Mundo

16/06/2019 | domtotal.com

Seu celular está manchado de sangue

Você sabia que produzir um quilo de coltan, um mineral essencial para fabricar telefones celulares, custa a vida de duas pessoas na República Democrática do Congo?

Na última década, os telefones celulares passaram a dominar nossas vidas diárias.
Na última década, os telefones celulares passaram a dominar nossas vidas diárias. (natureaddict/Pixabay)

A rede de ONGs que inclui Cáritas, CEDIS, CONFER, Justicia y Paz, Manos Unidas e REDES denuncia os abusos sociais e ambientais cometidos tanto no processo de fabricação quanto no uso diário dos smartphones.

Alguma vez você já se perguntou qual é a realidade que se esconde atrás de um objeto cotidiano como seu smartphone? Você sabia que produzir um quilo de coltan, um mineral essencial para fabricar telefones celulares, custa a vida de duas pessoas na República Democrática do Congo?

Relatar os abusos sociais e ambientais que são cometidos tanto no processo de fabricação quanto no uso diário de nossos celulares é o objetivo que as entidades que promovem a campanha "Se cuidar do planeta, combaterá a pobreza" e promover a iniciativa "Enlázate por la Justicia" [Linkar-se pela justiça, em tradução livre] — Caritas, CEDIS, CONFER, Justicia y Paz, Manos Unidas e REDES (Rede de Entidades para o Desenvolvimento da Solidariedade) — são propostas por ocasião da celebração, do dia 5 de junho, o Dia Mundial do Meio Ambiente.

Na última década, os telefones celulares passaram a dominar nossas vidas diárias. Suas vendas aumentaram exponencialmente em todo o mundo, especialmente os chamados smartphones. Se em 2007, quase ninguém tinha um smartphone, em 2019 eles estão em toda parte. Na verdade, globalmente, quase duas em cada três pessoas com idades entre 18 e 35 anos tem um e, em apenas 10 anos, houve mais de 7 bilhões desses dispositivos, aproximadamente o mesmo número de habitantes no planeta .

E enquanto esses últimos telefones podem ser inteligentes (a tradução do termo inglês "smart"), espertos, delicados, rápidos, ainda dependem de elementos físicos sem os quais seria impossível sua fabricação ou funcionamento. Da mesma forma que em sua produção são necessários diversos materiais (plásticos, vidros, cerâmicas) e matérias-primas (metais, como alumínio e ferro, e minerais, como terras raras), a "nuvem" onde a informação digital é armazenada não existiria sem os lugares do planeta onde estão localizados os supercomputadores que o suportam.

Custos sociais e ambientais

Além de um preço acessível, os celulares têm custos sociais e ambientais significativos. Um celular padrão contém entre 500 e 1.000 componentes diferentes.

A extração e processamento desses componentes geram cerca de 75 kg de resíduos por telefone.

Alguns desses elementos são recursos caros e escassos e estão relacionados a abusos sociais e ambientais. O impacto ambiental da produção de smartphones é tão alto que, para compensar as emissões de gases de efeito estufa, teríamos que usar cada dispositivo entre 33 e 89 anos. No entanto, na Europa, cerca de 40% da frota móvel existente é renovada a cada ano, o que representa cerca de 18 milhões de telefones celulares somente na Espanha.

Embora a vida útil de um dispositivo seja de cerca de 10 anos, separada a bateria, o tempo médio de uso é entre um ano e meio e dois anos e meio. Pouco parece se preocupar com os impactos de longo prazo do descarte desse lixo tecnológico, um problema global que é evidente nas exportações de dispositivos eletrônicos usados para países terceiros, especialmente na Ásia e na África, que não estão preparados para o gerenciamento desses resíduos.

Brecha digital

"Enlázate por la Justicia" enfatiza, também, a clivagem digital que acarreta o uso do smartphone, tornando-se mais um indicador de diferenciação social. O problema moral mais grave causado pelas novas tecnologias de comunicação é o acesso desigual à informação que existe atualmente e que estimula o surgimento de uma nova classe, a da informação rica, capaz de acessar, sem limitações geográficas ou econômicas, redes de internet móvel.

A chamada divisão digital ocorre principalmente nos países africanos, onde, embora as pessoas possuam telefones celulares, ainda está longe de buscar um acesso majoritário à rede através deles. Atualmente (Março de 2019), apenas 35,9% dos cidadãos africanos têm acesso à Internet, em comparação com 86,6%, se falamos de europeus e 89,1%, se somos residentes americanos. A menos que algo seja feito, a crescente lacuna entre os países subconectados e os hiperdigitalizados se ampliará, exacerbando as desigualdades que já existem.

O nível de digitalização pode até mesmo influenciar a capacidade dos países de alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e enfrentar desafios como fome, doenças e mudanças climáticas. Portanto, é necessário um esforço maior para apoiar os países em suas tentativas de integração na economia digital.

Junto com a constante introdução de novas funções que facilitam e agilizam nosso dia a dia, o que reforça nossa dependência desta tecnologia, devemos sublinhar a exposição à pressão publicitária, modas e mudanças estéticas a que estamos sujeitos.

Cada vez mais surgem acessórios para estes telefones, o que incentiva uma dinâmica de extrativismo de matérias-primas necessárias à produção das mesmas e que possuem componentes minerais, extraídos de áreas ricas em recursos naturais.

Essa demanda excessiva provoca a redução das condições de trabalho e segurança dos locais de origem e a deterioração ambiental dos mesmos.

Outro problema é criado pela mudança nos relacionamentos pessoais e pelo aumento dos vícios causados pelo seu uso. Na verdade, o uso de internet e telefones celulares compulsivamente, repetitivas e prolongadas é agora considerado como um vício, porque envolve uma incapacidade de controlar ou parar o seu consumo, com consequências graves para a saúde, vida social e familiar, na escola ou no trabalho. Acrescente a isso o poder que concedemos com nosso consumo diário a grandes empresas de tecnologia como Apple, Amazon, Google, Microsoft, Samsung, Huawei, Tencent, Taobao, etc..

Os casos do Congo, Gana e Amazônia

Os efeitos sociais e ambientais da produção de tecnologia digital ligada a smartphones têm nomes e sobrenomes. "Enlázate por la Justicia" enfoca em três pontos geográficos específicos: a República Democrática do Congo, Gana e a Amazônia.

A comunidade de Manguredjipa, no território Lubero da província de Kivu do Norte, do R.D. Congo, um país muito rico em recursos naturais, está no "olho do furacão" sendo uma região produtora de cobalto, cobre, urânio, ouro, diamantes, cassiterita e coltan. A exploração e o contrabando destes últimos devem-se à enorme demanda internacional por produtos eletrônicos, especialmente a tecnologia móvel, que é o tântalo essencial, que é extraído do coltan mencionado acima. 80% das reservas mundiais desse mineral são encontradas no leste do Congo e sua exploração está ligada à violação dos direitos humanos, à destruição do meio ambiente e ao financiamento dos conflitos existentes na região.

Em destaque: República Democrática do Congo. No mapa abaixo, do Google, a comunidade de Manguredjipa.


Estima-se que a extração de cada quilo de coltan custa a vida de duas pessoas no Congo.

Agbogbloshie é um subúrbio de Acra, a capital do Gana, onde cerca de 40.000 pessoas vivem em condições de extrema pobreza. Por uma década, essa área urbana é também um dos maiores cemitérios de lixo eletrônico da Europa e da América do Norte. Este local é considerado um dos locais mais poluídos do continente africano, principalmente por metais como chumbo, berílio, cádmio ou mercúrio.

Em destaque: Gana. No mapa abaixo, do Google, o "lixão digital" de Agbogbloshie


Um estudo da ONU em 2014 mostrou que em Agbogbloshie a concentração de chumbo no solo atinge mil vezes o nível máximo de tolerância.

Famílias inteiras, incluindo meninos e meninas, trabalham 12 horas por dia neste aterro, uma ocupação em que ganham mais de dois euros por dia, o que dobra o salário mínimo no país. As Nações Unidas incluíram Agbogbloshie na lista dos lugares mais perigosos do mundo para se viver.

A Amazônia é outro dos cenários onde os efeitos ambientais da extração de mineração relacionados às novas tecnologias são sofridos. Essa atividade tem causado enormes danos à população indígena e à destruição ambiental no Brasil e na Venezuela, especialmente na região dos rios Orinoco, Mucajaí, Parima e Catrimani.

Na época do boom da exploração do ouro, que também está presente nos celulares, cerca de 20% da população Yanomami morreu de doenças, fome, violência e outros impactos gerados pela mineração ilegal.

Devido à falta de controle dessa atividade, os territórios indígenas enfrentam sérios perigos de destruição, contaminação da água, acúmulo de resíduos sólidos não biodegradáveis, afetando não apenas a natureza e os habitats de diferentes animais, mas também o modo de vida das comunidades indígenas.

Sinais de esperança

A entrada em vigor em toda a União Europeia, em janeiro de 2021, do Regulamento relativo aos minerais em zonas de conflito abre uma janela de esperança, uma vez que visa contribuir para o controle do comércio de estanho, de tântalo e de metais, tungstênio e ouro (3TG). Isso é para garantir que os importadores europeus da 3TG cumpram com os padrões internacionais responsáveis pelo suprimento estabelecidos pela Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico — OCDE, e que as fundições e refinarias da 3TG em todo o mundo se abasteçam com responsabilidade; ajudem a quebrar a ligação entre o conflito e a exploração mineral ilegal; e ajudem a acabar com a exploração e os abusos contra as comunidades locais, incluindo pessoas que trabalham nas minas; e incentivem o desenvolvimento local. Seria desejável que este regulamento obrigatório fosse ampliado a outras matérias-primas e à toda a cadeia de abastecimento.

O quadro inicial de referência é o Guia de Diligência da OCDE (2011), que estabelece uma série de recomendações para que as empresas se comprometam com um autodiagnóstico voluntário sobre a origem dos minerais que utilizam e publiquem essas informações em seus relatórios, anuários ou sites.

Agir em uma chave pessoal e comunitária

Junto a isso, as entidades Cáritas, CEDIS, CONFER, Justiça e Paz, Manos Unidase REDES (Rede de Entidades para o Desenvolvimento da Solidariedade) convidam, no Dia Mundial do Meio Ambiente, a atuar de forma pessoal e comunitária para promover medidas transformadoras. Isso passa por fazer um uso austero, racional e sustentável desses dispositivos.

Um bom começo é observar o princípio "Você vai superar o paradigma tecnocrático" do Decálogo Verde lançado dentro da campanha "Se Cuidar do Planeta, Combaterá a Pobreza". E ouvindo as palavras de Francisco na Laudato Si': "É possível voltar a ampliar a visão, e a liberdade humana é capaz de limitar a técnica, guiá-la e colocá-la a serviço de outro tipo de progresso que é mais saudável, mais humano, mais social , mais integral".

Mais informações em: https://www.enlazateporlajusticia.org/movil/.


Religión Digital, 05-06-2019.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas