Esporte Futebol Mineiro

22/04/2019 | domtotal.com

Mano brinca com fama de retranqueiro e atleticanos reclamam da arbitragem

Treinador cruzeirense estava feliz da vida com o título mineiro, enquanto atleticanos não 'engoliram' o VAR nos dois jogos da decisão.

Mano levantou a quarta taça pelo Cruzeiro.
Mano levantou a quarta taça pelo Cruzeiro. (Vinnicius Silva/Cruzeiro)

Cruzeirenses e atleticanos reagiram de maneiras bem distintas com o desfecho da finalíssima do Campeonato Mineiro 2019. Enquanto motivos para sorrir não faltaram ao técnico Mano Menezes, os atleticanos estavam muito insatisfeitos com a arbitragem.

Após o empate por 1 a 1 com o Atlético, o Cruzeiro conquistou o quarto título sob o comando do treinador. Mas, mesmo antes de a bola rolar, ele mostrou bom humor, brincando com a torcida do Atlético, e terminou a partida falando sobre a fama de retranqueiro.

Quando estava atrás do placar, precisando do empate, Mano mexeu no time colocando Pedro Rocha e Thiago Neves, deixando a equipe com apenas Henrique na proteção da defesa. "O Pedro (Rocha) entrou bem para fazer jogadas agudas, depois baixei o Robinho. O Atlético baixou ainda mais as linhas, trouxe um meia para armar de trás. Coloquei o Thiago Neves, o que foge das minhas características, mas era o risco que tínhamos que correr. Fizemos o gol e depois não teve mais jogo. Aí foi só emoção, bola levantada na área e a gente soube suportar bem", acrescentou.

O treinador ainda brincou com a ofensividade mostrada no segundo tempo. "Digo que ao brincar a gente esconde o que faz bem feito, como isso está dando conquistas, digo que sou retranqueiro e que estamos atacando bem", encerrou.

Além do bicampeonato mineiro, Mano Menezes também faturou dois títulos seguidos da Copa do Brasil (2017 e 2018) ao longo destes três anos em que está no comando do Cruzeiro.

Atlético reclama da arbitragem

Assim como aconteceu após o jogo de ida da final do Campeonato Mineiro, o diretor de futebol Rui Costa criticou a arbitragem e o uso do VAR no empate com o Cruzeiro, por 1 a 1 - resultado que deu ao Atlético o vice-campeonato.

"Infelizmente eu tenho que estar aqui de novo. Não gostaria. Eu gostaria que todo comentário hoje fosse com nosso treinador, mas infelizmente tivemos na final deste campeonato um protagonista que foi acima de jogadores, treinadores e dirigentes: o VAR", afirmou Rui Costa.

O dirigente listou alguns lances em que, para ele, o VAR foi utilizado de forma equivocada, como o lance do cartão amarelo mostrado ao lateral Edilson, do Cruzeiro. A principal reclamação porém, foi de um pênalti não marcado de Dedé em cima de Chará.

"O protocolo do VAR foi rasgado. Ele estava parando lance para dar amarelo. Nós estávamos vendo o lance do Dedé no Chará. Se aquilo não é lance para ser analisado eu não sei de nada. No mínimo o lance tem que ser checado. O Dedé nem está olhando a bola e faz a carga", apontou Rui Costa.

Os jogadores do Atlético também deixaram o gramado do estádio Independência insatisfeitos com a arbitragem.

Ainda no primeiro tempo, Elias abriu o placar para os atleticanos, mas o empate cruzeirense veio aos 34 minutos da etapa final com Fred em cobrança de pênalti, que foi assinalado graças ao VAR após o árbitro de vídeo ver a bola tocar na mão de Leonardo Silva.

O lance gerou muita reclamação dos atleticanos. Em especial Igor Rabello, que lembrou do pênalti não marcado em cima dele mesmo no jogo de ida, quando foi puxado por Dedé dentro da área.

"Teve o VAR no Mineirão, não sei o que aconteceu lá, mas se tivesse marcado aquele pênalti talvez a gente seria campeão hoje aqui. Agora é esquecer e pensar na Libertadores", indicou Rabello.

Na próxima terça-feira, o Atlético recebe o Nacional-URU, no Mineirão, e não pode pensar em outro resultado que não seja a vitória para seguir com chances de classificação às oitavas de final da Copa Libertadores.


Agência Estado/DomTotal.com

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!


Instituições Conveniadas