ESDHC

17/06/2019 | domtotal.com

Temas chega à 15ª edição com debates sobre os Estados Unidos

Simulação será realizada de quinta-feira a domingo (20 a 23), na Dom Helder.

A Suprema Corte dos Estados Unidos é um dos tribunais que serão simulados.
A Suprema Corte dos Estados Unidos é um dos tribunais que serão simulados. (Reuters)

Pelo segundo ano consecutivo, a Dom Helder Escola de Direito sediará o Temas – Simulações Temáticas, uma atividade integrante dos Modelos das Nações Unidas (MUN). Em sua 15ª edição, o Temas terá como foco os Estados Unidos e reunirá 150 estudantes universitários de todo o país. “Será a maior edição já realizada, que marca um novo momento de expansão. Teremos delegados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Distrito Federal, Goiás, Pernambuco, Rio Grande do Norte, entre outros estados. É muito gostoso, escutamos vários sotaques diferentes”, afirma a estudante Marina Souto, secretária-geral do Temas 2019.

A abertura solene do evento será nesta quarta-feira (19), às 18h, na Faculdade de Direito da UFMG. A partir de quinta-feira (20), as atividades serão realizadas na Dom Helder Escola de Direito, com sessões diárias de 8h30 às 18h. Nelas, os estudantes atuarão como diplomatas ou chefes de Estado, reproduzindo reuniões e fóruns de organizações internacionais da ONU. Situações hipotéticas serão criadas e seus agentes, a partir de seu conhecimento teórico, deverão fornecer soluções concretas aos problemas apresentados. O encerramento ocorrerá no domingo (23), às 15h.

“Agradecemos imensamente à Dom Helder por nos receber por mais um ano e ao Centro de Simulação e Intercâmbio (CSI) por mediar esse contato. É a melhor sede que temos desde o Temas 2, sendo que o Temas 1 foi realizado em um centro de convenção. A Dom Helder tem uma estrutura de ponta, que nos oferece as condições para entregar o melhor aos participantes e manter a tradição do evento”, destaca Marina.

De acordo com a secretária-geral, o Temas é reconhecido atualmente como o MUN de referência de Minas Gerais, tanto pela sua excelência acadêmica, quanto por sua receptividade com os delegados dos demais estados. É organizado pelos próprios estudantes, de forma independente. “O Temas foi criado em 2005, por alunos de Relações Internacionais da PUC Minas. Só que ele começou a crescer e a ganhar proporções nacionais, e acabou deixando a PUC para se tornar uma organização independente", conta Marina, que cursa Relações Econômicas Internacionais na UFMG e participa da organização do Temas há três anos.

Para a estudante, um dos principais ganhos proporcionados pela atividade é o aperfeiçoamento da capacidade de debate, retórica, argumentação e persuasão daqueles que pretendem atuar no campo negocial, seja público ou privado. "O grande objetivo desse tipo de simulação é desenvolver a capacidade político-diplomática do participante. Em outras palavras, aprimorar sua habilidade de discutir e negociar temáticas internacionais, frente a um cenário geopolítico multilateral”, explica Marina.

Estados Unidos

Desde a sua criação, o Temas alterna o debate de um conceito, como Direitos Humanos, Democracia e Minorias, com a análise de uma região geográfica, como Oriente Médio, Rússia e América Latina. 

Veja o histórico completo!

Após debater o tema Diversidade, em 2018, retorna com a escolha de uma região geográfica neste ano: os Estados Unidos. “É um país que ocupa uma posição muito importante no sistema internacional e proporciona uma multiplicidade de debates. Ao mesmo tempo, achamos oportuna uma abordagem crítica. O mesmo país que é bastante progressista com relação aos Direitos Humanos, foi um dos primeiros a defender a liberdade de expressão, por exemplo, é também um país que ajudou a eleger governos ditatoriais ao redor do mundo”, pondera Marina.

Para cobrir a vasta bagagem temática e histórica do país, os estudantes inscritos irão atuar em seis comitês: United Nations Security Council, Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, Comitê de Imprensa e Comunicação, Senado dos Estados Unidos, Suprema Corte e Gabinete Presidencial.

Cada comitê, por sua vez, terá sua agenda específica. O Senado, por exemplo, abordará três temas centrais: a crise migratória nos Estados Unidos, o controle sobre o armamento civil e a nomeação de Brett Kavanaugh para a Suprema Corte. “Ele é um juiz muito conservador. As pessoas temem a revogação do caso ‘Roe contra Wade’, que reconheceu o direito ao aborto no país”, comenta Marina. Já os participantes do United Nations Security Council discutirão o assassinato de Osama Bin Laden e as ameaças à paz internacional causadas por atentados terroristas. “Todos temas importantes e atuais”, completa.


Patrícia Azevedo/Dom Total

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!


Instituições Conveniadas