Mundo

19/03/2019 | domtotal.com

Bolsonaro encontra com Trump na Casa Branca: 'Eu sempre o admirei'

Presidente Jair Bolsonaro é conhecido fora do Brasil como o 'Trump dos Trópicos'.

Populistas de direita se reuniram ao meio-dia para um aperto de mãos no Salão Oval
Populistas de direita se reuniram ao meio-dia para um aperto de mãos no Salão Oval (Alan Santos/PR)

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, recebeu nesta terça-feira (19) um de seus mais ardorosos admiradores: o presidente Jair Bolsonaro, conhecido fora do Brasil como o "Trump dos Trópicos", com quem espera inaugurar uma nova aliança hemisférica.

"Esta é uma oportunidade potencialmente histórica para redirecionar as relações entre nossos dois países, as duas maiores democracias do hemisfério ocidental", disse aos repórteres o assessor de Segurança Nacional de Trump, John Bolton.

Os dois, populistas de direita e extrema direita conhecidos por sua retórica polêmica, tuiteiros compulsivos e com sintonia em temas que vão do comércio à segurança, se reuniram ao meio-dia para um aperto de mãos no Salão Oval, um almoço de trabalho e uma entrevista coletiva conjunta nos jardins da Casa Branca.

"É o começo de uma associação centrada na liberdade e na prosperidade", tuitou Bolsonaro, ao começar a viagem no domingo.

Em uma entrevista para a Fox News - canal de televisão ligado a Trump -, Bolsonaro disse que tem muito em comum com seu colega americano.

"Eu sempre o admirei. Não vou negar isso. Fui muito criticado por causa disso, mas obviamente não negarei o que penso. Não sou um camaleão."

Para os Estados Unidos, o encontro é uma oportunidade histórica de firmar o vínculo com o Brasil, disse o conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton.

"Embora tenhamos tentado estar perto do Brasil ao longo dos anos, foi difícil em administrações anteriores", declarou ele à TV Globo, prometendo responder à promessa de Bolsonaro de se aproximar de Washington, especialmente depois dos recentes governos de esquerda.

Também à Fox News, Bolsonaro negou conhecer o policial militar da reserva acusado de matar a vereadora Marielle Franco.

Questionado pela entrevistadora da emissora norte-americana sobre alegações de que ele e sua família teriam ligações com as milícias suspeitas de envolvimento na morte de Marielle, Bolsonaro reiterou que só conheceu a vereadora após sua morte, em março do ano passado, e garantiu não ter qualquer relação com o PM da reserva apontado como executor do crime, apesar de ambos morarem no mesmo condomínio no Rio de Janeiro.

'Os EUA estão contigo!' -

A Casa Branca antecipou um relançamento das relações bilaterais desde a eleição de Bolsonaro em outubro passado. E, para isso, aposta na relação pessoal entre ambos.

"Os dois vão se dar muito bem", garantiu Bolton, que visitou o Brasil para se reunir com Bolsonaro em novembro.

Trump não hesitou em confirmar seu apoio minutos após a posse de Bolsonaro em 1º de janeiro: "Os Estados Unidos estão contigo!", tuitou.

"Realmente haverá um eixo Norte-Sul das duas maiores economias do hemisfério ocidental", disse à imprensa um funcionário de alto escalão do governo Trump, para quem a vitória de Bolsonaro "rompeu muitos tabus" sobre a influência dos Estados Unidos na região e na esquerda.

"Vou abrir meu coração"

Bolsonaro disse que a conversa entre ambos se baseará, em grande medida, no processo de ajuda mútua.

"Temos muito em comum", disse Bolsonaro na segunda-feira à noite à rede Fox News.

"Estou disposto a abrir meu coração para ele e fazer o que for em benefício tantos dos brasileiros como dos americanos", afirmou.

O Brasil deseja ingressar na OCDE, um clube de ricas democracias. E Washington fará todo o possível para ajudar, disse esse funcionário do governo americano, que pediu para não ser identificado.

Segundo a imprensa local, os Estados Unidos também poderão conceder ao Brasil o status de "aliado preferencial fora da Otan". Isso abriria as portas para tecnologia, cooperação e recursos de defesa.

Além das novidades esperadas no plano agrícola e comercial, "a Venezuela certamente será parte da discussão", em particular pelo bom vínculo entre os militares venezuelanos e brasileiros, disse a mesma fonte ouvida pela AFP.

A crise venezuelana também estará no centro da agenda, quando Bolsonaro se reunir, nesta terça, com o secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro.


AFP

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas