Brasil Cidades

11/06/2019 | domtotal.com

Entenda porque motoristas estão deixando de beber e dirigir

83% dos belo-horizontinos deixaram de beber e dirigir para usar aplicativos de mobilidade.

Pesquisa foi feita com 3.531 pessoas mostra mudança no comportamento dos motoristas brasileiros
Pesquisa foi feita com 3.531 pessoas mostra mudança no comportamento dos motoristas brasileiros (Banco de imagens Pixabay)

Por Rômulo Ávila
Repórter Dom Total

A comodidade oferecida pelos aplicativos de transporte mudou seu comportamento em relação a ingerir bebida alcoólica e dirigir? Pesquisa Datafolha aponta que 83% da população da Região Metropolitana de Belo Horizonte que consome bebida alcoólica passou a usar apps de mobilidade em vez de dirigir. Por outro lado, dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública enviados ao Dom Total mostram que o número de motoristas abordados em ações da Lei Seca cresceu na comparação entre 2017 e 2018, passado de 136.079 para 160.903.

Leia também:

O desenvolvedor de sistemas Guilherme Canton, 27 anos, está entre os motoristas que mudaram o comportamento. “Opto pela comodidade de poder ir a algum evento e não me preocupar em conduzir o carro ao final, já que faço uso de bebida alcoólica. Prezo também pela segurança no trânsito e tenho a consciência de que bebida e direção não combinam”, disse.

A pesquisa, encomendada pelo Observatório Nacional de Segurança Viária, aponta também que 50% dos moradores da região usam habitualmente apps de transporte para ir a festas, bares e comemorações como meio de transporte, 35% usam carro ou moto própria, 22% transporte público e 8% usam táxi.

Para o especialista em trânsito Osias Baptista, outros fatores contribuem com a nova postura. “A pessoa que sai à noite não tem que se preocupar mais onde vai deixar o carro, não tem que preocupar se tem flanelinha, se vai ter o carro roubado ou se alguém vai arranhar o carro dela. Ela também não tem o risco de parar longe do local onde vai ficar e de ter que andar. É uma situação interessante. Cabe às pessoas ofertarem alternativas mais convenientes”, destaca.

A pesquisa foi feita com 3.531 pessoas entre os dias 2 e 10 de abril de 2019 e tem margem de erro de 2 pontos percentuais. A segurança é o principal motivo (51%) para a utilização dos apps de mobilidade na região, seja por medo de assaltos ou de acidentes envolvendo bebida e direção.

Além de Belo Horizonte, o estudo teve abrangência nacional. O índice das pessoas que deixaram de dirigir para andar de apps em BH é maior do que a média nacional de 68%, também identificada pelo levantamento.

“Acho que o aplicativo aumentou em muito a conveniência das pessoas, somando ao fato de poderem beber completamente despreocupadas com qualquer coisa, não só com o fato de fiscalização”, analisa Osias.

Osias lembra ainda que o número de blitze da Lei Seca é pequeno, o que para ele reforça que o novo comportamento dos motoristas não tem relação exclusiva com o medo de ser flagrado no teste do bafômetro, por exemplo.  “Na noite, você vê a quantidade de gente que ainda dirige alcoolizado. Se quiserem montar blitz todos os dias em lugares estratégicos, multa-se dezenas de pessoas por dia. Mas também não adianta só punir e não oferecer uma alternativa”, diz.

Segundo dados do BHTrans, de 2011 a 2016, o número de mortes no trânsito em Belo Horizonte diminuiu de 217 para 130, uma redução de quase 40%. “Acho que quando você percebe uma mudança na sociedade, baseado numa alteração de visão, é muito positivo. Não estão fazendo por medo da fiscalização, mas sim porque é melhor. É importante ter alternativas melhores e que salvem vidas”, conclui.


Redação Dom Total

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Mais Lidas
Instituições Conveniadas