Saúde

13/08/2019 | domtotal.com

Sarampo avança no Brasil e no mundo

Ministério da Saúde confirma 1.226 casos de sarampo no país. Dados preliminares da OMS afirmam que casos da doença em 2019 quase triplicaram em relação ao ano passado.

OMS afirmam que casos da doença em 2019 quase triplicaram em relação ao ano passado.
OMS afirmam que casos da doença em 2019 quase triplicaram em relação ao ano passado. (Getty Images)

O sarampo está se alastrando pelo país, refletindo também uma tendência mundial. Na noite de segunda-feira (12), a Organização Mundial de Saúde divulgou relatório preliminar no qual mostra que os casos de sarampo notificados nos primeiros seis meses de 2019 são os mais elevados desde 2006, com surtos sobrecarregando sistemas de saúde e levando a doenças graves, incapacidades e mortes em muitas partes do mundo. A quantidade é quase três vezes maior do que a registrada no mesmo período do ano passado.

VEJA TAMBÉM:

No Brasil, o Ministério da Saúde contabilizou até o momento 1.226 casos da infecção entre 12 de maio e 3 de agosto. Do total, 1.220 estão concentrados em São Paulo, quatro no Rio, um na Bahia e outro, no Paraná, que, até então não tinha nenhum caso registrado. Há ainda 6.678 casos em investigação. Desde o início do ano, foram confirmados 1.322 pacientes com a infecção, 95% dos quais nos quatro estados que atualmente estão em situação de surto.

Diante do avanço de casos, o Ministério da Saúde montou na semana passada um comitê encarregado de acompanhar diariamente a situação em todo o país, o primeiro estágio para que a decretação de estado de emergência seja realizada. O Ministério da Saúde iniciou as negociações com a Organização Pan-Americana de Saúde para uma compra de vacina, caso seja necessário.

A estratégia atual do governo é realizar vacinações de bloqueio, em que pessoas que tiveram contato com suspeitos de ter a infecção são imunizadas. Neste surto, um número significativo de bebês com menos de um ano foi infectado. O fenômeno é atribuído à baixa cobertura vacinal dos pais. Como a mãe não tem anticorpos contra doença, a proteção não é transmitida por meio do aleitamento. E pais, suscetíveis à doença, podem transmitir o vírus ao bebê. A vacinação de menores de um ano não é recomendada na praxe. É uma medida feita de forma emergencial e não deve dispensar as doses regulares da vacina, aos 12 e 15 meses.

Apesar do avanço da infecção, a cobertura vacinal contra sarampo é considerada baixa. No Rio, 51,23% das crianças estão imunizadas A cobertura em São Paulo é de 74,65%; na Bahia é de 61,69%; e no Paraná, de 89,53.

Crescimento mundial

De acordo com a OMS, neste ano, a República Democrática do Congo, Madagascar e Ucrânia foram os países que notificaram o maior número de casos. Grandes surtos estão em curso em Angola, Camarões, Chade, Cazaquistão, Nigéria, Filipinas, Sudão do Sul, Sudão e Tailândia. Os Estados Unidos têm notificado sua maior contagem de casos de sarampo em 25 anos. Na Região Europeia da OMS, foram registrados cerca de 90 mil casos nos primeiros seis meses de 2019, superando a quantidade identificada em todo o ano de 2018 (84.462) – tornando-se já a maior desta década.

Os maiores surtos estão em países que têm atualmente ou tiveram no passado baixa cobertura vacinal contra o sarampo, deixando muitas pessoas vulneráveis à doença. Campanhas de vacinação massiva, como foi feito em Madagascar, têm apresentado bons resultados e a OMS destaca “a eficácia da vacinação para acabar com os surtos e proteger a saúde”.

A OMS está pedindo que todas as pessoas garantam que suas vacinas contra o sarampo estão em dia – com as duas doses necessárias para proteger contra a doença – e que verifiquem o próprio status de vacinação antes da viagem.


Agência Estado/Opas Brasil/Redação Dom Total

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas