Mundo

24/05/2019 | domtotal.com

Theresa May anuncia renúncia ao cargo de primeira-ministra do Reino Unido

Líder conservadora deixa o comando até sete de junho. Partido terá cerca de um mês para eleger sucessor.

May afirmou que a disputa pelo comando do partido deve começar na semana seguinte à saída dela.
May afirmou que a disputa pelo comando do partido deve começar na semana seguinte à saída dela. Foto (AFP)
May afirmou que a disputa pelo comando do partido deve começar na semana seguinte à saída dela.
May afirmou que a disputa pelo comando do partido deve começar na semana seguinte à saída dela. Foto (Christof Stache / AFP)

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, anunciou nesta sexta-feira que deixará o comando do Partido Conservador em 7 de junho. Em breve discurso diante da residência oficial dos premiês em Londres, May explicou que seguirá como primeira-ministra durante a escolha do próximo líder do Partido Conservador, que será consequentemente o próximo premiê.

Leia também:

May afirmou que a disputa pelo comando do partido deve começar na semana seguinte à saída dela da liderança conservadora. Ela disse que, em uma democracia, é importante sobretudo respeitar a vontade popular, que foi pela saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit) na votação de 2016. "Infelizmente, não tenho conseguido aprovar o acordo" com a UE no Parlamento britânico, admitiu. Nesse quadro, ela disse que "está claro para ela" que é "do melhor interesse do Reino Unido" sua saída do posto.


A premiê ainda terminou seu pronunciamento com a voz embargada, ao lembrar que foi a segunda premiê da história do Reino Unido, "mas certamente não serei a última". May chegou ao poder justamente em julho de 2016 e, antes dela, apenas a também conservadora Margaret Thatcher havia ocupado esse cargo, entre 1979 e 1990.

História


May chegou ao poder nas semanas caóticas após o referendo, cujo resultado levou à renúncia do conservador David Cameron, de quem ela foi ministra do Interior por seis anos.

Apesar de ser eurocética, ela falara a favor da permanência na UE, mas teve pouco envolvimento na campanha e insistiu na necessidade de limitar a imigração.

Apenas um ano depois de chegar a Downing Street, ela convocou eleições legislativas catastróficas para fortalecer sua posição. No entanto, acabou perdendo a maioria absoluta e dependia do apoio do pequeno partido unionista norte-irlandês DUP para poder governar.

Desde então, os ataques dos eurocéticos e pró-europeus de seu próprio partido atingiram-na várias vezes. Diversos ministros a abandonaram, descontentes com sua ideia de negociar um relacionamento próximo com a UE, inclusive dois ministros do Brexit, Dominic Raab e David Davis, além do chefe da diplomacia Boris Johnson.

Três anos depois de chegar ao poder, quando o país já deveria estar fora da UE desde 29 de março, May fracassou uma última vez em convencer o Parlamento sobre a futura relação com o bloco europeu. 

A tarefa de desfazer mais de 40 anos de casamento com a UE não era, de fato, fácil, ressalta Simon Usherwood, cientista político da Universidade de Surrey. "Qualquer uma na sua posição teria encontrado grandes dificuldades", acrescenta, estimando, porém, que "May não escolheu o melhor caminho" ao optar por não se apoiar em seu partido.

Para seu colega Tim Bale, professor de ciências políticas da universidade Queen Mary de Londres, ela pecou "pela recusa do realismo", recusando uma "abordagem interpartidária", especialmente depois de seu fracasso nas eleições gerais de 2017.

'Uma mulher difícil'

Theresa Brasier – seu nome de solteira – nasceu em 1º de outubro de 1956, em Eastbourne, cidade costeira do Sudeste do país.

Depois de estudar Geografia na Universidade de Oxford, onde conheceu seu marido, Philip, e trabalhar brevemente no Banco da Inglaterra, ela deu seus primeiros passos na política em 1986, ano em que foi eleita conselheira do distrito londrino de Merton, antes de se tornar deputada em 1997.

May se descreveu como uma mulher "difícil", e seu atual ministro das Relações Exteriores, Jeremy Hunt, alertou há alguns meses: "Não subestimem Theresa May". Embora seus inimigos a tenham acusado de não ser ambiciosa, todos concordaram em considerá-la incansável.

"Ela é muito diligente, trabalhadora, imersa em detalhes, é muito tecnocrata, muito dura e pode ser teimosa", disse o ex-democrata liberal Clegg, vice-primeiro-ministro do governo de coalizão de Cameron. "Todas essas coisas são qualidades muito boas em um político do governo", reconheceu Clegg. Mas "nunca vi muita imaginação, flexibilidade, instinto ou visão".

Mas, ao final, "a história não guardará uma imagem muito favorável de sua pessoa", estima Simon Usherwood, ressaltando os "poucos resultados alcançados".


Redação DomTotal

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas