais irá atuar como uma plataforma educativa para essas mulheres com dificuldade de acesso a informações sobre os seus direitos e também irá proporcionar o rápido atendimento das mesmas por advogados qualificados e interessados em resolver os problemas. Os advogados vão atuar de forma voluntária, doando algumas horas por mês de trabalho pró-bono.

Como foi participar da competição? A experiência na Dom Helder contribuiu para o desempenho de vocês?

Rafaela: Participar do Global Legal Hackathon foi sensacional. Não há outra palavra para descrever a felicidade de se ver na prática aquilo que estamos estudando e descobrindo sobre direito e tecnologia. A participação no evento foi uma verdadeira imersão e, sem sombra de dúvidas, uma maratona. Nessa maratona tivemos que exercitar muito nossa capacidade criativa e conciliar nosso senso de justiça com a vontade de inovar tecnologicamente. Além de muito trabalho, muita superação e muitas ideias, a competição te possibilita trabalhar com pessoas incríveis, sofrer e crescer em equipe. Cooperação, superação e gratidão definem bem a experiência de tudo que foi vivido nessas 54 horas.

O evento começou na sexta-feira, com a participação de vários palestrantes e os ganhadores do evento do ano de 2018. No sábado, começamos a desenvolver o projeto e trabalhamos cerca de 15 horas na plataforma, fechando a ideia de inovação na área jurídica, o slogan, site, blog, redes sociais, e-book, estudando a matéria de previdenciário e criando questionários e formulários para validação do projeto, bem como entramos em contato com advogados, escritórios de advocacia e pessoas interessadas na plataforma para demonstrar a viabilidade do produto. Todos da equipe tiveram um papel indispensável durante a competição. No domingo, foram finalizados os projetos e realizados os pitchs por cada equipe em frente à banca julgadora. A nossa equipe, RevisePrev, foi a ganhadora, ficando em segundo lugar a equipe do DocFly, e em terceiro a equipe Juntamais.

A Dom Helder me auxiliou de forma indireta na competição. Isso porque a instituição sempre me estimulou a pensar sobre temáticas diferenciais da área do direito, começando com o direito ambiental e agora investindo no direito digital e internet. Além de sua excelência como instituição de ensino, a faculdade cria também bases para que os alunos ultrapassem limites em sua carreira, o que vem sendo determinante na minha atuação como advogada. Me formei no segundo semestre de 2016, me especializei em direito civil e processual civil pela ESA/MG e agora estou me especializando na área do direito digital, pela Faculdade Arnaldo.

Pedro: É incrível o que é possível se produzir em tão pouco tempo, com foco, trabalho em equipe e suporte de pessoas mais experientes, os mentores. Foi um final de semana de intenso aprendizado, muita resiliência e, ao final, todos os participantes estavam com a sensação de dever cumprido. Foi maravilhoso e recomendo a todos. Não posso deixar de citar e agradecer aos membros do JuntaMais: Marcela Nagy (Advogada), Patrícia Ester (Jornalista e Publicitária), Laurence Pereira (Advogado), Leandro Pacheco (Advogado), Shined Angel (Programadora); e, também, a equipe sensacional dos organizadores, voluntários, staff e mentores do Global Legal Hackathon 2019 Belo Horizonte.

Me formei em direito no segundo semestre de 2014. A Dom Helder é uma instituição que me inspira por seu exemplo, sempre buscando fazer o melhor em tudo que se propõe a investir.

A todos os advogados que nos leem, fica o convite de se juntarem à plataforma para apoiarmos as mulheres em situação de vulnerabilidade. Mais informações nas redes sociais do JuntaMais.

Acompanhe as plataformas nas redes sociais:

@revise.prev

@coletivojuntamais | fb.me/coletivojuntamais


Patrícia Azevedo/Redação Dom Total

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!


Instituições Conveniadas