Religião

20/05/2019 | domtotal.com

Filme 'Tolkien' oculta o lado católico do escritor de 'O Senhor dos Anéis'

Alguns críticos católicos estão descontentes com o retrato pouco claro do catolicismo de Tolkien no filme.

Nicholas Hoult como J.R.R. Tolkien em Dome Karukoski
Nicholas Hoult como J.R.R. Tolkien em Dome Karukoski "Tolkien" (Epk.tv)

Por irmã Rose Pacatte

Em julho de 1916, o jovem oficial do exército britânico J.R.R. Tolkien (Nicholas Hoult) está extremamente doente nas trincheiras da Batalha do Somme, na França. De fato, fica desesperado por notícias de seu querido amigo, Geoffrey Bache "G.B." Smith (Anthony Boyle), que não escreve há algum tempo. A experiência da batalha permanece com Tolkien quando volta para casa para terminar seu serviço militar, doente demais para permanecer na França.

O filme Tolkien, em seguida, oferece um olhar rápido de volta para o jovem Ronald (conhecido como John Ronald Reuel Tolkien, e interpretado quando jovem por Harry Gilby) e seu irmão mais novo Hilary (Guillermo Bedward quando jovem, e depois interpretado por James MacCullum) brincando na floresta perto de Birmingham Inglaterra. Eles vieram recentemente da África do Sul para a Inglaterra e estão esperando por seu pai que ia se juntar a eles.

O pai morre antes de chegar à Inglaterra e deixa sua família na pobreza. Sua mãe, Mabel (Laura Donnelly), adora contar histórias para os meninos e até mesmo interpretá-las, usando uma espécie de lanterna mágica para fazer imagens na parede. Ronald desenvolve um amor por histórias, pela linguagem e pelo desenho; vive em sua imaginação. Ele também faz esboços míticos maravilhosos em seus cadernos. Agora uma pobre viúva, Mabel encontra uma pequena casa com a ajuda de um padre católico, o padre Francisco Morgan (Colm Meaney).

Quando Ronald tem 16 anos, ele chega da escola um dia e descobre que sua mãe morreu e Morgan é seu guardião. Ronald ganha uma bolsa de estudos para na prestigiosa King Edward's School e coloca os irmãos em uma pensão dirigida pela elegante, mas severa Senhora Faulkner (Pam Ferris). Há também uma jovem dama de bordo, Edith Bratt (interpretada pela Mimi Keene quando jovem, e a Lily Collins depois), que toca o piano na esperança de encontrar emprego em uma orquestra. Ronald e Edith, ambos órfãos, são atraídos um pelo outro, apesar de Edith ser três anos mais velha do que Ronald.

Na escola, Ronald tem dificuldade em fazer amigos a princípio. Mas depois de recitar "Beowulf" em inglês antigo impecável, ele, o poeta GB, Robert Q. Gilson (interpretado por Albie Marber quando jovem e Patrick Gibson depois) e o ousado e corajoso Christopher Wiseman (interpretado por Ty Tennant quando jovem, e depois por Tom Glynn-Carney) tornam-se amigos rapidamente. Formam uma sociedade secreta chamada T.C.B.S. que significa Tea Club, Sociedade Barroviana. Ronald já está escrevendo em sua própria língua secreta e os garotos, especialmente Geoffrey e Ronald, dedicam-se à poesia. Conforme o tempo passa, eles são chamados para ir à guerra, sua amizade se torna uma aliança, uma irmandade, um vínculo que influencia Ronald e seu amor pelos mitos e as fantasias, durante toda a sua vida.

Depois que ele leva Lily para um concerto na véspera de fazer seus exames para o Exeter College em Oxford, Ronald fica distraído e não consegue a pontuação necessária. Morgan está decepcionado e proíbe Ronald de ter algo com a Edith até ele completar 21 anos. Apesar de ficar arrasado, ele obedece até a noite antes de completar 21 anos, quando escreve para o amor de sua vida.

Uma vez na faculdade, encontra o professor Joseph Wright (Derek Jacobi), o famoso filólogo. Tolkien persegue o reconhecido professor de linguística, crítica textual e história. Quando Tolkien começa citar textos antigos, Wright permite ele entrar em sua aula.

Tolkien é um filme belamente produzido, Hoult (quem cresceu e ficou muito cotado desde a sua aparição no filme About a Boy em 2002) e Collins parecem confiantes e fortes em seus papéis; suas performances se complementam extremamente bem. Senti que o filme me dava uma ideia das principais influências nos escritos de Tolkien: a narrativa de sua mãe, a natureza e a devastação da guerra, suas relações com amigos íntimos, seu amor pela linguagem e sua educação. Por causa do papel do padre em sua vida, é fácil assumir a influência de seu catolicismo em seu trabalho, mas não há muito mais em termos de crença religiosa ou espiritualidade.

Há três grandes críticas ao filme que apontarei aqui. O primeiro, é que alguns críticos católicos estão descontentes com o retrato pouco claro do catolicismo de Tolkien no filme, sua influência em seu desenvolvimento literário e suas contribuições, e inteiramente ignorando a conversão aparentemente relutante de Edith da fé anglicana antes de seu casamento.

Outra crítica é que o roteiro, de David Gleeson e Stephen Beresford, tem muita diferença com a cronologia e a ordem dos eventos da vida de Tolkien. Por exemplo, na realidade ele evitou se juntar ao exército terminando seu curso até que não poder mais para adiar, enquanto o filme tem os quatro amigos se unindo na primeira chamada às armas. Além disso, ele e Edith se casaram antes dele partir para a França, e não quando ele voltou da guerra. A terceira crítica é que o filme nunca menciona o bom amigo de Tolkien, C.S. Lewis. Um filme sobre a vida interior de Tolkien, bem como sua “vida cotidiana” é muito necessário.

Eu apresentei uma pergunta ao publicista sobre essas questões e a resposta foi que o diretor, Dome Karukoski, simplesmente não conseguiu levar toda a vida de Tolkien para um filme de duas horas; o diretor teve que fazer escolhas. O filme não é um documentário, mas uma peça dramática com fortes temas emocionais e românticos da juventude de Tolkien que inspiraram seu trabalho e a realidade externa que o influenciou.

O filme mostra que Ronald e Edith tiveram quatro filhos e observa como o enorme sucesso de seu romance O Hobbit (1937) fez dele o principal escritor de fantasia da Inglaterra. Eu acho que uma série episódica sobre a vida de Tolkien pode ter melhor servido sua biografia (e ainda pode fazer isso), mas este adorável filme, embora limitado, é uma ótima introdução à vida do homem que tanto nos deu a imaginar sobre a humanidade, o amor, a amizade e a coragem na trilogia de O Senhor dos Anéis.

Se você assistir o filme e conhecer o Tolkien, sua imaginação gestáltica e católica preencherá o resto.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas