Cultura

14/03/2019 | domtotal.com

Almodóvar volta a reunir Penélope Cruz e Antonio Banderas em "Dor e Glória"

As criações de Almodóvar, que faz 70 anos em 2019, não costumam seguir uma estrutura linear e dão protagonismo, entre outros, a personagens LGTBI.

Banderas, de 58 anos, e Penélope, de 44, já dividiram a tela em 2013 em
Banderas, de 58 anos, e Penélope, de 44, já dividiram a tela em 2013 em "Os Amores Passageiros". (Copyright Manolo Pavón)

Por Sabela Ojea

MADRI - Ganhador de dois Oscar, Pedro Almodóvar apresentou seu drama retrospectivo "Dor e Glória", na noite de quarta-feira, em Madri, reunindo pela segunda vez Penélope Cruz e Antonio Banderas, cujas carreiras decolaram em Hollywood depois de protagonizarem filmes do diretor espanhol.

O filme autobiográfico, no qual Banderas interpreta Almodóvar no presente mais próximo e Penélope sua mãe quando este era jovem, encerra uma trilogia formada por "A Lei do Desejo", de 1987, e "A Má Educação", que estreou em 2004.

As criações de Almodóvar, que faz 70 anos em 2019, não costumam seguir uma estrutura linear e dão protagonismo, entre outros, a personagens LGTBI.

"Dor e Glória", que estreia na Espanha em 22 de março, ainda não tem data de lançamento nos Estados Unidos e na Europa, disse à Reuters a produtora, El Deseo, de Almodóvar.

"Este filme foi um alívio para mim, mas é delicadíssimo brincar com a sua própria vida e convertê-la em ficção", disse Almodóvar no tapete vermelho da pré-estreia antes da projeção do longa-metragem.

Banderas, de 58 anos, e Penélope, de 44, já dividiram a tela em 2013 em "Os Amores Passageiros".

O melancólico "Dor e Glória" fala das etapas diferentes pelas quais um diretor de cinema passa por acaso e trata de momentos distintos de sua vida, como sua infância, a relação com sua mãe, seus primeiros amores e o vazio de não saber se conseguirá continuar dirigindo filmes.

"De todas as atrizes que conheci em Hollywood, não houve nenhuma que não tenha me perguntado como é trabalhar com Pedro, o que tenho que fazer para trabalhar com Pedro, e sempre lhes digo: aprender espanhol", disse Penélope, a primeira atriz espanhola indicada a um Oscar por seu papel em "Volver", de 2006.

Três anos mais tarde ela ganhou um Oscar de melhor atriz coadjuvante por "Vicky Cristina Barcelona".

Na nova produção, a madrilenha canta uma canção de Lola Flores com Rosalía, ganhadora de dos Grammys conhecida por misturar o flamenco mais tradicional com música urbana.

"Interpretar Almodóvar tem sido algo muito comovente, fazemos filmes juntos há 40 anos", disse Banderas, que trabalha com o diretor e roteirista pela oitava vez em "Dor e Glória".


Reuters

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas