Brasil

19/03/2019 | domtotal.com

Brasil e EUA assinam acordo para uso de base de Alcântara

Localizada na altura do Equador, a base de Alcântara, por sua posição geográfica, queima 30 por cento menos combustível nos lançamentos, e a partir dela os foguetes podem carregar mais peso.

O Brasil não terá direito de acesso à tecnologia usada pelos Estados Unidos em mísseis, foguetes, artefatos e satélites, como o governo brasileiro chegou a requerer.
O Brasil não terá direito de acesso à tecnologia usada pelos Estados Unidos em mísseis, foguetes, artefatos e satélites, como o governo brasileiro chegou a requerer. (Valter Campanato/Agência Brasil)

Por Lisandra Paraguassu

WASHINGTON - Brasil e Estados Unidos assinaram nesta segunda-feira, durante visita do presidente Jair Bolsonaro a Washington, um acordo sobre o uso norte-americano da base de lançamentos de Alcântara, no Maranhão, que permitirá aos EUA o uso comercial do local.

O novo Acordo de Salvaguardas Tecnológicas permitirá que os norte-americanos usem a base --considerada a melhor localização do mundo para lançamento de foguetes-- para seu programa espacial, em troca de pagamento pelo uso. O Brasil, no entanto, não terá direito de acesso à tecnologia usada pelos Estados Unidos em mísseis, foguetes, artefatos e satélites, como o governo brasileiro chegou a requerer.

No entanto, o novo acordo retira a segregação de uma área da base, como estava previsto no texto inicial, negociado em 2000, em que apenas os norte-americanos teriam acesso. A nova proposta delimita uma área de acesso restrito, mas não impede a entrada de brasileiros.

Localizada na altura do Equador, a base de Alcântara, por sua posição geográfica, queima 30 por cento menos combustível nos lançamentos, e a partir dela os foguetes podem carregar mais peso.

O acordo foi assinado durante o evento Brazil Day, realizado em Washington com a presença de Bolsonaro e empresários.


Reuters

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas