ESDHC

06/09/2019 | domtotal.com

Dom Helder amplia investimentos em formação e desenvolvimento humano

Escola inaugura três novos projetos neste semestre: o Travessias do Direito, os Exercícios Espirituais para Jovens Universitários (EEJU) e o Mais que Direito.

Aluna da Dom Helder participa da primeira edição do Travessias do Direito.
Aluna da Dom Helder participa da primeira edição do Travessias do Direito. Foto (Juliana Costa/Dom Helder)
Estudantes percorreram trilha no Parque Estadual da Serra do Rola Moça.
Estudantes percorreram trilha no Parque Estadual da Serra do Rola Moça. Foto (Juliana Costa/Dom Helder)
Estudantes percorreram trilha no Parque Estadual da Serra do Rola Moça.
Estudantes percorreram trilha no Parque Estadual da Serra do Rola Moça. Foto (Juliana Costa/Dom Helder)
O objetivo do projeto é compartilhar aprendizados e reflexões numa rica experiência humana.
O objetivo do projeto é compartilhar aprendizados e reflexões numa rica experiência humana. Foto (Juliana Costa/Dom Helder)

Por Patrícia Azevedo
Repórter Dom Total

Com objetivo de fortalecer o processo continuado de formação humana oferecido aos alunos, a Dom Helder Escola de Direito inaugura três novos projetos neste semestre: o Travessias do Direito, os Exercícios Espirituais para Jovens Universitários (EEJU) e o Mais que Direito. Além disso, os Encontros Acadêmicos (Encad), oferecidos pela escola desde 2006, passaram por reformulações, incorporando novas dinâmicas e metodologias.

“Não nos contentamos, nem nos basta a excelência acadêmica, embora seja uma de nossas prioridades. Junto com isso, é nosso interesse formar pessoas para a cidadania global e com visão integral e integradora de si, do outro, da comunidade humana e da vida. É nesse contexto que se situam as ações que fazemos na perspectiva da formação humana e desenvolvimento da pessoa”, explica Agripa da Silva Mairink, professor da Dom Helder, da Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE) e do Colégio Loyola.

Professor Agripa Mairink, acompanhado pela mestranda Joana Gonçalves.Joana Gonçalves e professor Agripa Mairink.Com grande experiência no campo da educação, Agripa Mairink é formado em História e Direito, com mestrado em Gestão Educacional, e especializações em História e Pedagogia. Em entrevista ao Dom Total, o professor detalha a proposta de cada um dos projetos inaugurados, destaca os benefícios da formação humana e fala sobre a contribuição de estudantes jesuítas. Confira abaixo:

O que motiva a Dom Helder investir na formação humana dos discentes?

Para além de uma excelente formação teórica e técnica, é declarada a nossa intenção de oferecer formação e desenvolvimento humano. O profissional que sairá daqui está, desde já, provocado a dar relevância àquilo que na Educação Jesuítica chamamos de humanização da pessoa. Não nos contentamos, nem nos basta a excelência acadêmica, embora seja uma de nossas prioridades. Junto a isso, é nosso interesse formar pessoas para a cidadania global e com uma visão integral e integradora de si, do outro, da comunidade humana e da vida. É nesse contexto que se situam as ações que nossas escolas fazem na perspectiva da formação humana e desenvolvimento da pessoa.

Quais ações são pensadas nesse sentido?

Trata-se de um processo continuado de formação. As ações são pensadas de forma que se relacionem com o contexto e o cotidiano do discente, no âmbito do curso que faz e na expectativa de futuro naquela área. Desde aproximadamente 2006, a escola oferece os Encontros Acadêmicos. A partir desse semestre letivo, estamos oferecendo os Encontros Acadêmicos (Encad), o Travessias do Direito, os Exercícios Espirituais para Jovens Universitários (EEJU) e o Mais que Direito, que são programas inseridos nesse processo pedagógico e que visam gerar e compartilhar saberes, aprendizagens e conhecimentos da maior relevância para o desenvolvimento das pessoas, de seu autoconhecimento, seus vínculos, suas prioridades, seu projeto de vida e de felicidade, seu comprometimento com a evolução da comunidade humana, sua responsabilidade pela Justiça e reconciliação.

Os programas com os quais estamos trabalhando bebem diretamente na fonte da tradição da Companhia de Jesus em fazer educação, da referência da Espiritualidade Inaciana e da Pedagogia de inspiração inaciana. As vivências são propostas a partir desses referenciais. Os programas são construídos a partir das dimensões do contexto, experiência, reflexão, ação e avaliação, próprias da dinâmica de uma Pedagogia de inspiração inaciana. A abordagem é feita com vistas a favorecer o afetamento e implicação das pessoas com a construção e compartilhamento dos saberes e de suas descobertas e percepções.

O senhor pode detalhar a proposta dos programas? Qual a abordagem adotada?

Os Encontros Acadêmicos (Encad) são uma proposta de formação e desenvolvimento humano, oferecidos exclusivamente a discentes da Dom Helder e da EMGE. Constituem uma estratégia de inovação pedagógica que considera o desenvolvimento de uma consciência centrada no processo continuado de humanização, com foco em aprendizagem integral, que busca dar visibilidade ao protagonismo do estudante em seu processo de formação enquanto pessoa e agente social. Mais do que uma modalidade estratégica, os Encad são, na realidade, um conceito e um espaço de realização de itinerários formativos, o que evidencia a prioridade dada pela Dom Helder e EMGE à formação humano-integral de seus estudantes.

Alunos durante edição do ENCAD no Campus 3.Alunos durante edição do ENCAD, na Unidade 3.O Travessias é um programa de formação e desenvolvimento humano, solicitado pela coordenação do Direito Integral e reitoria da EMGE, inspirado na metodologia de Caminhada Inaciana, destinado a discentes das duas escolas, que estejam cursando no mínimo o segundo período. Trata-se de uma experiência de imersão comunitária guiada, em ambiente natural público das trilhas do Parque Estadual da Serra do Rola Moça, com o propósito de gerar aproximações à natureza na perspectiva da justiça socioambiental, da missão de justiça e reconciliação e estimular vínculos entre os discentes; ampliar os horizontes de sentido do estudo do Direito; favorecer o autoconhecimento e a motivação; refletir sobre limites, desafios e possibilidades da vida e do Direito.

Os EEJU são uma proposta adaptada de Exercícios Espirituais de Inácio de Loyola, com pernoite na Unidade III, para estudantes da Dom Helder e EMGE que já fizeram pelo menos o seu primeiro Encad e que desejam fazer uma aproximação da dinâmica de uma vida espiritual, a partir da Espiritualidade Inaciana.

Já o Mais que Direito destina-se a discentes do Direito Integral e é um programa de formação e desenvolvimento humano, inspirado no modelo de imersão com vivências de ações pautadas na autogestão, autocuidado, autoconhecimento e senso de comunidade e liderança, com uma jornada de 24 hora. Todas as ações estão previstas para acontecerem no Campus III ou em suas imediações.

Como os estudantes jesuítas contribuem para os projetos citados?

Em nossa equipe de acompanhantes contamos com a participação de jesuítas que estão em fase de formação à vida religiosa na Companhia de Jesus. Em geral, são estudantes da Filosofia ou da Teologia da Faculdade Jesuíta (Faje) de Belo Horizonte. Eles são destinados a atuar conosco enquanto seu apostolado e importante estratégia de sua preparação à vida e missão na Companhia de Jesus e serviço da Igreja. Para a Dom Helder e a EMGE, poder contar com a colaboração desses jovens jesuítas em formação é uma estratégia que amplia os horizontes de pertencimento ao corpo apostólico da Companhia de Jesus e fortalecimento dos laços que nos vinculam ao ambiente maior da educação superior jesuíta. A colaboração desses jovens jesuítas se dá pela sua atuação no apoio à mediação das vivências e ações dos programas de formação e desenvolvimento humano. É uma presença que qualifica o nosso trabalho de formação humana.


Patrícia Azevedo/Dom Total

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!



Instituições Conveniadas