Mundo

07/10/2019 | domtotal.com

Nobel de Medicina premia estudos sobre adaptação do corpo a níveis de oxigênio

Cientistas do Reino Unido e dos EUA mostraram como as células do corpo 'sentem' o nível de oxigênio.

O Prêmio Nobel de Medicina foi atribuído nesta segunda-feira a dois americanos, William Kaelin e Gregg Semenza, ao britânico Peter Ratcliffe.
O Prêmio Nobel de Medicina foi atribuído nesta segunda-feira a dois americanos, William Kaelin e Gregg Semenza, ao britânico Peter Ratcliffe. (TT NEWS AGENCY)

O Prêmio Nobel de Medicina foi atribuído a dois americanos, William Kaelin e Gregg Semenza, ao britânico Peter Ratcliffe por suas pesquisas sobre a adaptação das células aos níveis variáveis de oxigênio, que abrem perspectivas no tratamento do câncer e da anemia.

O prêmio de Medicina inicia a temporada do Nobel, que prosseguirá nesta terça-feira (8) com o de Física, quarta-feira com o vencedor de Química. Na quinta-feira será a vez de Literatura e na próxima segunda-feira (14) Economia. Na sexta-feira (11), em Oslo, será revelado o nome ou nomes dos premiados com o Nobel da Paz.

Os americanos Kaelin e Semenza e o britânico Ratcliffe venceram o Nobel de Medicina por suas "pesquisas que revelam os mecanismos moleculares produzidos na adaptação das células ao aporte variável de oxigênio" no corpo, destacou a Assembleia Nobel do Instituto Karolinska em Estocolmo.

"A importância fundamental do oxigênio é conhecida há muitos séculos, mas o processo de adaptação das células às variações do nível de oxigênio foi durante longo tempo um mistério", explicou a assembleia.

Estes mecanismos também estão implicados nos tumores, cujo crescimento depende do aporte de oxigênio ao sangue, em particular alguns tipos de caso de progressão rápida, como o de fígado, que consomem tanta energia que queimam todo o oxigênio disponível ao redor deles.

Bloqueio

"Os intensos esforços atualmente em curso em laboratórios universitários e empresas farmacêuticas estão concentrados em desenvolver medicamentos capazes de interferir em diferentes fases de uma patologia, ativando ou bloqueando o mecanismo de captação de oxigênio", explicou o júri do Nobel.

Kaelin, de 61 anos, trabalha no Howard Hughes Medical Institute nos Estados Unidos; Semenza, de 63, coordena o programa de pesquisa vascular no John Hopkins Institute de pesquisas sobre engenharia celular; Ratcliffe, de 65, é diretor de pesquisa clínica no Francis Crick Institute de Londres e do Target Discovery Institute de Oxford.

Os premiados receberão no dia 10 de dezembro uma medalha de ouro, um diploma e um cheque de 9 milhões de coroas (cerca de R$ 3,7 milhões), valor que será dividido entre os vencedores.

A data de entrega é o aniversário da morte do inventor sueco Alfred Nobel, que idealizou os prêmios e destinou os fundos para sua criação, ao deixar boa parte de sua grande fortuna para uma fundação que leva seu nome.

Em 2018, o prêmio de Medicina foi concedido ao americano James P. Allison e ao japonês Tasuku Honjo por suas pesquisas sobre a imunoterapia, especialmente eficazes no tratamento de casos de câncer agressivos.

Favorita

Na sexta-feira, em Oslo, será revelado um dos prêmios mais aguardados, o Nobel da Paz. A ativista sueca Greta Thunberg, criadora do movimento "Sextas-feiras para o Futuro" contra a mudança climática, é a favorita nas casas de apostas.

Para cada prêmio há muitas especulações, mas qualquer previsão é arriscada, pois as listas de candidaturas permanecem em sigilo por 50 anos. Para o Nobel da Paz, o comitê norueguês, que entrega o prêmio, registrou este ano 301 candidaturas.

Além disso, o ano de 2019 deve marcar o recomeço da Academia Sueca que entrega o Nobel de Literatura, exposta no ano passado a um escândalo de tráfico de influência e denúncias de agressão sexual.

A academia se viu obrigada a adiar o anúncio do Nobel de 2018 – algo inédito em 70 anos – ante a ausência do quorum necessário após uma série de renúncias.

Por este motivo, na quinta-feira (10), serão anunciados os vencedores do Nobel de Literatura de 2018 e 2019. Alguns nomes são especulados, como a polonesa Olga Tokarczuk, o queniano Ngugi Wa Thiong'o, o albanês Ismail Kadaré, a americana Joyce Carol Oates, o japonês Haruki Murakami.


AFP

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!

Comentários


Instituições Conveniadas