Direito

14/05/2019 | domtotal.com

Ex-policial envolvido no caso Amarildo não será reintegrado

Investigado pelo desaparecimento do ajudante de pedreiro, ele foi demitido após um processo administrativo disciplinar.

O ex-policial recorreu da decisão que o fez perder o cargo, mas a Justiça manteve a condenação do processo administrativo.
O ex-policial recorreu da decisão que o fez perder o cargo, mas a Justiça manteve a condenação do processo administrativo. (Fernando Frazão/ABr)

Por Douglas Corrêa

A Justiça do Rio julgou improcedente o pedido de reintegração à Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro de Wellington Tavares da Silva, um dos policiais investigados pelo desaparecimento, em julho de 2013, do ajudante de pedreiro Amarildo Dias de Souza, morador da Favela da Rocinha, na zona sul da capital fluminense.

A Procuradoria-Geral do Estado (PGE-RJ) atuou contra o pedido feito pelo ex-servidor. O policial foi demitido como resultado de um processo administrativo disciplinar. O ex-policial recorreu da decisão, mas a Justiça não acatou a ação, mantendo o resultado do processo administrativo.

Condenações

Ao todo, 25 policiais foram processados pelo desaparecimento de Amarildo de Souza. Um deles morreu antes da decisão, e 12 foram condenados pelo sequestro, tortura, morte e ocultação do cadáver de Amarildo.

A pena mais rigorosa foi a do então comandante da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Rocinha, major Edson Santos, condenado a 13 anos e sete meses de prisão. A decisão que decretou a prisão dos policiais também determinou que eles perdessem a função pública.


Agência Brasil/Dom Total

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas