Economia

06/10/2019 | domtotal.com

Consumo consciente deve ser incentivado desde a infância

Na escola, o tema pode ser abordado em praticamente qualquer componente curricular, como em Ciências, Matemática e Geografia.

Consumo consciente passa pelo encantamento, desde criança, com o não consumo.
Consumo consciente passa pelo encantamento, desde criança, com o não consumo. (Pixabay)

Uma pesquisa publicada no fim de 2018 pelo Instituto Akatu aponta que 76% dos 1.090 entrevistados – homens e mulheres com mais de 16 anos – não praticam o consumo consciente. Além das vantagens para a sociedade, a prática também gera economia para o bolso, especialmente ao evitar comprar desenfreadamente e reduzir o desperdício de água, luz e alimentos.

O doutor em Educação, pós-doutor no departamento de Psicologia Social da Universidade de São Paulo (USP) e membro da Rede de Especialistas em Conservação da Natureza, Marcos Sorrentino afirma que o consumo consciente passa pelo encantamento, desde criança, com o não consumo. “Brincar sozinho e em jogos colaborativos, observar a natureza, da textura do tronco das árvores e formas das suas folhas, observar as formigas e outros animais, tudo isso tira o valor do consumo por si só e mostra outras possibilidades de ação no dia a dia. Essa consciência passa pelo diálogo com os pais, com a natureza e consigo próprio, por meio do silêncio, da meditação, do contato com a natureza. Atividades que distanciam do consumir, consumir e consumir”, expõe. Esse tipo de rotina, além de dar outro peso ao consumismo, leva as crianças a valorizarem a natureza e o que ela oferece.

Altemir Farinhas, especialista em finanças pessoais e consultor da Conquista Solução Educacional, reforça que a criança segue os exemplos dos pais. “Se um pai está gastando exageradamente, a criança vai pedir coisas e insistir até conseguir porque ela entende que se seus pais podem gastar à vontade, elas também podem comprar o que desejam”, explica Farinhas. Segundo ele, a conversa sobre consumo deve ser clara: quanto os pais ganham e quanto gastam, quais despesas a família tem, qual o valor do que é consumido em casa, quais etapas cada alimento sofre para que chegue à mesa, etc.

Farinhas salienta que é importante se colocar no lugar da criança, não querer simplesmente impor o mundo adulto para ela. “É preciso usar exemplos que elas entendam para garantir que a mensagem foi compreendida e assimilada”, explica.

Na escola, o tema pode ser abordado em praticamente qualquer componente curricular. Segundo Farinhas, seja em Matemática, Ciências ou Geografia, por exemplo, é sempre possível transmitir para o aluno a necessidade de refletir sobre aquilo que se consome. “Pode ser falando sobre o processo de produção agrícola em uma aula de Ciências, ou sobre a ausência de certo produto em um determinado país, na aula de Geografia, ou, em Matemática, o cálculo da quantidade de impostos sobre a caneta que o aluno está usando na aula. Qualquer assunto pode ser gancho para criar a consciência de consumo dentro e fora de aula”, exemplifica.


EcoDebate

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!



Instituições Conveniadas