Brasil Cidades

09/09/2019 | domtotal.com

Tirar para dançar

O acontecimento agora é o medo de amar, o medo do radar, de romper a própria velocidade das minhas emendas.

Chega um tempo, mesmo que tardio, que a gente dança acompanhando a música.
Chega um tempo, mesmo que tardio, que a gente dança acompanhando a música. (Pixabay)

Por Ricardo Soares*

Aí é fácil imaginar. Não danço mas gostaria de dançar. E vou indo devagar porque meu caminho você foi atravessar. Um sorriso de canto de olho, um leve resfolegar, uma esperança infinda nas crianças que você educa e vai sempre educar. Por isso, te tirar para dançar...

Baixo a minha guarda e penso que ainda posso te reencontrar diante de um relógio de praça, defronte a uma igreja matriz, sentado  ao lado de uma mesa, tomando cerveja , comendo bolinhos de bacalhau e imaginando um futuro sem sal, pois o sal da Córsega cola nas minhas costas e não há huile seche que eu passe que dê conta de tanto ressecamento. O acontecimento agora é o medo de amar, o medo do radar, de romper a própria velocidade das minhas emendas, das minhas matrizes, das minhas oferendas a um deus do rapé, da ayahuasca, da umbanda com três generais da banda, que contornam o coreto e me enchem de ginga, e com ela eu me abraço e, enfim, não sei se te tiro para dançar. Eu não sei ir devagar.

Assim  nada do que eu fui vai continuar sendo. Já espirro e grito sem me preocupar com quem está em volta. Sem capricho , sem recato. Chega um tempo, mesmo que tardio, que a gente dança acompanhando a música. Sem preocupação com o ritmo. Mas, cadê coragem? Ela falta até para tirar você para dançar.

Ricardo Soares é diretor de Tv, roteirista, escritor e jornalista. Publicou 8 livros, dirigiu 12 documentários.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!

Comentários


Instituições Conveniadas