Mundo

21/05/2019 | domtotal.com

Tri-campeão da Fórmula 1, Niki Lauda morre aos 70 anos

Além de lenda do automobilismo, também foi empresário de sucesso, dono de companhias aéreas.

Niki Lauda durante treino no circuito de Hockenheim em 1977
Niki Lauda durante treino no circuito de Hockenheim em 1977 Foto (AFP/Arquivos)
O austríaco três vezes campeão mundial de Fórmula 1 Niki Lauda morreu aos 70 anos
O austríaco três vezes campeão mundial de Fórmula 1 Niki Lauda morreu aos 70 anos Foto (AFP/Arquivos)

O austríaco três vezes campeão mundial de Fórmula 1 Niki Lauda morreu nessa segunda-feira, aos 70 anos, em Viena, informou sua família à imprensa.

"Com profunda tristeza, anunciamos que nosso amado Niki morreu pacificamente com sua família na segunda-feira, 20 de maio de 2019. Suas realizações únicas como atleta e empreendedor são e permanecerão inesquecíveis.

"Seu incansável entusiasmo pela ação, sua franqueza e sua coragem permanecem um modelo e uma referência para todos nós. Era um marido amoroso e atencioso, pai e avô longe do público, que sentirá sua falta", revelaram familiares do ex-piloto em um email enviado à imprensa.

Em agosto de 2018, o piloto foi submetido a um transplante de pulmão e vinha fazendo hemodiálise. No início deste ano, teve uma gripe forte e ficou internado por dez dias num hospital, após ter febre alta durante as festas de fim de ano.

Nem o gravíssimo acidente que desfigurou o rosto de Lauda minou a vontade de ferro do homem que havia sido campeão mundial em 1975. Ele retornou milagrosamente em poucas semanas às pistas, conquistou mais dois títulos da principal categoria do automobilismo e se tornou um empresário de grande sucesso, com suas próprias companhias aéreas.

Lauda conquistou seu primeiro campeonato mundial da F1 com a Ferrari em 1975 e liderava a classificação do ano seguinte, quando no dia 1º de agosto de 1976 seu carro saiu da pista por motivos nunca explicados e pegou fogo no famoso circuito alemão de Nurburgring.

O austríaco ficou preso no carro durante quase um minuto antes de ser retirado por outros pilotos que pararam para resgatá-lo, arriscando suas próprias vidas enquanto seus macacões de prova queimavam pelo calor intenso.

As imagens do acidente rodaram o planeta. Poucos dias antes, Lauda havia declarado em uma entrevista: "No circuito de Nurburgring, se o seu carro tem um problema você está 100% morto".

- Espírito de luta -

Andreas Nikolaus Lauda, conhecido como Niki, era pai de gêmeos nascidos em 2009 e de outros três filhos de relacionamentos anteriores.

Nasceu em 22 de fevereiro de 1949 em uma família da burguesia de Viena que não apreciava sua paixão pelo automobilismo. Seu avô chegou a afirmar que que "um Lauda deveria aparecer nas páginas de economia de um jornal, não nas páginas de esportes".

Os gases tóxicos inalados durante o acidente de 1976 afetaram gravemente sua saúde. Em agosto de 2018 passou por um transplante de pulmão. Em 1997 e 2005, havia sido submetido a transplantes renais.

Lauda era chamado de 'Fênix' por sua trajetória quase inacreditável: seis semanas depois de ter recebido a extrema unção na cama do hospital por seu terrível acidente, ele estava no grid de largada do Grande Prêmio da Itália para surpresa de todos, apesar das dores e lesões no rosto e na cabeça.

Lutou pelo título da temporada até a última corrida, no Japão, com o britânico James Hunt, que foi o campeão mundial de 1976. Este duelo épico, revelador da coragem e da força de vontade fora do normal do austríaco, foi levado ao cinema no filme "Rush" (2013), do americano Ron Howard.

Em 1977, o sobrevivente conquistou seu segundo título mundial com a Ferrari. Ele abandonou a F1 em 1979, mas retornou aos circuitos em 1982, ao volante da McLaren, equipe com a qual conquistou em 1984 seu último título mundial.

- 'Combate de gladiadores' -

Contratado pela Mercedes em 2012, o homem que estava sempre de boné para esconder as cicatrizes, sera um frequentador assíduo dos circuitos, onde era apreciado por sua experiência e sinceridade. Ele lamentava especialmente a perda do aspecto de "combate de gladiadores" do esporte.

Sua segunda paixão foi a aviação civil. Pioneiro do charter privado, criou em 1979 a companhia Lauda Air, que vendeu com para a Austrian Airlines em 2002.

Um empresário de grande sucesso, além de piloto comercial, em 2004 Lauda criou a muito rentável companhia de baixo custo Niki, que vendia em 2011 para a alemã Air Berlin.

Depois de uma negociação sigilosa, em janeiro ele recuperou a companhia, retirando a empresa do grupo IAG/Vueling.

O último grande momento empresarial da 'Fênix' aconteceu em março, quando vendeu 75% de sua participação à irlandesa Ryanair, com um novo lucro e permanecendo como um dos diretores da companhia, rebatizada de LaudaMotion.


FICHA TÉCNICA DE NIKI LAUDA:

Data de nascimento: 22/02/1949

Local de nascimento: Viena (Áustria)

Nacionalidade: austríaca

Conquistas na F1:

Campeão do mundo em 1975, 1977 (Ferrari) e 1984 (McLaren)

Grandes prêmios disputados: 171

Escuderias: March (1971-1972), BRM (1973), Ferrari (1974-1977), Brabham (1978-1979), McLaren (1982-1985)

Estreia: Áustria 1971 (abandono)

Primeira vitória: Espanha 1974

Última vitória: Holanda 1985

Vitórias: 25

Pódios: 54

Pole positions: 24

Melhores voltas: 24

Pontos conquistados na F1: 420,5 (este último meio ponto permitiu que conquistasse o título de 1984 à frente de Alain Prost, a menor diferença na história da Fórmula 1).

Voltas na liderança: 1.593

Classificações no Mundial de pilotos: 1º (1975, 1977, 1984), 2º (1976), 4º (1974, 1978), 5º (1982), 10º (1983, 1985), 14º (1979), 17º (1973), sem classificação (1971, 1972)

 A seguir algumas de suas frases mais famosas:

Ferrari

"Há milhares de jovens que conseguem rodar mais rápido que eu. Mas eu piloto uma Ferrari".

Macaco

"Qualquer macaco pode pilotar um carro da Fórmula 1. Macaco diz, macaco faz" (depois de pilotar um carro da Jaguar e rodar duas vezes em três voltas em 2002).

Dar voltas

Após sua aposentadoria dos circuitos em 1979: "Estou cansado de dar voltas como um tonto".

Carro de assistência médica

Irritado com o rendimento da Jaguar quando era diretor da escuderia em 2002: "Espero que o carro da assistência médica não nos supere na largada".

Salários

"Com os salários atuais dos pilotos, se eu fosse americano provavelmente levaria minha mãe a julgamento por ter me trazido ao mundo muito cedo".

Perfeição

"Não é fácil ser perfeito. Mas seria bom se alguém conseguisse".

Confissão

"O homem é capaz de admitir tudo, exceto que é um motorista ruim".

Físico

"Como o meu trabalho depende unicamente do meu pé direito, minha aparência física importa pouco".

Sobrevivente

Sobre os sentimentos que teve quando recebeu a extrema-unção após seu acidente em agosto de 1976: "Me disse: 'isso não vai acontecer comigo'. Isto me motivou para seguir com a vida".

Morte

Após o transplante de pulmão em 2018: "Fiquei morto brevemente. Mas ressuscitei".


AFP

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas