Religião

17/06/2019 | domtotal.com

A Teologia mata?


A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Sim, matam-se pessoas devido a disputas religiosas e teológicas, tal como se matam pessoas em disputas desportivas, políticas, familiares ou sociais.
Sim, matam-se pessoas devido a disputas religiosas e teológicas, tal como se matam pessoas em disputas desportivas, políticas, familiares ou sociais. (Mathew MacQuarrie/ Unsplash)

Por José Brissos-Lino*
Sete Margens

Ainda há poucos dias uma discussão entre dois pastores em Timbaúba (Pernambuco, Brasil), sobre questões teológicas e interpretações bíblicas terminou com a morte de um deles. O indivíduo que assassinou o colega à facada foi preso em flagrante e levado para a delegacia local. A discussão teria acontecido nos fundos da igreja onde ambos serviam. O homicida ainda tentou se esconder numa residência mas foi capturado e confessou o crime. A vítima depois de ser esfaqueada tentou fugir mas o agressor o atingiu com uma pedra.

Também em setembro de 2016, um debate teológico informal entre dois pastores americanos terminou com o homicídio de um deles, depois de a discussão descambar para a intolerância e a violência. Discutiam no pátio de um lar de idosos nos subúrbios de Chicago, Illinois (EUA), a respeito de questões ligadas à Bíblia e à espiritualidade, como era hábito, quando um deles puxou a arma e deu dois tiros na cabeça do outro, que teve morte imediata, ato que foi registado por uma câmara de vigilância. O assassino prestava assistência espiritual naquele centro de solidariedade. 

Sim, matam-se pessoas devido a disputas religiosas e teológicas, tal como se matam pessoas em disputas desportivas, políticas, familiares ou sociais. E ninguém em seu perfeito juízo propõe acabar com as famílias, a vida pública, a cidadania ou o esporte por causa disso. A questão não está nas diferenças político-partidárias, clubísticas, familiares ou religiosas, que sempre existiram, existirão e é saudável que existam, mas sim na atitude de respeito pelo outro e aceitação da diferença de opiniões e sensibilidade de cada um.

É claro que há contextos nos quais se torna mais chocante tal manifestação de intolerância e violência, como a religião ou a família. É suposto que o âmbito familiar constitua um espaço de paz e proteção mútua, mas é onde surgem frequentemente índices de violência relevantes – a chamada violência doméstica – e a maior taxa de abuso sexual infantil, como os estudos sobre pedofilia demonstram.

Assim como é suposto que o território relacional de uma mesma comunidade religiosa, enquanto família espiritual, se revista de segurança, crescimento pessoal, paz e edificação mútua. Mas também é aí que pode surgir o abuso religioso de carácter espiritual, psicológico e por vezes até físico. Os cínicos dirão que a religião faz mal às pessoas. Mas dirão o mesmo da família? Ou da vida associativa? Ou da participação política? A solução será acabar com tudo quanto sejam comunidades religiosas, famílias, clubes, associações, coletividades e partidos políticos? E resta o quê?

É importante salientar que existem e existirão sempre problemas onde coexistirem pessoas. São as pessoas que criam os problemas e não as organizações. Estas podem, no limite, não os prevenir ou até potenciar, mas não os criam. Um pedófilo não o é por causa da sua família, mas apesar dela. Um corrupto não o é por causa da instituição onde trabalha, mas apesar dela. Os criminosos são sempre as pessoas e não as organizações. Culpar as organizações é uma forma de diluir e mascarar as responsabilidades individuais.

Fala-se muito de violência inter-religiosa (entre diferentes expressões religiosas) mas pouco de violência intrarreligiosa (dentro da mesma religião), que não é menos evidente e preocupante. Sim, a Teologia pode matar, como qualquer outra coisa. Basta lembrarmo-nos dos horrores perpetrados pelos talibãs (estudantes de teologia islâmica) do Afeganistão. Como sempre, é a pulsão do poder que está por detrás da violência em qualquer destes âmbitos sociais, nem que seja o poder de ter razão.

Os casos acima citados revelam pelo menos duas coisas: fanatismo religioso, com a correspondente incapacidade de tentar escutar, compreender e respeitar o ponto de vista alheio; falta de preparação pastoral ou deslealdade para com a vocação de ministro do Evangelho; e sobretudo a pulsão de Caim que o levou a assassinar o irmão: “E disse Deus: Que fizeste? A voz do sangue do teu irmão clama a mim desde a terra” (Génesis 4:10).

Ludwig Feuerbach dizia que “Quando a moral se baseia na teologia, quando o direito depende da autoridade divina, as coisas mais imorais e injustas podem ser justificadas e impostas”. Os triunfalismos religiosos, tal como os modelos absolutistas de governo, devem ser arrumados na prateleira da História. A Modernidade veio trazer capacitação aos indivíduos, libertando-os de soberanias abusivas ou ilegítimas. Mas agora os indivíduos não podem, por sua vez, comportar-se socialmente como se fossem soberanos dos outros, que são mais fracos ou que pensam e sentem diferente, pois sempre que assim fizerem revelam-se indignos da sua própria liberdade.

Publicado originalmente em 7 Margens.

José Brissos-Lino é director do mestrado em Ciência das Religiões na Universidade Lusófona e coordenador do Instituto de Cristianismo Contemporâneo.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas