Meio Ambiente

10/05/2019 | domtotal.com

Capacidade de armazenamento de carbono das florestas é comprometida pela caça

A perda de vida selvagem, portanto, afeta a sobrevivência dessas espécies de árvores.

O estudo demonstra que a defaunação é praticamente negligenciada nas negociações climáticas internacionais e na governança florestal.
O estudo demonstra que a defaunação é praticamente negligenciada nas negociações climáticas internacionais e na governança florestal. (Pexels/Pixabay)

A perda de animais, muitas vezes devido à caça ilegal ou não regulamentada, tem consequências para a capacidade de armazenamento de carbono das florestas, mas esta ligação é raramente mencionada nas discussões sobre políticas climáticas de alto nível, segundo um novo estudo da Universidade de Lund.

Muitas espécies de animais selvagens desempenham um papel fundamental na dispersão das sementes de árvores tropicais, particularmente espécies de árvores de sementes grandes, que em média têm uma densidade de madeira ligeiramente maior do que as árvores de sementes pequenas. A perda de vida selvagem, portanto, afeta a sobrevivência dessas espécies de árvores – por sua vez, afetando potencialmente a capacidade de armazenamento de carbono das florestas tropicais.

A fauna florestal também está envolvida em muitos outros processos ecológicos, incluindo polinização, germinação, regeneração e crescimento de plantas e ciclos biogeoquímicos. Estudos empíricos nos trópicos mostraram que a defaunação (isto é, a extinção da vida selvagem induzida pelo homem) pode ter efeitos em cascata na estrutura e dinâmica da floresta.

A sustentabilidade da caça é questionável em muitos locais e, particularmente, espécies maiores são rapidamente exauridas quando a caça abastece os mercados urbanos com carne de animais silvestres.

O estudo avaliou em que medida a ligação entre defaunação e capacidade de armazenamento de carbono foi abordada na governança florestal contemporânea, com foco em um mecanismo específico, denominado Redução de Emissões do Desmatamento e Degradação Florestal (REDD+).

Os resultados mostram que, embora os documentos de políticas de alto nível reconheçam a importância da biodiversidade, e os planos de projetos subnacionais mencionam a fauna e a caça de forma mais explícita, a caça como um fator de degradação florestal é apenas raramente reconhecida. Além disso, a ligação entre a fauna e a função do ecossistema florestal não foi mencionada em documentos internacionais ou nacionais.

Em vez de uma supervisão, isso pode representar uma escolha política deliberada para evitar adicionar mais complexidade às negociações e implementação de REDD+. Isso pode ser atribuído ao desejo de evitar os custos de transação de assumir esses “complementos” adicionais em um processo de negociação que já foi complexo e demorado.

“Embora a biodiversidade tenha passado de uma questão secundária para uma característica inerente na última década, mostramos que as funções ecológicas da biodiversidade ainda são mencionadas apenas superficialmente”, diz Torsten Krause, professor sênior associado do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Universidade de Lund, na Suécia.

“No nível subnacional, a fauna e a caça eram muito mais prováveis de serem mencionadas nos documentos do projeto, mas ainda não encontramos nenhuma menção explícita de uma ligação entre a defaunação e a capacidade de armazenamento de carbono”, acrescenta.

O estudo demonstra que a defaunação é praticamente negligenciada nas negociações climáticas internacionais e na governança florestal.

“A suposição de que a cobertura florestal e a proteção do habitat é igual à conservação efetiva da biodiversidade é enganosa e deve ser questionada”, diz Martin Reinhardt Nielsen, professor associado do Departamento de Economia de Alimentos e Recursos da Universidade de Copenhague, Dinamarca.

“O fato de a defaunação e particularmente a perda de grandes dispersores de sementes por meio de caça insustentável ter repercussões duradouras em todo o ecossistema florestal deve ser reconhecida e considerada amplamente na governança florestal, ou nos arriscamos a perder a floresta para as árvores”, conclui.

Referência:

Not Seeing the Forest for the Trees: The Oversight of Defaunation in REDD+ and Global Forest Governance
Torsten Krause and Martin Reinhardt Nielsen
Forests 2019, 10(4), 344;


EcoDebate, 07-05-2019.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas