Religião

17/05/2019 | domtotal.com

Papa Francisco fora dos holofotes

Um episódio que demonstra o quanto papa Francisco, ao contrário do que muitos dizem, não está preocupado com publicidade, mas em publicizar o Evangelho.

Encontro entre Papa Francisco e Angeles Conde a bordo do avião papal, em fevereiro de 2019.
Encontro entre Papa Francisco e Angeles Conde a bordo do avião papal, em fevereiro de 2019. (Acervo pessoal/ Mirticeli D. Medeiros)

Por Mirticeli Dias de Medeiros*

Um papa que não está preocupado em refinar as palavras: o mais importante é ser compreendido. Um homem que quebra protocolos, de modo que quem está “fora do esquema” se sinta contemplado. Um bispo de Roma que comete erros de italiano como qualquer outro estrangeiro que vive por aqui e, curiosamente, talvez se sinta até feliz por isso; afinal, os imigrantes da capital não podem frequentar um curso de idiomas. Um líder que não tem medo de driblar as barreiras linguísticas para atingir o coração - de todos, sem exceção. Seus gestos calam o grito dos desesperados. Seu governo derruba do trono os poderosos e exalta os humildes. É um verdadeiro magnificat.

Chegou em minhas mãos a história de uma amiga jornalista que viveu uma experiência com Francisco “dentro de casa”. Ela, acostumada a escrever sobre o pontífice para agências e sites de notícias internacionais, passou a retratá-lo em um lugar mais restrito: em seu próprio coração, e em caixa alta. E tudo aconteceu no improviso, como aquela chuva de verão que ninguém espera.

O nome dela é Angeles Conde, jornalista espanhola, diretora de conteúdo da agência de notícias Rome Reports. No voo em direção aos Emirados Árabes, em meio à correria daquele evento histórico, ela entregou um bilhete a Francisco – como todos nós fazemos, quando temos a oportunidade. Sem expectativa de respostas, ela deu andamento a seu trabalho, afinal, a agenda do papa estava cheia – e quando ela está cheia, caros amigos, é sinônimo de noites mal dormidas para todos os que escolheram fazer da informação um ofício. Quem poderia imaginar que ele teria tempo de atender aquele pedido? E seria justo se não pudesse fazê-lo. Um senhor de 82 anos também é digno do sagrado descanso.

Porém, Francisco gosta de fazer surpresas: principalmente nos bastidores, na surdina, longe dos holofotes. E foi desse jeito peculiar que ele marcou a história da família Conde. Aquela carta, entregue no voo de ida para Abu Dhabi, recebeu uma resposta imediata. Na terça-feira, ao aterrissar em Roma, o pontífice atendeu prontamente a solicitação. E não foi um mês depois, mas ao final daquela viagem cansativa, ou seja, dois dias depois. Angeles havia lhe pedido que fizesse uma ligação a seu tio sacerdote que vive em uma casa repouso para padres na diocese de Toledo, na Espanha. Na primeira tentativa, as freiras responsáveis pelo lugar não conseguiram encontrá-lo: o padre rezava no jardim, no escondimento de uma vida doada que, lentamente, se encerra na simplicidade do cotidiano.

Francisco insistiu. Três dias depois, na sexta-feira, o sumo pontífice – o argentino insistente que todos conhecemos –, retornou a ligação. Os dois trocaram algumas palavras. Uma conversa carregada de reconhecimento e veneração, não por causa do títulos, mas em razão da dose de amor com a qual cada um escolheu gastar sua vida.

Querem que o papa dê todas as respostas, que seja mais requintado e solene quando discursa. Não se recordam que o mestre dele escolheu utilizar as parábolas para entrar no universo daqueles que o rodeavam. Querem que Francisco destile preceitos por onde passa, mas se esquecem que a missão principal de Pedro era pescar o maior número de homens possível, antes de qualquer sermão. Querem um papa-rei. Mas se esquecem que o Filho de Homem transformou o coração das pessoas em trono, renunciando às cátedras do poder. Que se apaguem os holofotes. Queremos um papa que nos mostre a face de Deus, a única que deve ser iluminada para que todos vejam. Que seja sempre assim.

*Mirticeli Dias de Medeiros é jornalista e mestre em História da Igreja pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. Desde 2009, cobre primordialmente o Vaticano para meios de comunicação no Brasil e na Itália, sendo uma das poucas jornalistas brasileiras credenciadas como vaticanista junto à Sala de Imprensa da Santa Sé.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas