Religião

11/09/2019 | domtotal.com

Não gosta desse papa? Leia o que ele escreveu

De fato, existe uma conspiração entre católicos de direita para minar ou minimizar esse papa e seus ensinamentos.

O papa Bento XVI assina uma cópia de sua encíclica 'Caritas in Veritate', no Vaticano em 6 de julho de 2009, que aborda a crise econômica global.
O papa Bento XVI assina uma cópia de sua encíclica 'Caritas in Veritate', no Vaticano em 6 de julho de 2009, que aborda a crise econômica global. (CNS/L'Osservatore Romano/Catholic Press Photo)

Por Michael Sean Winters*
NCR

O mundo inteiro sabe agora que o papa Francisco está mais ou menos cansado de alguns de seus críticos. Seu comentário sobre ser uma “honra” o fato de ser atacado por católicos conservadores nos EUA deixou isso claro para todos. Francisco acaba de receber uma cópia de um novo livro do autor francês Nicolas Seneze, que cataloga os esforços católicos conservadores, em grande parte americanos, como uma iniciativa para influenciar esse papado ou limitar sua influência e minar seus esforços. As consequências do comentário do papa são divertidas de assistir. Na semana passada, o apresentador da EWTN, Raymond Arroyo, começou seu programa de uma hora com um “comentário” de oito minutos considerando a resposta do papa como “perturbadora”. Eu, na verdade, achei refrescante a sinceridade do papa.

Arroyo se referiu a uma “série de artigos preguiçosos”. E continuou: “Isso é cansativo e, francamente, uma narrativa sem fatos”. Ele se queixou de que havia sido usado principalmente por “europeus e americanos progressistas” e afirmou que esses críticos “cometem o erro de colocar católicos ortodoxos nos Estados Unidos como direitistas, atores de um plano político para desfazer a agenda de Francisco”. Também rebateu esse retrato, dizendo: “A verdade é muito mais simples. Os católicos americanos realmente acreditam no que a Igreja sempre ensinou, e eles são adultos o suficiente e têm uma base grande o suficiente para transmitir essa crença”. Arroyo insistiu que “tudo que os católicos tradicionais fizeram foi fazer perguntas”.

O apresentador confirmou involuntariamente a tese que estava tentando desmascarar ao concluir: “A verdade é que tudo isso é uma tentativa covarde de demonizar e purgar vozes da Igreja que se atrevem a questionar as mudanças radicais que estão em andamento e as táticas brutais adotadas”. Mudanças radicais? Táticas brutais? Essas são algumas das perguntas que eu me faço.

Para provar sua pretensão de equilíbrio editorial, Arroyo reproduziu um áudio dele mesmo, exatamente da noite de um ano atrás, quando falou sobre o arcebispo Carlo Maria Viganò, no qual disse: “Estou um pouco temerário com o fato de um papa renunciar novamente”. Um ex-núncio exigiu publicamente que o papa Bento XVI se demitisse? Por que adicionar a palavra “novamente”? Ele reconheceu que houve críticas a Viganò, mas um ano depois, em um programa há apenas duas semanas, Arroyo e seu bando papal, Robert Royal e o padre Gerald Murray, passaram mais da metade do programa defendendo Viganò e argumentando que a maioria de suas alegações se provaram verdadeiras, quando na verdade, a maioria delas se provou falsa.

Arroyo disse: “Não vamos criar teorias néscias de conspiração”.

No pessoal, acho que o papa tocou um nervo. O discurso de Arroyo parecia nada mais do que as desculpas selvagens que uma criança cria quando é pega roubando do pote de biscoitos. Para deixar claro, se eu estivesse no lugar dele, também ficaria chateado. Ficaria indignado se pensasse que meus amigos eram donos da Igreja e alguém aparecesse do nada e a tirasse das nossas mãos.

De fato, existe uma conspiração entre católicos de direita para minar ou minimizar esse papa e seus ensinamentos, e você pode descobri-lo apenas assistindo ao EWTN ou lendo seus meios de comunicação auxiliares. Ninguém teria o cardeal Raymond Burke ou o cardeal alemão Gerhard Müller em seu programa como convidado de autoridade, a menos que esse objetivo fosse prejudicial. Ninguém teria Phil Lawler, que foi o primeiro convidado do programa de Arroyo na semana passada, como especialista, a menos que minar o papa fosse o objetivo. Os dois homens se divertiram reclamando de todo o dano que pensam que Francisco está causando à Igreja.

Desejo enviar a Arroyo e outros católicos conservadores um convite que recebi há muito tempo e do qual obtive enormes benefícios. Durante os pontificados mais conservadores de João Paulo II e Bento XVI, vários amigos me incentivaram a ler seus escritos com a mente aberta, a não os descartar por serem tão conservadores.

Obviamente, na área do ensino social católico, houve uma enorme continuidade, não apenas nos últimos três pontificados, mas podemos remontar ao papa Leão XIII. Porém, quando li alguns dos escritos do cardeal Joseph Ratzinger, de seus primeiros trabalhos como a Introdução ao cristianismo até a trilogia de Jesus de Nazaré que escreveu quando ainda era papa, eu não apenas aprendi muito, mas também tive minha fé fortalecida pelas ideias que Bento discerniu e compartilhou. De fato, escrevi um artigo intitulado Por que comecei amar Bento XVI? no dia seguinte à sua demissão. Eu ainda não era escritor quando o papa João Paulo II publicou Novo millennio ineunte, mas lembro-me de pensar que era um documento magnífico que me fez aumentar minha fé de maneiras que eu não teria feito se tivesse simplesmente me apegado aos meus textos católicos mais liberais.

Então, em vez de pintar Francisco sob uma luz tão severa e negativa, em vez de zombar dos sínodos, ou destacar e até defender um texto de acerto de contas como o “testemunho” de Viganò, convido os católicos conservadores a virem a Francisco e seus ensinamentos com um coração aberto e uma mente aberta.

Espero que eles encontrem, como eu fiz com seus predecessores conservadores, uma oportunidade de expandir sua fé, o que sempre leva a um crescimento e a um aprofundamento dessa fé também. É uma Igreja grande, e há espaço para todos. A alternativa é o surgimento de uma Igreja sectária e para-cismática nos Estados Unidos. E, se um cisma total ocorresse, sua fonte seria amplamente encontrada na EWTN.


Publicado originalmente por NCR.

*Michael Sean Winters cobre a relação de religião e política para a NCR.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas