Meio Ambiente

13/06/2019 | domtotal.com

A importância do empresário ambientalmente consciente para a sociedade

As perdas ambientais dos últimos tempos têm exigido a adoção de postura mais séria não apenas por parte do Estado mas, também, do próprio empresário.

O empresário que emprega a sustentabilidade em sua atuação ganha destaque no mercado.
O empresário que emprega a sustentabilidade em sua atuação ganha destaque no mercado. (jcomp/Freepik)

Por Alex Floriano Neto*

Nos dias atuais, o mercado tem se mostrado voltado os olhares para os agentes econômicos que se destacam não apenas pela excelência no exercício de sua atividade, mas pela forma como lida com seu compromisso social perante o mercado. Um dos agentes mais importantes para o mercado, com a missão e responsabilidade pela circulação de riquezas é o empresário.

Não há dúvidas de que o empresário desenvolve suas atividades com finalidade lucrativa, buscando sempre o resultado positivo, o que não é condenável, evidentemente. No entanto, ainda que seu objetivo seja o lucro, na estrutura atual do mercado, o empresário deve desenvolver suas atividades com atuação consciente, promovendo ações voltadas ao desenvolvimento nacional à preservação do meio ambiente, neste incluindo-se medidas para evitar danos e tragédias ambientais.

Com relação ao cumprimento do papel socialmente relevante do empresário, há espaço para se tratar de diversas possibilidades que permitem àquele assumir e atuar com medidas sociais importantes, que podem fazer diferença nas vidas das pessoas, permitindo o desenvolvimento econômico e social.

O empresário que emprega a sustentabilidade em sua atuação ganha destaque no mercado, pois se preocupa com questões mais amplas, que vão além do aspecto ecológico, alcançando efeitos nas relações de trabalho, no meio cultural, social e econômico.

É visível que as perdas ambientais dos últimos tempos têm exigido a adoção de postura mais séria não apenas por parte do Estado, a quem se empresta a missão de criar as normas reguladoras e de proceder à devida fiscalização das atividades que possam causar impactos ambientais desastrosos, mas, também, do próprio empresário.

Por essa razão, o mercado passa a prestigiar os empresários conscientes, que não sacrificam bens importantes para a sociedade, no desejo desesperado de gerar seu lucro.

Ora, os custos sociais envolvidos e sacrificados para que alguns empresários possam gerar seu lucro são enormes e apresentam como resultado um dano que não se limita a causar preocupação apenas para as vidas da sociedade atual, mas, sem dúvidas, para as gerações futuras, que passam a ter comprometido o acesso aos recursos naturais, inclusive os que eram considerados renováveis.

Assim, o empresário que deseja cumprir seu papel socialmente importante, ou seja, cumprir a chamada função socioambiental, tem o espaço para continuar gerando seu lucro e, ao mesmo tempo, proteger o meio ambiente e fomentar a produção e circulação de mercadorias, adotando medidas de sustentabilidade, como forma de preservação e manutenção do meio ambiente.

Registra-se, porém, que o empreendedor não é o único responsável pela preservação do meio ambiente, sendo importante a participação de todos, especialmente dos consumidores, pois, de nada adianta o empresário criar instrumentos de preservação ambiental, se os próprios consumidores não colaborarem para a efetividade das medidas sustentáveis.

Logo, o cumprimento de sua função socioambiental permite o reforço de seu nome e da marca de seus produtos ou serviços, além de permitir o desenvolvimento econômico e social, e a preservação do meio ambiente e os recursos naturais para esta e futuras gerações.

*Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em Direito da Dom Helder Escola de Direito. Mestre em Direito, especialista em Direito Tributário, assessor do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais. Advogado (licenciado) e professor de Direito Empresarial da Dom Helder.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas