Direito Direitos Humanos

19/09/2019 | domtotal.com

Na ONU, indígena rebate discurso do governo e revela: 'Povo tem sido atacado e violentado'

Na Suíça, em evento da ONU com participação do governo Bolsonaro, indígena revela violações graves.

“É o tempo mais difícil para o acesso a nossos direitos e nossas terras”, afirma indígena na ONU
“É o tempo mais difícil para o acesso a nossos direitos e nossas terras”, afirma indígena na ONU (Guilherme Cavalli/Cimi)

Saturnina Urupe Chue, indígena do povo Chiquitano, no extremo Oeste do Mato Grosso participa da 42ª Sessão da Comissão de Direitos Humanos das Nações Unidas, em Genebra, Suíça. Saturnina levou às esferas internacionais o discurso de ódio do representante máximo da República do Brasil. Jair Bolsonaro, “coloca em risco nossas vidas e a vida do nosso planeta”, afirma ao fazer referência aos constantes ataques verbais do presidente contra os povos indígenas.

Com um discurso descolado da realidade, o governo brasileiro apresentou na ONU, durante sua manifestação, um cenário de suposto “cuidado aos direitos indígenas”. Na manhã de hoje, afirmou cumprir a Constituição Federal no que tange aos direitos originários das populações tradicionais. Contudo, o que denunciou na tarde de hoje (18) Saturnina Chiquitano indica um Brasil que regride na política indigenista. “O governo brasileiro deve ser responsabilizado por toda violência praticada com os povos indígenas”, pontua.

A indígena de 30 anos iniciou sua caminhada aos 16 ao acompanhar seu pai, na época cacique do povo. Hoje ocupa o espaço de fala na ONU dedicado aos povos indígenas para ajudar a visibilizar os tristes sintomas que assolam o Brasil: “É o tempo mais difícil para os direitos indígenas e para o acesso às nossas terras”, lamenta em pronunciamento na sessão de Diálogos Interativos.

A violência orquestrada contra os povos indígenas afeta há décadas os Chiquitano, que têm sua identidade historicamente negada. Com um discurso antidemarcação, o governo federal atua para intensificar as violações de direitos humanos perpetrados há séculos. Com território ainda sem nenhum procedimento para que seja iniciada sua demarcação, Saturnina exemplifica o que ocorre com aproximadamente 400 outras terras indígenas no país.

“Meu povo tem sido atacado e violentado gravemente. O governo do Brasil insiste em não reconhecer nossos Direitos Constitucionais sobre nossas terras”, pontua. “Muitos Chiquitanos já estão deslocados do território. São obrigados a viver fora, nas cidades não indígenas e abaixo de extrema vulnerabilidade”, expressou como consequência da não demarcação.

No fim do pronunciamento, Saturnina reafirmou a histórica resistência dos povos indígenas: “Que todos saibam, vamos defender nossos direitos e nossas terras até o último indígena. A Mãe Terra merece cada gota de sangue derramado pela vida de todos os seus filhos”.



CIMI/Redação

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!

Comentários


Instituições Conveniadas