Brasil Cidades

15/04/2019 | domtotal.com

Prédios precários são regra em bairro dominado pela milícia no Rio

Edifícios de sete andares são construídos em questão de meses, a maioria sem nenhum tipo de laudo técnico. Apartamento de 50m2 é vendido por R$ 60 mil com 'taxa zero' pela milicia.

As condições de compra são convidativas: entrada de R$ 15 mil e o restante financiado em parcelas mensais de R$ 1 mil.
As condições de compra são convidativas: entrada de R$ 15 mil e o restante financiado em parcelas mensais de R$ 1 mil. (Sérgio Moraes/Reuters)

Prédios erguidos em tempo recorde junto a encostas, imóveis ocupados ainda em obras e precária infraestrutura são a regra no condomínio Figueiras do Itanhangá, na Muzema, zona Oeste do Rio de Janeiro, onde na sexta-feira dois edifícios ruíram. Nesse domingo, número de mortes no desabamento subiu a 10 pessoas.

O baixo custo dos imóveis em comparação à média no mercado imobiliário e a falsa segurança prometida por milicianos que dominam a região acabam levando pessoas de baixa renda a adquirirem apartamentos no condomínio, que não tem autorização da Prefeitura do Rio.

Os moradores mais antigos dizem que, há menos de 20 anos, apenas casas com até dois andares eram permitidas no local. Hoje, elas são poucas em meio a dezenas de prédios erguidos em poucos meses a maioria com o mesmo padrão - entre seis e sete andares, com quatro apartamentos por andar.

Os apartamentos de dois quartos, com cerca de 50 metros quadrados, são vendidos em média por R$ 60 mil. As condições de compra são convidativas: entrada de R$ 15 mil e o restante financiado em parcelas mensais de R$ 1 mil, sem juros. Os imóveis maiores, na cobertura dos edifícios, chegam a custar R$ 200 mil - e, também podem ser financiados sem juros.

Os prédios são construídos em questão de meses, a maioria sem nenhum tipo de laudo técnico. O novo morador recebe o imóvel pronto apenas do lado de fora. "Cada um é responsável por fazer a parte elétrica e hidráulica dentro de casa", contou à reportagem um comprador, que pediu para não ser identificado.

Natural da Baixada Fluminense, mas hoje morando na Paraíba, ele adquiriu um apartamento em um edifício que fica a poucos metros de um dos dois que desabaram. Agora, está com medo que o imóvel seja demolido.

"Paguei R$ 18 mil de entrada, parcelado. Depois, já tinha pago mais seis parcelas. Quando soube do desabamento, vim pro Rio no mesmo dia", narrou, explicando que conseguiu comprar uma passagem aérea em promoção. "Vou voltar de carona com um tio caminhoneiro."

Ele disse que as condições de compra do imóvel "eram muito vantajosas, que não se encontram no mercado imobiliário". O acordo foi feito diretamente com uma imobiliária da região. "Ela faz esse serviço para todo mundo do condomínio", disse.

Ele falou com a reportagem em uma rua do Figueiras do Itanhangá. A via é uma das muitas que ruíram no local devido às chuvas que caíram no início da semana. O tráfego de veículos por lá é praticamente inviável.

'Parece que deu certo'

Mesmo se dizendo "conhecedor na construção civil", o homem disse que não viu problemas quando resolveu comprar o apartamento, em meados de 2018. "Parecia que estava tudo em ordem. Olhei os prédios do lado e eram bonitos, pareciam seguros. Só que se fazem as coisas por osmose, né? Um cara constrói e parece que deu certo, aí o vizinho vai lá e faz a mesma coisa, e assim prossegue."

Ele disse que também sabia que a área é controlada por milícias e que "tem uma taxa 'de condomínio' de R$ 50 por mês", mas não viu problema nisso. "A gente sabe que tem, mas não é aquele miliciano que anda de fuzil pra cima e pra baixo", minimizou. "Aqui os moradores dormem de janela aberta, então, e daí se é milícia. Eu quero segurança pra minha filha."

A advogada e professora universitária Maíra Lima Vieira, de 36 anos, mora no condomínio há oito meses. Ela diz que está pagando R$ 200 mil por um apartamento de três quartos - metade foi de entrada e o restante, financiado em parcelas mensais de R$ 2 mil. Na manhã deste domingo, 15, Maíra foi ao apartamento retirar algumas roupas. O prédio em que ela mora fica na mesma rua dos dois que ruíram e está interditado, mas por ora não há previsão de que seja demolido - três prédios do entorno deverão ser derrubados pela Prefeitura quando terminar o trabalho de resgate.

Maíra diz acreditar que o edifício onde mora e outros logo abaixo são seguros. "Eles têm colunas, têm fundação, foram feitos por engenheiros, têm laudo. Os de cima que são mais precários", pontuou. Ela defendeu o condomínio e criticou a atuação do Poder Público na região. "Existem construções irregulares na cidade inteira, no Estado todo. E alguns prédios aqui são legais, nem tudo é irregular."

Mortes na Muzema chegam a 10


Subiu para dez o número de mortes no desabamento de dois edifícios na comunidade da  Muzema, na zona oeste do Rio de Janeiro. Os bombeiros encontraram o corpo de uma mulher ainda não identificada sob os escombros, no final da noite desse domingo (14). De acordo com os bombeiros, a vítima estava em um local de difícil acesso e os militares levaram cerca de três horas para retirar o corpo dos destroços.

Agora as equipes de resgate trabalham com a possibilidade de que 14 pessoas ainda estejam desaparecidas, de acordo com informações registradas na área do desabamento. Até o momento, 18 pessoas foram resgatadas, sendo dez com vida, mas duas morreram no hospital.

A operação de resgate segue hoje com a participação de mais de 100 militares, cães farejadores, drone, helicópteros, ambulâncias e veículos de recolhimento de corpos. O trabalho, que entrou hoje no quarto dia, começou logo após o desabamento e segue ininterruptamente desde o início da manhã de sexta-feira (12).

No domingo, o pastor Cláudio Rodrigues, de 40 anos, foi a primeira vítima do desabamento dos prédios na Muzema a ser enterrada. O enterro foi à tarde, no Cemitério do Pechincha, na região de Jacarepaguá, também na zona oeste.

Rodrigues morava com a mulher e a filha, e os três estavam no apartamento na hora do acidente. A esposa, Adilma Rodrigues, de 35 anos, segue internada em estado grave no Hospital Lourenço Jorge. A filha,  Clara Rodrigues, de 10 anos, também ficou ferida, mas já teve alta e passa bem.


Agência Estado, Agência Brasil e DomTotal

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!


Mais Lidas
Instituições Conveniadas