Religião

26/06/2019 | domtotal.com

Bispo retira título de 'católica' de escola jesuíta por se recusar a demitir funcionário gay

Instituição foi confrontada com uma escolha: perder o nome 'católico' ou perder o que realmente significa ser católico.

No ensino católico, a violação da consciência é um dos erros mais graves que se pode cometer, certamente mais grave do que qualquer violação da ética sexual. Escola decide não violar sua consciência.
No ensino católico, a violação da consciência é um dos erros mais graves que se pode cometer, certamente mais grave do que qualquer violação da ética sexual. Escola decide não violar sua consciência. (Reprodução/ New Ways Ministry)

Por Robert Shine*
New Ways Ministry

Uma escola de ensino médio jesuíta no estado de Indiana - EUA foi proibida de se chamar de "católica" depois de recusar a exigência do arcebispo local de demitir um empregado que casou com uma pessoa do mesmo sexo.

A Brebeuf Jesuit Preparatory, em Indianápolis, não pode mais se identificar como uma instituição "católica", decretou o arcebispo Charles Thompson, o Ordinário local. Mas antes desta decisão canônica ser emitida nesta semana, o Conselho de Curadores da Brebeuf Jesuít divulgou uma declaração sobre seu "desacordo sincero e significativo com a arquidiocese".

Essa declaração dizia, em parte: "A Brebeuf Jesuit respeitosamente recusou a insistência e a diretriz da arquidiocese de que demitíssemos um professor altamente capaz e qualificado, porque o professor era um cônjuge em um casamento homossexual civilmente reconhecido.

"Até onde sabemos, a intromissão da Arquidiocese de Indianápolis em uma questão de emprego de uma escola governada por uma ordem religiosa é sem precedentes; essa é a única ação entre as mais de 80 escolas jesuítas de secundário/pré-secundário que operam nas dioceses da América do Norte, também entre as incontáveis escolas católicas operadas por outras ordens religiosas, como os Irmãos de Cristo, Dominicanos e Irmãos Xaverianos.”.

"Depois de longa e orante consideração, decidimos que seguir a diretriz da arquidiocese não apenas violaria nossa consciência informada nessas questões particulares, mas também abriria um precedente para futura interferência nas operações da escola e matérias de governança que as lideranças da Brebeuf Jesuit têm historicamente o único direito e privilégio de abordar e decidir".

A declaração do conselho confirmou que "nossa identidade como uma instituição jesuíta católica permanece inalterada", mesmo que os laços formais com a arquidiocese de Indianápolis sejam quebrados depois de uma relação de 57 anos.

A arquidiocese respondeu à carta da diretoria confirmando a promulgação do decreto e alegando ainda que todos os funcionários das instituições católicas são considerados ministros e devem "transmitir e apoiar o ensino da Igreja Católica", relatou a RTV6.

O decreto desta semana vem depois de uma disputa de dois anos sobre o que padre Brian Paulson, SJ, provincial da Província Jesuíta do Centro-Oeste dos EUA (USA Midwest Province), compartilhou em sua própria carta sobre a decisão. Ele descreveu a situação como um "desenvolvimento decepcionante" sobre a autonomia dos jesuítas em relação ao emprego. 

Paulson escreveu: "No verão de 2017, Brebeuf Jesuit tomou conhecimento de que um dos seus professores casou no civil com uma pessoa do mesmo sexo. Esse fato tornou-se conhecido publicamente através das mídias sociais.

"A Arquidiocese de Indianápolis, através do Superintendente de Educação Católica, pediu verbalmente dois anos atrás que Brebeuf Jesuit não renovasse o contrato deste professor porque seu estado civil não está de acordo com a doutrina da Igreja. O professor em questão não ensina religião e é antigo funcionário valorizado da escola. A Brebeuf recusou-se a acatar a expectativa da arquidiocese de que a escola dispensasse esse professor. Eu reconheço este pedido do arcebispo Charles Thompson como seu julgamento prudencial da aplicação da lei canônica reconhecendo sua responsabilidade pela supervisão da fé e moral, assim como a educação católica em sua arquidiocese. Eu não concordo sobre a necessidade e prudência desta decisão. Este é um desacordo entre duas lideranças da Igreja de boa vontade com responsabilidades relacionadas, mas distintas".

Paulson foi claro que o decreto de Thompson será apelado sob a lei canônica até as últimas instâncias, incluindo o Vaticano. Enquanto isso, a arquidiocese não proibirá os padres jesuítas de servir em Brebeuf e a celebração da missa no câmpus ainda será permitida.

Francis DeBernardo, diretor executivo do New Ways Ministry, disse em um comunicado que os líderes da Brebeuf "sabiam que não seguiriam suas consciências se aceitassem as exigências da arquidiocese". Ele continuou: "No ensino católico, a violação da consciência é um dos erros mais graves que se pode cometer, certamente mais grave do que qualquer violação da ética sexual. Eles foram confrontados com uma escolha: perder o nome 'católico' ou perder o que realmente significa ser católico. Eles escolheram o caminho da consciência, integridade e justiça".

O padre James Martin, SJ, um defensor da igualdade LGBTQ, comentou no Facebook: "Permaneço com meus irmãos jesuítas que estão com nossos colegas LGBTs, e que se posicionam contra a perseguição implacável de pessoas LGBTs. Muitos outros funcionários da Igreja, incluindo professores e funcionários em escolas católicas, não estão de acordo ou concordam com aspectos do ensino da igreja. No entanto, eles não são o alvo. A segmentação de funcionários LGBT deve cessar, e Brebeuf e a Província do Centro-Oeste estão com os marginalizados. Apesar do que diz a arquidiocese, esta é a coisa mais católica que Brebeuf poderia fazer".


Marianne Duddy-Burke, diretora executiva da DignityUSA, concordou em um comunicado com o que os líderes da Brebeuf e dos jesuítas fizeram "exatamente o que nossa fé católica ensina", acrescentando: "Por muito tempo, os bispos agiram como se possuíssem o termo 'católico'. 'A realidade é que todo membro batizado da Igreja tem o direito de reivindicar essa identidade e pertencer à comunidade católica maior. Por definição, católico significa universal, e é experienciado em múltiplas expressões em todo o mundo. Essa identidade e experiência não podem ser governadas ou negadas por nenhum bispo. Os líderes da Brebeuf estão se conformando com essa verdade."

A Arquidiocese de Indianápolis tem sido um epicentro de recentes disputas de empregos eclesiais relacionados a LGBTQs. A Roncalli High School, que ao contrário de Brebeuf é controlada diretamente pela arquidiocese, já demitiu duas orientadoras lésbicas por terem casado no civil. Eles também impediram que um dos pais das empregadas demitidas se voluntariasse na escola, o que ele fazia há décadas. As duas funcionárias, Shelly Fitzgerald e Lynn Starkey, apresentaram reclamações à Comissão Federal de Oportunidades Iguais de Trabalho, abrindo caminho para ações judiciais. Quase 100 trabalhadores em igrejas em todo o mundo perderam seus trabalhos em disputas relacionadas ao emprego de LGBTQs desde 2008.

Autoridades da Brebeuf Jesuit e da Província do Centro-Oeste dos EUA estão sendo aplaudidas com razão por enfrentarem as ameaças do arcebispo Thompson. Sua ênfase na consciência e suas afirmações sob a lei da Igreja são bases sólidas para resistir. Eles oferecem uma lição para outras instituições jesuítas, como a St. Ignatius High School, em Chicago, e St. Francis Xavier, em Kansas City, que demitiram trabalhadores da igreja LGBTQ anteriormente.

Mas a lição dos jesuítas se estende ainda mais e deve ser inspiração para novas ações de solidariedade. Como a decisão das Irmãs da Misericórdia, dois anos atrás, de manter um professor transgênero.



Na última década, cerca de 100 trabalhadores de igrejas tornaram público a perda de seus empregos em disputas relacionadas a questão LGBT. Você pode encontrar uma lista completa desses incidentes no site do New Ways Ministry, em inglês, aqui, bem como os recursos do New Ways Ministry sobre o emprego na igreja e questões LGBT aqui. Para cobertura total dos problemas de emprego na igreja, clique aqui.

O artigo foi publicado originalmente em New Ways Ministry e traduzida por Wagner Fernandes de Azevedo para o site IHU

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas