Cultura Cinema

02/05/2019 | domtotal.com

Atentados de Mumbai em 2008 ganham as telas de cinema em história de coragem

Além dos atentados terroristas, filme traz questionamentos religiosos e sobre a ideia de família em história baseada em acontecimentos reais de heroísmo.

O garçom Arjun (Dev Patel) escolheu arriscar-se pelo hóspedes, dentre eles o casal David e Zahara (Armie Hammer e Nazanin Boniadi).
O garçom Arjun (Dev Patel) escolheu arriscar-se pelo hóspedes, dentre eles o casal David e Zahara (Armie Hammer e Nazanin Boniadi). (Divulgação/ Imagem Filmes/ Copyright Arclight Films)

Por Gilmar Pereira
Equipe Dom Total

Estreando como diretor, Anthony Maras discute em filme a ideia de família humana. O questionamento é uma das camadas de Atentado ao Hotel Taj Mahal (Hotel Mumbai), que traz às telas a história baseada nos ataques terroristas ao famoso hotel indiano, em 2008. Mesclando ficção e realidade, longa reaviva a memória recente de um passado ainda não resolvido.

O filme começa com um grupo de terroristas chegando em um bote à Mumbai pelas águas do Mar da Arábia. Por uma espécie de rádio ou telefone, o mentor dos ataques que se sucederão lhes exorta a permanecerem firmes. Ele os trata de irmãos, lembra que são uma família e que a pobreza vivida pelos seus se dá por conta dos indianos. Confronta, assim, a memória da escassez paquistanesa com a opulência da cidade diante deles, centro financeiro da Índia.

O que se evoca já no início é uma ideia central do islã, a ummah, irmandade a que pertencem todos os muçulmanos. O termo tem ampla significação porque, segundo a fé islâmica, todos nascem muçulmanos e são desviados pelas culturas e religiões de cada país. Assim, o termo poderia abranger até mesmo aqueles que ainda não fizeram a reversão ao islã (isso mesmo, o entendimento não é de conversão, mas de volta ao que se seria essencialmente), ou poderia dizer apenas àqueles que seguem o profeta Maomé e seus ensinamentos. Isso varia conforme a interpretação feita do Alcorão.

De qualquer forma, a raiz do termo é umm, que significa mãe, designa uma origem comum e o orientador dos atentados estabelece a relação de oposição. De um lado estão muçulmanos, como uma família, e do outro estão os não-muçulmanos, que necessariamente lhe são opostos e são responsável por suas mazelas. Mais especificamente, opõe paquistaneses contra indianos.

Os dois países vivem um conflito desde o fim do governo britânico sobre o Sul da Ásia, após o fim da Segunda Guerra. A região fora dividida segundo as maiorias religiosas. Os muçulmanos ficaram com a atual Bangladesh e o Paquistão, e os hindus com a Índia. Contudo, a Caxemira, de maioria islâmica, permaneceu com sua maior parte anexada ao território indiano. A disputa por ela tem gerado fortes conflitos até hoje. O ataque suicida de terroristas paquistaneses que levou à morte 40 paramilitares indianos em fevereiro de 2019 e a consequente retaliação indiana é apenas mais uma página de uma história longe de terminar.

Essa noção geral de família unida pelos laços da fé é confrontada por famílias concretas, a do garçom do Hotel Taj Mahal, Arjun (Dev Patel), e a do casal de hóspedes David e Zahara (Armie Hammer, Nazanin Boniadi). Arjun é da minoria religiosa Sikh, nunca tirou seu turbante em público, o que seria uma vergonha para sua família, já que é sinal de sua fé. Ele é um jovem pobre, pai de uma criança e com a esposa numa segunda gestação. David é estadunidense, casado com Zahara, de uma rica família muçulmana, mas que não segue com rigor os preceitos da religião. Eles têm uma criança que também é cuidada pela baba Sally (Tilda Cobham-Hervey).

Os ataques acontecem em locais famosos e frequentados por turistas, símbolo da ostentação daqueles que, segundo o mentor dos atentados diz aos terroristas, “roubaram seus pais”. Com tiros se alvo específico e lançamento de bombas, os radicais atacam a estão de trem, um café e outros lugares, mas a história do filme se concentra no hotel, onde David e Zahara estão e onde Arjun trabalha, sob o comando do chef Hemant Oberoi (Anumpam Kher).

Quando os terroristas invadem o Taj, o chefe e sua equipe, com destaque a Arjum, bem como outros funcionários, tentarão proteger os hóspedes. Segundo Oberoi “o hóspede é deus”. Num serviço que beira a devoção, muitos funcionários não deixarão seu local de trabalho para cumprir sua missão, renegando à própria vida e família. Se Arjun, num primeiro momento, trabalha para sustentar a família, num segundo não terá mais isso em mente. Seu foco são as pessoas por elas mesmas, como quem calçasse os sapatos do outro e se sentisse no seu lugar, coisa que acontece literalmente. Tendo perdido seu calçado e usando o do chef, terá os pés feridos, mas permanecerá firme, ainda que sangre. Sua capacidade de renúncia chega ao nível de abrir mão até mesmo da cobertura de sua cabeça, sinal de sua fé, para a vivência autêntica daquilo que crê.

Deus é um dos personagens emblemáticos do longa. Quem é Deus? Qual deus? Orar para quê? Não foi a fé que começou aquilo tudo? Talvez a noção de família humana possa ser construída pela ideia de uma mesma filiação divina, mas é isso que está em jogo. Destaca-se aí a luta de David e Zahara, que estão escondidos no restaurante no térreo do hotel por chegar ao quarto onde está a babá com seu filho e fugir dali com eles. Os pais estão dispostos a dar a vida pelo filho.

Em todos os casos, a fé e a família pedem sacrifícios e cada qual interpreta isso à sua maneira. Terroristas disposto a morrer pelos seus; pais, pelo filho isolado; funcionários por hóspedes; policiais pelo dever. Tudo depende do grau de implicação de cada um com aquilo que se sentem ligados, irmanados. Ao passo que o indivíduo encontra seu sentido na comunidade, ela se torna maior que ele próprio. Odeia-se e teme-se os outros, aqueles que não são dos nossos, coisa que se vê não só no apelo terrorista, mas também no preconceito da hóspede com a barba e turbante de Arjun ou com a ascendência árabe de Zahara.

O que se pode descobrir ao longo da história de sacrifícios é que se morre somente por aquilo que se ama e que o amor exclui o medo, sendo a origem da fé e daquilo que faz uma família, independente que qualquer outro laço. Isso fica claro quando Zahara diz para David que ela crê nos dois, no amor que têm. É também o amor pelo pai e o que aprendeu dele que deixa um terrorista vacilante em seguir o que manda seu mentor.

A palavra coragem quer dizer ação do coração. Coragem não é o mesmo que valentia. O valente pode apenas impor sua força. O corajoso age conforme aquilo que ama. Atentado ao Hotel Taj Mahal é um filme sobre coragem, sobre a disposição de se dar pelos outros, com quem pode-se não ter laços sanguíneos, étnicos ou culturais, mas a quem se escolheu irmanar. Anthony Maras, num filme de ação, a partir de um caso particular, faz o apelo para que a compreensão de família ganhe proporções universais.

SINOPSE 

Uma história real de humanidade e heroísmo, baseada nos ataques terroristas ao famoso Hotel Taj Mahal em Mumbai, na Índia. Entre os sobreviventes, estão o renomado chef Hemant Oberoi (Anupam Kher) e o garçom Arjun (Dev Patel), que escolhem arriscar suas vidas para proteger as demais vítimas. Em meio ao caos, um casal de hóspedes (Armie Hammer, Nazanin Boniadi) se vê forçado a lutar por sobrevivência para salvar a vida de seu filho recém-nascido.

Gêneros: Ação/Drama
Duração: 123 minutos

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas