Religião

10/09/2019 | domtotal.com

Papa ataca modelo econômico que sacrifica vidas ao lucro

Em visita a Maurício, papa Francisco adverte para economia idolátrica que sacrifica vidas humanas.

Com viagem a Maurício, o Pontífice já visitou 47 países desde o início do seu pontificado
Com viagem a Maurício, o Pontífice já visitou 47 países desde o início do seu pontificado (Vatican Media)

O encontro com as autoridades encerrou a breve visita do papa a Porto Luís, capital de Maurício na segunda-feira (9). Depois da visita de cortesia ao presidente interino, Barlen Vyapoory, no palácio presidencial, o pontífice se dirigiu à sociedade civil e ao corpo diplomático.

Em seu discurso, ressaltou a multiculturalidade que caracteriza os habitantes do país, que se formou ao longo dos séculos com a chegada de migrantes de diferentes continentes. A partir da experiência que acumularam na miscigenação e na convivência pacífica, o papa fez um apelo:

“O DNA do vosso povo guarda a memória destes movimentos migratórios que trouxeram os vossos antepassados até esta ilha e que os levaram também a abrir-se às diferenças para as integrar e promover tendo em vista o bem de todos. Por isso mesmo, na fidelidade às vossas raízes, vos animo a assumir o desafio de acolher e proteger os migrantes que hoje chegam aqui à procura de trabalho e, para muitos deles, à procura de melhores condições de vida para as suas famílias. ”

Oásis de paz 

A independência do país é recente, tem apenas 51 anos, e a política é regida por um sistema democrático, que – segundo o papa – contribui para fazer de Maurício “um oásis de paz”.

“Faço votos de que este estilo de vida democrática possa ser cultivado e desenvolvido, contrastando nomeadamente todas as formas de discriminação”, afirmou Francisco, encorajando os políticos a serem um exemplo, principalmente aos jovens, e que possam ser sempre dignos da confiança dos compatriotas.

Não à modelo que sacrifica vidas humanas

O pontífice destacou também o “intenso desenvolvimento econômico” do país, advertindo, porém, para não ceder à tentação de um modelo econômico idolátrico, “que precisa de sacrificar vidas humanas no altar da especulação e da mera rentabilidade, que tem em conta apenas o benefício imediato em detrimento da proteção dos mais pobres, do meio ambiente e seus recursos”.

Para tal, auspiciou uma “conversão ecológica integral” para evitar catástrofes ecológicas e graves crises sociais. Por fim, Francisco manifestou seu apreço pelo modo como trabalham juntas no país as várias religiões com as suas respetivas identidades, “contribuindo para a paz social e recordando o valor transcendente da vida contra todo o tipo de reducionismo”. E confirmou a disponibilidade dos católicos a continuar participando deste frutuoso diálogo.

“ Mais uma vez, obrigado pela vossa calorosa recepção. ”

Fim da viagem

Do palácio presidencial, o papa se dirigiu diretamente para o aeroporto de Porto Luís para a cerimônia de despedida. De Maurício, o pontífice regressa a Antananarivo, dorme na nunciatura apostólica e na manhã de terça-feira embarca em direção a Roma.

Resumo

O papa Francisco ficou apenas um dia na Ilha de Maurício, uma jornada intensa e cheia de momentos significativos. Em um minuto a síntese: a missa celebrada em Port Louis junto ao Monumento de Maria Rainha da Paz, o almoço com os bispos da Conferência Episcopal do Oceano Índico (Cedoi). Depois a homenagem ao beato Jacques-Désiré Laval conhecido como o "apóstolo dos negros" pela sua missão evangelizadora dos nativos. Últimos compromissos institucionais a visita de cortesia ao Presidente Barlen Vyapoory e o encontro com as Autoridades, Sociedade Civil e Corpo Diplomático.



Vatican News

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas