Meio Ambiente

10/07/2019 | domtotal.com

11% das florestas tropicais podem ser restauradas para benefícios de carbono, água e vida selvagem

O estudo mostra que a restauração de florestas é mais viável em terras de baixo valor para a produção agrícola.

Pesquisadores identificaram mais de 100 milhões de hectares de florestas tropicais de terras baixas perdidas.
Pesquisadores identificaram mais de 100 milhões de hectares de florestas tropicais de terras baixas perdidas. (Reuters)

Pesquisadores apontam pontos críticos de restauração em 15 países, incluindo o Brasil, a Indonésia, a Índia e a Colômbia, em quatro continentes, onde as florestas revitalizantes proporcionariam os maiores benefícios de carbono, água e vida selvagem.

Em um relatório, os pesquisadores identificaram mais de 100 milhões de hectares de florestas tropicais de terras baixas perdidas – áreas de restauração – espalhadas pela América Central e do Sul, África e Sudeste. Ásia é a que apresenta as oportunidades mais convincentes de restauração para superar as crescentes temperaturas globais, poluição e escassez de água e a extinção da vida vegetal e animal. Brasil, Indonésia, Madagascar, Índia e Colômbia têm a maior área acumulada de pontos de restauração; Seis países africanos – Ruanda, Uganda, Burundi, Togo, Sudão do Sul e Madagascar – abrigam as áreas que apresentam as melhores oportunidades de restauração, em média.

“Restaurar florestas tropicais é fundamental para a saúde do planeta, agora e para as próximas gerações”, disse o principal autor do estudo, Pedro Brancalion, da Universidade de São Paulo. “Pela primeira vez, nosso estudo ajuda governos, investidores e outros a buscar restaurar florestas tropicais úmidas globais para determinar locais precisos onde a restauração de florestas é mais viável, duradoura e benéfica. Restaurar florestas é uma necessidade – e é factível”.

Os 12 autores do estudo Global restoration opportunities in tropical rainforest landscapes, publicado na revista Science Advances, usaram imagens de satélite de alta resolução e as mais recentes pesquisas revisadas por pares sobre quatro benefícios florestais (biodiversidade, mitigação das mudanças climáticas, adaptação às mudanças climáticas, e segurança da água) e três aspectos do esforço de restauração (custo, risco de investimento e probabilidade de florestas restauradas sobreviverem no futuro) para avaliar e “pontuar” todas as terras tropicais em todo o mundo em blocos de 1 quilômetro quadrado que retiveram menos de 90% de suas florestas tampa.

Hotspots de restauração são aquelas terras que marcaram no top 10%, significando que restaurá-las seria o mais benéfico e o menos dispendioso e arriscado. Os 15 principais países com os maiores pontos críticos de restauração foram encontrados em todos os biomas ou zonas florestais tropicais: três nos Neotrópicos, cinco nos Afrotrópicos e sete na Indo-Malásia e Australásia. Os cinco países com o maior ponto de restauração por área são o Brasil, a Indonésia, a Índia, Madagascar e a Colômbia.

Os seis países com maior pontuação média foram encontrados na África: Ruanda, Uganda, Burundi, Togo, Sudão do Sul e Madagascar. “Ficamos surpresos ao encontrar tal concentração de países altamente classificados em um único continente”, disse o co-autor Robin Chazdon. “O estudo realmente destaca o alto potencial para resultados bem-sucedidos de restauração de florestas tropicais nesses países africanos.”

Aproximadamente 87% dos pontos críticos de restauração foram encontrados dentro dos hotspots de conservação da biodiversidade, áreas que contêm altas concentrações de espécies não encontradas em nenhum outro lugar, mas estão sob alto risco de desmatamento.

Setenta e três por cento dos locais de restauração foram encontrados em países que fizeram compromissos de restauração como parte do Desafio de Bonn, um esforço global para restaurar 150 milhões de hectares de terras desmatadas e degradadas em 2020 e 350 milhões de hectares até 2030. “É encorajador que tantos hotspots estejam localizados em países onde a restauração de florestas e paisagens já é uma prioridade”, disse Brancalion.

Na maioria dos casos, os hotspots de restauração se sobrepõem aos campos e pastagens atualmente em uso pelos agricultores. Como resultado, o estudo mostra que a restauração de florestas é mais viável em terras de baixo valor para a produção agrícola. Alternativamente, os pesquisadores argumentam que a restauração pode ser associada a formas de produção geradoras de renda, por exemplo, enriquecendo pastagens com árvores, colhendo produtos baseados na floresta como o rattan e cultivando café ou cacau sob um dossel florestal. Quaisquer decisões sobre mudanças no uso da terra devem envolver totalmente as comunidades locais, uma vez que a restauração deve complementar ao invés de competir com a segurança alimentar e os direitos à terra. Em outros casos, esses hotspots incluem fazendas abandonadas e degradadas ou terras do governo.

“A restauração envolve muito mais do que simplesmente plantar árvores”, disse Chazdon. “Começa com a necessidade de acordos mutuamente benéficos com aqueles que atualmente usam a terra e não termina até que as florestas hospedem a rica diversidade de plantas e animais que as tornam tão inspiradoras e valiosas. Mas, felizmente, estudos mostram que não demorou muito para que os benefícios de novas florestas se iniciassem”.

Está emergindo consenso de que a restauração florestal – juntamente com a proteção de florestas naturais e antigas – é uma das soluções mais econômicas e prontamente disponíveis para os atuais problemas climáticos e ambientais. Uma declaração assinada por 40 cientistas no ano passado apresentou as “cinco razões, muitas vezes negligenciadas, para a limitação do aquecimento global, que requer a proteção e o manejo sustentável das florestas que temos e a restauração das florestas que perdemos”. Os cientistas enfatizam que o mundo deve se concentrar em reduzir rapidamente o uso de combustíveis fósseis e parar o desmatamento, enquanto busca formas de aumentar os sumidouros de carbono. Acelerar a restauração, eles advertem, ajudará a atingir as metas climáticas, mas não pode suplantar a necessidade urgente de reduzir as emissões.

Enquanto alguns países, mais notavelmente a China e a Índia, já lançaram esforços de plantação de árvores em grande escala com algum sucesso, esses esforços estão obtendo críticas mistas em termos da qualidade da cobertura das plantações e seu valor para proteger espécies nativas. Em alguns casos, os países estão estabelecendo monoculturas de árvores – uma espécie de árvore plantada repetidas vezes – para atender a compromissos de restauração. Especialistas alertam, no entanto, que o foco na proteção e restauração de florestas naturais, e não no plantio de monoculturas, é essencial para atender o clima e outros co-benefícios da restauração.

Brancalion acrescentou: “Promessas e acordos como o Desafio de Bonn e a Declaração de Florestas de Nova York mostram que há vontade de restaurar e proteger as florestas. Com as ferramentas que desenvolvemos, países, empresas e outros atores que se comprometeram a restaurar as florestas têm informações precisas para arregaçar as mangas e mergulhar no difícil trabalho de trazer nossas florestas de volta. Não há atalhos quando se trata de restauração florestal, mas há poucos frutos que precisamos apreender agora, antes que seja tarde demais”.


Instituto Humanitas Unisinos

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!


Instituições Conveniadas