Religião

05/07/2019 | domtotal.com

Papa: Quem incentiva a venda de armas? Hipócrita!

No discurso mais forte sobre as armas desde que assumiu pontificado, Francisco identifica os problemas gerados pela indústria armamentista.

O cristão, por excelência, é chamado a atuar com discernimento e a identificar a raiz dos problemas que assolam a sociedade. E é o que papa Francisco vem fazendo.
O cristão, por excelência, é chamado a atuar com discernimento e a identificar a raiz dos problemas que assolam a sociedade. E é o que papa Francisco vem fazendo. (Tiziana Fabi/ AFP)

Por Mirticeli Medeiros*

Se a Igreja condena a indústria das armas, como é possível pensar que ela seja a favor do porte de armas por parte de civis? Querer tratar a erradicação de violência, incentivando o armamento das famílias, é como querer tratar um câncer com um paliativo. Muitos dizem: “Ah, mas se fizermos assim, os bandidos terão medo de nós”. Se fosse assim, nenhum policial, atirador experiente, seria vítima de um atentado sequer. E a quantidade de juízes, aos quais o porte de armas é concedido, que são assassinados, aos montes, desde o período colonial? A violência, uma chaga brasileira que aterroriza os estrangeiros pelo mundo afora, precisa muito mais que um discurso de virilidade para ser exterminada.

Tais argumentos vazios, difundidos por líderes demagogos e populistas (inclusive muitos religiosos!), tiram dos governantes a responsabilidade de atuar na melhoria da segurança pública, no investimento em programas de inclusão social e faz com que eles continuem a fechar os olhos para a corrupção dos militares e dos políticos, os maiores facilitadores do trabalho das facções criminosas.

Anestesiando a consciência do pai de família, iludido pela falsa propaganda de que, dessa forma, estará protegendo os que ama e sua propriedade, a indústria de armas, a verdadeira responsável pelas maiores crises da atualidade, continua a agregar aliados e a gerar vítimas.

O cristão, por excelência, é chamado a atuar com discernimento e a identificar a raiz dos problemas que assolam a sociedade. E é o que papa Francisco vem fazendo. Mais uma vez, nos deparamos com um pontificado que não tem medo da profecia e difunde uma teologia não alheia aos tantos desastres sociais, com toda a força do termo. Como diz Bento XVI, o profeta não é alguém que prevê o futuro, mas que identifica os problemas do presente, visando o futuro.

Esta semana, em um vídeo publicado em espanhol por ocasião do dia mundial do migrante e do refugiado, o pontífice chamou de hipócritas a todos aqueles que incentivam a venda de armas. Mais uma vez, Francisco levanta uma questão que inflama os debates entre os católicos, muitos dos quais instrumentalizadores do ensinamento da Igreja para fins políticos. Desta vez, ele denunciou, com coragem, que a crise migratória é fruto de um espírito bélico que se alastrou pelo mundo. Sem dúvida, o discurso mais direto e mais forte a respeito dessa indústria contra a qual ele fala com clareza e coerência, chamando-a de assassina.

 “Os países em desenvolvimento continuam esgotando seus melhores recursos naturais e humanos em benefício de alguns mercados privilegiados. As guerras afetam somente algumas regiões do mundo. No entanto, a fabricação de armas e a sua venda acontecem em outras regiões, as quais não querem assumir os refugiados; não os querem, não os aceitam: eles não aceitam os refugiados que os próprios conflitos bélicos geram. Muitas vezes se fala de paz, porém se vendem armas. Podemos falar de uma hipocrisia neste tipo linguagem? Quem padece as consequências são sempre os pequenos, os pobres, os mais vulneráveis, aqueles os quais são impedidos de sentarem-se à mesa; a eles são dadas somente as migalhas do banquete”.

*Mirticeli Dias de Medeiros é jornalista e mestre em História da Igreja pela Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. Desde 2009, cobre primordialmente o Vaticano para meios de comunicação no Brasil e na Itália, sendo uma das poucas jornalistas brasileiras credenciadas como vaticanista junto à Sala de Imprensa da Santa Sé.

TAGS


EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!



Outros Artigos

Não há outras notícias com as tags relacionadas.

Comentários