Mundo

13/04/2019 | domtotal.com

Quase um quarto da população venezuelana precisa de ajuda urgente

O motivo, segundo a ONU, é o aumento da desnutrição e da proliferação de doenças em função da crise que assola o país.

Segundo a ONU, 3,7 milhões de pessoas estão subnutridas no país e pelo menos 22% das crianças com menos de cinco anos sofrem de desnutrição crônica.
Segundo a ONU, 3,7 milhões de pessoas estão subnutridas no país e pelo menos 22% das crianças com menos de cinco anos sofrem de desnutrição crônica. (Frederico Parra/AFP)

Um relatório das Nações Unidas revela que quase um quarto da população da Venezuela necessita de ajuda humanitária urgente, em meio ao aumento da desnutrição e das doenças decorrentes da deterioração das condições de vida no país. O informe foi apresentado ao governo de Nicolás Maduro, que atribui a crise econômica na Venezuela às sanções dos Estados Unidos e ao chefe do Parlamento, Juan Guaidó, reconhecido como presidente interino por mais de 50 países.

O relatório "Visão geral das necessidades humanitárias prioritárias" apresenta dados detalhados sobre a magnitude da crise humanitária na Venezuela, enquanto a Organização das Nações Unidas busca obter apoio para acelerar sua resposta. "Estima-se que 7 milhões de pessoas, ou 24% da população do país, têm necessidades prioritárias urgentes de assistência e proteção", assinala o relatório de 45 páginas.

Em 2018, mais de 94% da população venezuelana vivia na pobreza, incluindo 60% na pobreza extrema, segundo pesquisa realizada por três universidades de Caracas, citadas no relatório. A crise tem impactado especialmente a nutrição, com queda no consumo de carne e verduras. Entre 2014 e 2017, o consumo de leite sofreu uma redução de 77%.

Segundo a ONU, 3,7 milhões de pessoas estão subnutridas no país, o triplo da taxa registrada no período 2010-2012. Ao menos 22% das crianças com menos de cinco anos sofrem de desnutrição crônica. Doenças preveníveis como tuberculose, difteria, sarampo e malária ressurgiram e estão aumentando, do mesmo modo que a hepatite A, devido à falta de acesso à água potável.

"Devido a uma economia cada vez mais contraída e à situação política, a população venezuelana enfrenta desafios sem precedentes para ter acesso a serviços básicos, como atendimento médico, medicamentos, vacinas, água, eletricidade, educação e acesso aos alimentos".

O salários estão em queda e o fluxo migratório, incluindo o de profissionais e técnicos de todos os setores, tem agravado a deterioração das condições de vida. Ao menos um terço dos médicos do país emigraram.

Segundo o relatório, cerca de 5 mil pessoas abandonam a Venezuela diariamente, e 10% da população (3,4 milhões de pessoas) vivem agora como imigrantes ou refugiados nos países vizinhos.

Um estudo realizado pela UNICEF revelou que 48% das crianças e adolescentes matriculados nas escolas correm o risco de abandonar os estudos porque não conseguem frequentar as aulas com regularidade.

O relatório destaca que "a politização da assistência humanitária no contexto da crise torna a prestação de assistência baseada nos princípios de neutralidade, imparcialidade e independência mais difícil".

No mês passado ocorreram confrontos mortais na fronteira de Venezuela com Brasil e Colômbia, diante da pressão da oposição para entrar com ajuda humanitária, a qual o governo Maduro se opõe por considerá-la o início de uma intervenção estrangeira.


AFP/Dom Total

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas