Mundo

24/06/2019 | domtotal.com

Primárias na Argentina serão disputadas por nove chapas presidenciais

Para competirem nas eleições presidenciais, os candidatos inscritos precisam ter, ao menos, 1,5% de votos.

Macri, que tenta se reeleger por mais quatro anos, terá como principal opositor o candidato Alberto Fernández, que tem como vice Cristina Kirchner.
Macri, que tenta se reeleger por mais quatro anos, terá como principal opositor o candidato Alberto Fernández, que tem como vice Cristina Kirchner. (Agustin Marcarian/Reuters)

Nove chapas presidenciais se inscreveram para participar, em 11 de agosto, das primárias que serão realizadas na Argentina para definir os candidatos que poderão competir nas eleições à presidência marcadas para outubro. Para serem habilitados para competir nas eleições presidenciais de 27 de outubro, os candidatos devem obter nas primárias, cuja participação é obrigatória, pelo menos 1,5% dos votos. Não haverá, no entanto, concorrências internas reais nas primárias já que todas as alianças e partidos inscritos apresentaram um único candidato presidencial.

A aliança governista Juntos pela Mudança irá às primárias com o presidente argentino, Mauricio Macri, na busca pela reeleição para um novo mandato de quatro anos à frente da Casa Rosada. Macri, líder do partido Proposta Republicana (Pró) e que em 2015 venceu as eleições em aliança com a Coalizão Cívica e a União Cívica Radical, mantém agora esses aliados, mas soma um setor do peronismo representado por Miguel Ángel Pichetto, até há duas semanas líder do maior bloco opositor no Senado e que agora apoiará o líder como candidato a vice-presidente.

O principal opositor no pleito é a Frente de Todos, composto por 15 forças políticas, incluída a kirchnerista Unidade Cidadã e o Partido Justicialista (PJ), a estrutura orgânica formal do peronismo. Esta frente inscreveu como pré-candidato a presidente Alberto Fernández, ex-chefe de Gabinete dos governos de Néstor Kirchner (2003-2007) e Cristina Kirchner (2007-2015), e esta última, que atualmente ocupa uma cadeira no Senado, como postulante à vice-presidência.

Com o encerramento das inscrições, ficou confirmado que Sergio Massa, líder da Frente Renovadora, não concorrerá nas primárias com Alberto Fernández. Segundo as pesquisas, a terceira força em intenção de votos é o Consenso Federal, que criou a fórmula liderada pelo peronista Roberto Lavagna, ministro de Economia durante os governos de Eduardo Duhalde (2002-2003) e Néstor Kirchner, e na qual o também peronista Juan Manuel Urtubey, governador da província de Salta, será candidato a vice-presidente.

Outros pré-candidatos presidenciais inscritos para as primárias são o economista conservador José Luis Espert, postulante da Frente Despertar; o militar aposentado Juan José Gómez Centurión que integrou o Pró, ocupou cargos públicos no governo de Macri e agora é candidato da Frente Nos; e Alejandro Biondini, um político ligado a setores nacionalistas, que já passou pelas fileiras do peronismo e que agora representará a Frente Patriota.

A lista de alianças fica completa com a Frente de Esquerda e da Trabalhadora Unidade, integrada por cinco partidos políticos, que levará como candidatos a presidente e vice Nicolás del Caño e Romina del Plá.

Nestas primárias participarão, além disso, dois partidos políticos que não fizeram alianças com outras forças e também terão uma chapa única. É o caso de Manuela Castañeira, candidata à presidência pelo partido Novo Movimento ao Socialismo (Novo MAS), e de José Antonio Romero Feris, ex-governador da província nortista de Corrientes e representante do Partido Autonomista Nacional, uma força liberal conservadora constituída em 1874. 


Agência Estado/Dom Total

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!

Comentários


Instituições Conveniadas