Religião

18/09/2019 | domtotal.com

Por que alguns católicos se opõem ao papa Francisco?

Diante da nova imagem da Igreja proposta pelo papa Francisco, há vozes e críticos discordantes que se opõem fortemente ao seu pontificado.

Papa Francisco cumprimenta a multidão quando chega para sua audiência geral na Praça de São Pedro, no Vaticano, em 11 de setembro de 2019.
Papa Francisco cumprimenta a multidão quando chega para sua audiência geral na Praça de São Pedro, no Vaticano, em 11 de setembro de 2019. (CNS photo/Remo Casilli, Reuters)

Por Victor Codina, S.J.
America

Não é incomum nem surpreendente encontrar discórdia e oposição na Igreja Católica. Esse desacordo remonta aos dias atuais até a época de São Paulo, que se levantou contra Pedro em Antioquia (Gl 2,14).

A oposição se manifestou nos primeiros concílios ecumênicos e nos dois últimos, por exemplo. No Concílio Vaticano I (1870), um grupo de bispos e teólogos se opôs à definição proposta de infalibilidade papal. Alguns não aceitaram o conselho e se separaram de Roma, dando origem à chamada Velha Igreja Católica. Outros não deixaram a Igreja, mas optaram por não participar ou participar apenas da última votação conciliar sobre infalibilidade - e alguns deles ficaram tão bravos que jogaram todos os documentos conciliares no Tibre.

Um século depois (1970), a questão da infalibilidade surgiu mais uma vez, com disputas teológicas entre a voz crítica de Hans Küng e as de Karl Rahner, S.J., Walter Kasper e outros teólogos alemães mais moderados. A controvérsia continuou entre historiadores críticos do Vaticano I, como A. B. Hasler, discípulo de Küng, e historiadores mais sutis como Yves Congar, O.P, Joseph Hoffmann e Kasper. De fato, Küng foi proibido de ensinar teologia em 1979.

Em 1950, durante o pontificado de Pio XII, quando o papa publicou a encíclica Humani generis contra a chamada nova teologia, alguns teólogos jesuítas de Fourvière-Lyon (como Henri de Lubac, SJ e Jean Daniélou, SJ) e alguns teólogos dominicanos de Le Saulchoir-Paris (como Yves Congar, OP e Marie-Dominique Chenu, OP) foram removidos de suas cadeiras. Uma década depois, o papa João XXIII nomeou todos eles como especialistas em teologia no Vaticano II.

Uma forte oposição surgiu lá, liderada pelo bispo francês Marcel Lefebvre, que rejeitou o Vaticano II como neo-modernista e neo-protestante. Quando o bispo Lefebvre começou a ordenar bispos sem autorização romana para a Sociedade de São Pio X em 1988, acabou sendo excomungado por João Paulo II.

Depois de Humanae vitae, sua encíclica de 1968 sobre controle de natalidade, o papa Paulo VI foi desafiado respeitosamente por inúmeras conferências episcopais. Sem negar o valor do conteúdo da encíclica, pediram maior elaboração e qualificação de determinadas questões.

Durante os pontificados de João Paulo II e Bento XVI, mais de 100 teólogos foram interrogados, repreendidos ou silenciados (pela Congregação para a Doutrina da Fé). Alguns foram demitidos de seus cargos acadêmicos e um deles foi excomungado.

O objetivo deste preâmbulo histórico é remover qualquer surpresa que hoje, diante da nova imagem da Igreja proposta pelo papa Francisco, haja vozes e críticos discordantes que se opõem fortemente ao seu pontificado.

Observando os ventos instáveis ao longo do tempo, podemos ver que o tipo e a orientação da oposição sempre refletem o momento histórico. Há vozes progressivas e proféticas em períodos em que o cristianismo clássico ou o neocristianismo domina, e vozes reacionárias, fundamentalistas e conservadoras em momentos de reforma eclesial e tentativas de retornar às origens evangélicas e ao estilo de Jesus.

Críticas a Francisco

Atualmente, há um grupo forte opondo-se à Igreja de Francisco: leigos, teólogos, bispos e cardeais que gostariam que ele se demitisse ou desaparecesse prontamente da cena, enquanto esperavam que um novo conclave mudasse a direção atual da Igreja.

Eu não quero conduzir uma investigação sócio-histórica aqui, nem um programa de televisão ocidentalizado que coloque o bem contra o mal, então prefiro não citar os nomes dos oponentes que atualmente esfolam Francisco vivo. Em vez disso, gostaria de discutir os antecedentes teológicos dessa oposição sistemática a Francisco, a fim de entender do que se trata a controvérsia.

As críticas dirigidas a Francisco têm duas dimensões, uma teológica e a outra mais sócio-política, embora (como veremos adiante) haja casos em que essas dimensões convergem.

Crítica teológica

A crítica teológica parte da convicção de que Francisco não é um teólogo, mas vem do Sul Global, do fim do mundo; e que essa falta de profissionalismo teológico – em flagrante contraste com a perspicácia acadêmica de são João Paulo II e, obviamente, do papa Bento XVI – explica o que eles consideram suas imprecisões e até mesmo seus erros doutrinários.

De acordo com essa avaliação, o déficit de Francisco em teologia explicaria suas posições perigosas sobre a misericórdia de Deus em (sua bula papal de 2015) Misericordiae vultus, sua tendência filomista em apoiar os movimentos populares e pobres e sua noção de piedade popular como locus teológico em (sua exortação apostólica de 2013) Evangelii gaudium. Seu déficit em teologia moral aparece ao abrir a porta aos sacramentos da penitência e o acesso à Eucaristia em alguns casos (após discernimento pessoal e eclesial) para católicos separados que se casaram novamente, de acordo com (sua exortação apostólica pós-sinodal de 2016) Amoris laetitia. Sua encíclica Laudato si, de 2016, sobre os cuidados com o lar comum, mostra uma falta de competência científica e ecológica. E sua ênfase excessiva na misericórdia divina em Misericordiae vultus é escandalosa porque diminui a graça e a cruz de Jesus.

Diante dessas acusações, gostaria de recordar uma afirmação clássica de são Tomás de Aquino que distingue entre a cadeira magisterial, própria dos teólogos e professores das universidades, e a cadeira pastoral designada para os bispos e pastores da Igreja. O cardeal John Henry Newman voltou a essa tradição afirmando que, embora às vezes possa haver tensão entre as duas cadeiras, no final, há convergência entre elas.

Essa distinção se aplica a Francisco. Embora o papa tenha estudado e ensinado teologia pastoral em San Miguel de Buenos Aires como Jorge Mario Bergoglio, S.J., agora seus pronunciamentos pertencem à sede pastoral do bispo de Roma. Ele não aspira a cumprir esse papel como teólogo, mas como pastor. Como já foi dito sobre ele com certo toque de humor, é necessário passar do Bergoglio da história para o Francisco da fé.

O que realmente incomoda seus detratores é que sua teologia deriva da realidade: da realidade da injustiça, da pobreza e da destruição da natureza, e da realidade do clericalismo eclesial.

Tudo bem o papa abraçar crianças e doentes, mas é definitivamente perturbador quando visita Lampedusa e os campos de refugiados e migrantes como o de Lesbos. Incomoda as pessoas quando ele diz que não devemos construir muros contra os refugiados, mas pontes de diálogo e hospitalidade. É irritante quando, seguindo os passos do papa João XXIII, diz que a Igreja deve ser pobre e existir para os pobres, que os pastores têm que cheirar a ovelhas, que deve ser uma Igreja de saída que alcança periferias e que os pobres são um locus, tópico ou fonte teológica.

Francisco incomoda as pessoas quando diz que o clericalismo é a lepra da Igreja e quando enumera as 14 tentações da Cúria do Vaticano, que vão desde o sentimento de ser indispensável e necessário, ao desejo de riquezas, passando por uma vida dupla e até chegando ao sofrimento por problemas espirituais. Ele aumenta o incômodo quando acrescenta que essas também são tentações de dioceses, paróquias e comunidades religiosas. É irritante ouvir que a Igreja deve ser concebida como uma pirâmide invertida, com os leigos acima e o papa e os bispos abaixo, assim como causa espanto ouvi-lo dizer que a Igreja é poliédrica e acima de tudo sinodal. Isso significa que todos precisamos percorrer juntos o mesmo caminho, que precisamos ouvir e dialogar uns com os outros. É irritante que (em sua constituição apostólica de 2018) Episcopalis communio, Francisco fale da Igreja sinodal e da necessidade de ouvir um ao outro.

Incomoda alguns grupos, o fato de Francisco agradecer a Gustavo Gutiérrez, OP, Leonardo Boff, Jon Sobrino, SJ, e José María Castillo, SJ, por suas contribuições teológicas e anular as suspensões a divinis de Miguel d'Escoto, MM, e do padre Ernesto Cardenal. Muitos ficam perplexos ao saber que, quando Hans Küng lhe escreveu sobre a necessidade de repensar a infalibilidade, Francisco respondeu chamando Küng de “querido companheiro” (mentor ou Mitbruder, irmão na fé), dizendo que levaria em consideração as observações de Küng e estava disposto a iniciar um diálogo sobre infalibilidade. E incomoda muitos que Francisco tenha canonizado são Óscar Romero, o arcebispo salvadorenho martirizado, marcado por muitos como comunista e um idiota útil da esquerda; sua causa foi bloqueada por anos.

É irritante que ele diga “Quem sou eu para julgar?” É incômodo que diga que a Igreja é feminina e que, se as mulheres não forem ouvidas, a Igreja não terá revelação bíblica, é irritante ouvi-lo falar de intolerância zero para com a Igreja sobre o abuso de menores e mulheres por membros importantes da instituição, um crime monstruoso pelo qual se deve pedir perdão a Deus e às vítimas, reconhecer o silêncio cúmplice e culpado da hierarquia, buscar reparações, proteger jovens e crianças e evitar uma repetição do abuso. E sua mão não treme quando rebaixa e remove os culpados de suas posições, sejam eles cardeais, núncios, bispos ou sacerdotes.

Obviamente, o problema não é que ele não seja ou não um teólogo, mas que sua teologia é pastoral. Francisco passa do dogma ao kerygma, dos princípios teóricos ao discernimento pastoral e à mistagogia. E sua teologia não é colonialista, mas do Sul Global, e isso incomoda o Norte.

Críticas sócio-políticas

Confrontando aqueles que acusam Francisco de ser um terceiro mundista e comunista, devemos afirmar que suas mensagens estão em perfeita continuidade com a tradição bíblica profética e os ensinamentos sociais da Igreja. O que dói é a sua clarividência profética: ele diz não a uma economia de exclusão e desigualdade, não a uma economia que mata, não a uma economia sem rosto humano, não a um sistema social e econômico injusto que nos prende a estruturas sociais injustas, não à globalização da indiferença, não à idolatria do dinheiro, não ao dinheiro que governa e não serve, não a uma desigualdade que gera violência, não a quem tenta se esconder atrás de Deus para justificar a violência, não à insensibilidade social que anestesia-nos diante do sofrimento alheio, não às armas e à indústria da guerra, não ao tráfico de seres humanos, não a qualquer forma de morte provocada (como pode ser visto em Evangelii gaudium, 52-75).

Francisco não faz nada além de atualizar o mandamento "Não matarás", defende o valor da vida humana do começo ao fim e repete nos dias atuais a pergunta do Senhor a Caim: "Onde está teu irmão?"

Também é perturbadora a crítica de Francisco ao paradigma antropocêntrico e tecnocrático que destrói a natureza, polui o meio ambiente, ataca a biodiversidade e exclui os pobres e os indígenas de uma vida humana digna (como pode ser visto em Laudato si', 20-52). Incomoda as empresas multinacionais quando critica as empresas madeireiras, petrolíferas, hidrelétricas e de mineração que destroem o meio ambiente, prejudicam os povos indígenas dessas terras e ameaçam o futuro de nossa casa comum. Também causa irritação sua crítica a líderes políticos incapazes de tomar decisões corajosas (Laudato si, 53-59).

O anúncio do próximo Sínodo para a Amazônia em outubro de 2019, que ampliará a necessidade de proteger o meio ambiente e salvar os grupos indígenas da Amazônia do genocídio, já está começando a incomodar. Alguns líderes da Igreja disseram que o Instrumentum laboris, ou documento de trabalho para o sínodo, é herético e panteísta e nega a necessidade de salvação em Cristo.

Outros comentaristas se concentraram apenas na sugestão de ordenar homens indígenas casados para celebrar a Eucaristia em partes remotas da Amazônia, mas ficaram totalmente calados sobre a denúncia profética que este documento de trabalho do sínodo faz contra a destruição extrativista que está sendo perpetrada na Amazônia, a questão da pobreza e exclusão dos povos indígenas que certamente nunca foram tão ameaçados quanto agora.

Reforma da Igreja

Sem dúvida, há uma convergência entre as críticas teológicas e sociais de Francisco, com grupos eclesiais reacionários alinhando-se com poderosos grupos econômicos e políticos, especialmente no Norte.

A oposição a Francisco é oposição ao Concílio Vaticano II e à reforma evangélica da Igreja que o papa João XXIII queria promover. Francisco pertence à linha de todos os profetas que queriam reformar a Igreja, juntando-se a Francisco de Assis, Inácio de Loyola, Catarina de Siena e Teresa de Jesus, Angelo Roncalli, dom Hélder Câmara, Dorothy Stang, Pedro Arrupe, Ignacio Ellacuría e o bispo emérito brasileiro nonagenário Pedro Casaldáliga.

Francisco ainda tem muitas tarefas a cumprir para uma reforma evangélica da Igreja. Levar a Igreja até o fim dos tempos. Assim como Jesus que era visto como comedor e bebedor, amigo de pecadores e prostitutas, possuído, louco, sedicioso e blasfemo. E cremos que o Espírito do Senhor que desceu sobre a Igreja primitiva no Pentecostes nunca a abandona e não permitirá que o pecado triunfe sobre a santidade a longo prazo.

Enquanto isso, como sempre pede Francisco, desde sua primeira aparição na Praça de São Pedro como bispo de Roma até os dias atuais, oremos ao Senhor por ele. Oramos para que ele não perca a esperança e fortaleça a fé de seus irmãos e irmãs (como em Lucas 22,32). E se não podemos orar ou não somos crentes, pelo menos podemos enviar nossos bons pensamentos e energias (em suas palavras, manden su buena onda).


Publicado originalmente por America.


Tradução: Ramón Lara

*Víctor Codina, S.J. é jesuíta e professor de teologia em Barcelona e na Universidade Católica da Bolívia, onde trabalhou por 36 anos até meados de 2018.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!

Comentários


Instituições Conveniadas