Brasil

12/07/2019 | domtotal.com

O salmão do Umberto

Umberto conseguiu elaborar, segundo o editor, 'um manual de instruções sui generis para o enfrentamento de situações especiais'.

Na crônica que dá título à publicação, conta-nos Umberto que estava a trabalho na Suécia quando foi agraciado por um amigo com um belíssimo – e imenso – salmão defumado.
Na crônica que dá título à publicação, conta-nos Umberto que estava a trabalho na Suécia quando foi agraciado por um amigo com um belíssimo – e imenso – salmão defumado. (Divulgação)

Revirando pilhas de lançamentos na Feltrinelli Internacional – uma das melhores livrarias de Roma, junto à Piazza della Repubblica – deparei-me com uma preciosidade Como viajar com um salmão (Come viaggiare con un salmone, Ed. La Nave di Teseo, 2016; ainda sem tradução no Brasil). O título já mexera com minha curiosidade, mas o nome do autor me intrigava mais: Umberto Eco. Trata-se de uma coletânea de suas crônicas (ele também era cronista, sabiam?) carinhosamente montada após a sua morte, nas quais Umberto conseguiu elaborar, segundo o editor, “um manual de instruções sui generis para o enfrentamento de situações especiais”. 

Abri direto do índice e comecei a rir dos nomes dos capítulos, todos iniciados com o estimulante “como”: “Como ter férias inteligentes”, “Como seguir instruções”, “Como não discutir futebol”, “Como comer dentro do avião”, “Como não discutir política”, “Como praticar filosofia em casa”, “Como conversar com os bichos”.  

Impossível reproduzir aqui na íntegra as pérolas do tratado do “como fazer”, tamanha a extensão da obra, salpicada em cada página com o brilho de sua ironia e humor refinadíssimo. Porém, separei alguns trechos impagáveis. Na crônica que dá título à publicação, conta-nos Umberto que estava a trabalho na Suécia quando foi agraciado por um amigo com um belíssimo – e imenso – salmão defumado. O peixe ostentava a logomarca de uma das melhores e mais raras marcas escandinavas, coisa fina. 

Guloso como todo bom italiano, botou-o sob o braço para degustá-lo em casa. Só que a viagem de volta ainda previa escalas em Londres e Paris, onde faria palestras. E aí tudo se complica – desde o tamanho reduzido dos frigobares dos hotéis, incapazes de receber o salmão no pernoite, até os percalços de subir a bordo da classe econômica de um Airbus com o peixe disfarçado na bagagem de mão.  

Visitante assíduo das maiores cidades do mundo, Umberto dedicou longas recomendações aos turistas na crônica “Como usar um táxi”. Diz ele: “Em Estocolmo só é possível chamar um táxi por telefone, já que os taxistas não confiam em quem lhes acena na rua. Mas para saber qual é o número do telefone você precisa acenar, parar um táxi na rua e perguntar. Logo, desista de pegar um táxi em Estocolmo”. 

Também compara os taxistas alemães – discretos, silenciosos e voando em suas Mercedes – com os táxis Volkswagen do Rio (esta crônica é antiga). Afirma que, apesar da diferença abissal entre os dois modelos de carros, se os dois disputassem uma corrida o carioca chegaria antes – porque não para jamais nos sinais vermelhos. Finaliza afirmando que é fácil reconhecer um taxista – “é sempre aquele cara que não tem troco”.

Já no “Como apresentar um catálogo de arte” ele reúne uma série de frases prontas encontráveis em qualquer folheto de uma exposição, elogiando “a ousadia deste artista que há trinta anos pinta um triângulo isósceles na base da tela, sobre o qual aplica um outro triângulo escaleno vermelho inclinado na direção sudoeste rumo a um terceiro triângulo – este, equilátero”.  

O melhor do livro é perceber que um dos mais sérios e respeitáveis escritores, filósofos, semiólogos e estudiosos da comunicação de massas de nossa época conseguiu ser surpreendentemente hilariante no trato das situações banais da vida, colecionando tiradas de rolar de rir. Depois desse livro, o velho Umberto, do qual eu já era fã de carteirinha, conseguiu ganhar ainda mais a minha modesta admiração. 

Isto porque me reverencio diante das altas inteligências – científicas, literárias, filosóficas – mas detesto intelectual chato, emburrado, ensimesmado, no alto do pedestal e distante das dores e humores de nossa vida comum. Se o conhecimento, o acúmulo da sabedoria e as ricas experiências do cotidiano não nos levarem aos destinos do desprendimento e do bom-humor, há algo errado com o nosso GPS.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas