Religião

22/08/2019 | domtotal.com

Os católicos devem falar com seus entes queridos mortos?

Há muitas 'primeiras vezes' que virão: o primeiro Natal sem ele ou ela; seu primeiro aniversário sem eles presentes; o primeiro aniversário de casamento sozinho.

'Quando o Senhor vier em glória, e todos os seus anjos com ele, a morte não existirá mais e todas as coisas estarão sujeitas a ele'.
'Quando o Senhor vier em glória, e todos os seus anjos com ele, a morte não existirá mais e todas as coisas estarão sujeitas a ele'. (Pixabay)

Por Mary Farro
Catholic Herald

Os católicos devem proceder com cautela ao "falar" com os mortos.

No filme da Disney-Pixar de 2017, Viva - A vida é uma festa (Coco), o personagem principal, Miguel, acidentalmente passa para a terra dos mortos no Dia de los Muertos, amplamente celebrado no México, enquanto tenta reconciliar seu amor pela música com a proibição de sua família.

Lá, Miguel descobre que os mortos só podem visitar seus entes queridos naquele feriado se puderem provar que há uma foto deles na "oferenda" de sua família, um altar com fotos de entes queridos, decorações coloridas e as comidas favoritas, bebidas e lembranças do falecido. “Colocamos as fotos na oferenda para que os espíritos possam passar. Isso é muito importante! Se não os colocarmos, eles não podem vir!” Explica a avozinha de Miguel.

Na terra dos mortos, Miguel se encontra com seus próprios parentes falecidos e aprende sua verdadeira história familiar. Embora a experiência de Miguel seja fictícia, não é incomum que os entes queridos vivenciem o que os psicólogos chamam de “Comunicação após a morte”, na qual os enlutados acreditam que veem, ouvem as vozes ou até mesmo cheiram seus entes queridos mortos.

Essas experiências, às vezes chamadas de “alucinações do luto”, podem ser curativas e reconfortantes para aqueles que sofrem, como vários estudos demostraram. Mas os católicos deveriam proceder com cautela quando "se comunicam" com os mortos, disseram psicólogos católicos; e eles deveriam fundamentar suas comunicações em oração.

Dana Nygaard é uma leiga católica e conselheira profissional licenciada que fala com grupos de luto e aconselha pessoas que estão vivendo alguma perda. Nygaard disse que, como muitos católicos mal entendem o que acontece com as almas após a morte, pede cautela ao falar sobre o que significa se comunicar com entes queridos.

“Se, de fato, estão falando com um ente querido, como fazem isso? É dizendo: "Oi vó, acho que você está lá no céu com Deus. Realmente espero que você ore e olhe para mim". "OK, bem, isso soa bem", disse ela. “Ou… eles estão indo para um médium ou um mago? Isso é necromancia? Como estão fazendo isso? Acho que é uma questão importante”, disse Nygaard.

Segundo o catecismo da Igreja Católica, “todas as formas de adivinhação devem ser rejeitadas”, o que inclui o “conjurar os mortos”. No entanto, a Igreja encoraja os católicos a orarem pelos mortos como uma das obras espirituais de misericórdia. 

“Desde o princípio a Igreja honrou a memória dos mortos e ofereceu orações em sufrágio por eles, acima de tudo o sacrifício eucarístico, para que, assim purificados, possam alcançar a visão beatífica de Deus. A Igreja também elogia a esmola, as indulgências e as obras de penitência oferecidas em favor dos mortos”, afirma o catecismo."Não hesitemos em ajudar os que morreram e oferecer nossas orações por eles". 

"Oração, oração, oração", disse Nygaard, observando que, como os católicos não conhecem o estado das almas de seus entes queridos quando morrem, é importante rezar por eles depois de sua morte, pois as orações podem ajudar as almas do purgatório em seu caminho para chegar ao céu mais rápido.

A liturgia das horas, um conjunto de orações ditas periodicamente ao longo do dia por sacerdotes, religiosos e alguns leigos católicos, inclui um escrito especial dos mortos, um conjunto de orações que se rezam especificamente para aqueles que morreram.

Nygaard muitas vezes encoraja os católicos que estão sofrendo uma perda a pedir orações de intercessão de santos já canonizados pela Igreja, o que favorece a experiência da certeza de que eles estão seguros na presença de Deus no céu. “Talvez tenha sido que minha bisavó que estava muito perto de Sant'Ana. Vou perguntar a Sant'Ana: "Por favor, cuide da minha querida bisavó? Rezo para que ela esteja lá com você no céu. Encontro para orar outras pessoas que também passaram por perdas. Deus, pergunto, preciso continuar orando pelo meu pai?” Ela reza.

Nygaard disse que aqueles que ela aconselha através do luto, às vezes, após um período de oração, sentem uma profunda sensação de paz de que o seu ser amado está no céu.

O doutor Chris Stravitsch é um conselheiro profissional licenciado e terapeuta de casamento e família, bem como o presidente e fundador do Rejoice Counseling Apostolate, um grupo de conselheiros católicos. Stravitsch disse que, além da oração, ele aconselha seus clientes a se preparar para o primeiro ano de luto, que muitas vezes pode ser o mais difícil.

“Há muitas 'primeiras vezes' que virão: o primeiro Natal sem ele ou ela; seu primeiro aniversário sem eles presentes; o primeiro aniversário de casamento sozinho; aconselho as pessoas a se preparar para essas ocasiões com antecedência, porque sabemos que será doloroso e difícil”, disse Stravitsch.

O conselheiro disse que seus pacientes planejam com antecedência como e com quem eles passarão esses dias difíceis, e como se lembrarão de seus entes queridos nesses momentos. "É útil cercar-se de outros entes queridos que entendem sua perda, ao mesmo tempo reservando um pouco de tempo para ficar sozinhos em oração e relembrando", disse ele.

“Esses são dias significativos para assistir à missa, para que você possa se apegar a Cristo e receber sua consolação. Visitar o túmulo ou um lugar onde você tenha uma lembrança especial também pode ser significativo, seja isso feito sozinho ou com o apoio de outros”, disse ele.

“Além disso, não se esqueça de contar histórias e falar sobre seus entes queridos falecidos”, acrescentou. “Precisamos continuar nos reunindo em vários momentos para lembrá-los em espírito de amor e oração. Isso é um bálsamo para os quebrantados de coração”.

Stravitsch disse que é importante que os católicos se lembrem de que a morte e o luto são coisas dolorosas que todos experimentamos, também o próprio Jesus chorou com a morte de seu amigo Lázaro.

"(Jesus) quer estar conosco e compartilhar nossa dor", disse ele. Isso significa que os católicos devem ser sensíveis em relação àqueles que estão sofrendo e evitar comentários bem intencionados, mas inúteis, como: “Foi a vontade de Deus”; “Era a hora deles irem”; "Eles estão em um lugar melhor agora"; ou “há uma razão para tudo”; Stravitsch disse.

"Simplesmente dizer, 'sinto muito', dar um abraço caloroso, compartilhar uma lágrima e permanecer ao lado deles o tempo que for necessário pode ser muito mais consolador", falou.

Para ele, visitar novamente os familiares depois que o funeral passou e falar sobre o falecido com aqueles que estão sofrendo não são as únicas formas de ajudar. Há outras maneiras pelas quais os católicos podem mostrar compaixão, ele disse.

Tanto Nygaard quanto Stravitsch disseram que descobriram que os clientes geralmente são profundamente consolados pelo ensinamento da Igreja sobre a comunhão dos santos e a promessa de vida eterna para todas as almas que estão unidas a Deus. “Na Igreja Católica, como concebemos o corpo místico de Cristo, sabemos que as almas no céu estão formando o altar durante a comunhão”, disse Nygaard.

"O que eu descobri é que as coisas mais simples e cotidianas trazem uma grande sensação de paz" para as pessoas que perdem alguém, disse. "Não sou só eu que estou sentado lá quando subo para a comunhão... estamos misticamente conectados e podemos pedir a intercessão dos santos", o que significa que todas as almas podem estar no céu com Deus.

Em sua Carta aos Hebreus, São Paulo relembra aqueles que já estão no céu e diz que os fiéis estão cercados “também nós, considerando que estamos rodeados por tão grande nuvem de testemunhas”.

“Quando o Senhor vier em glória e todos os seus anjos com ele, a morte não existirá mais e todas as coisas estarão sujeitas a Ele. Mas, no momento atual, alguns de seus discípulos são peregrinos na Terra. Outros morreram e estão sendo purificados, enquanto outros ainda estão na glória, contemplando "em plena luz, o próprio Deus trino e um, exatamente como Ele é".

Todos nós, no entanto, em graus variados e de maneiras diferentes, compartilhamos da mesma caridade para com Deus e nossos vizinhos, e todos nós cantamos o único hino de glória ao nosso Deus. Todos, de fato, que são de Cristo e que têm o seu Espírito formam uma Igreja e em Cristo se unem”, afirma o Catecismo. Esses ensinamentos são um “grande consolo para os enlutados”, disse Stravitsch.

“Não há apenas a esperança de nos reunirmos com nossos entes queridos após a morte, mas existe a realidade de permanecer misteriosamente conectados com eles até hoje. Quer estejamos intercedendo por eles enquanto oramos pelo repouso de suas almas, ou pedindo por suas orações, há uma sensação de que estamos perto uns dos outros”, acrescentou.

“Os laços do amor verdadeiro não são destruídos na morte, mas são feitos cada vez mais fortes. A Igreja reconhece isto de uma maneira única quando celebramos o dia de todas as almas e chamamos a atenção para os nossos entes queridos falecidos. Estamos unidos em Cristo.

Publicado originalmente em Catholic Herald. Tradução: Ramón Lara.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas