Direito Direitos Humanos

17/10/2019 | domtotal.com

Bolsonaro 'ataca frontalmente' os direitos humanos no Brasil, alerta HRW

É a primeira vez que uma organização traz sua junta de diretores ao Brasil para se reunir com autoridades locais a fim de 'manifestar presencialmente nossa preocupação'

Especialistas advertem que democracia está em jogo com Bolsonaro na presidência
Especialistas advertem que democracia está em jogo com Bolsonaro na presidência (Carolina Antunes/PR)

O presidente Jair Bolsonaro está "atacando frontalmente" os direitos humanos no Brasil, denunciou nesta quarta-feira (16) o diretor da ONG Human Rights Watch (HRW), Kenneth Roth, denunciando as políticas de segurança e ambiental do governo empossado em janeiro.

Para Roth, o presidente estimularia a polícia a usar a força letal sem justificativa adequada; tem tentado enfraquecer o poder da sociedade civil e da mídia; atacou os defensores da floresta, deu aval à exploração de madeira ilegal na Amazônia e tem minado os esforços para combater a tortura.

Essa é a primeira vez que a HRW, uma organização internacional de defesa dos direitos humanos, traz sua junta de diretores ao Brasil para se reunir com autoridades locais a fim de "manifestar presencialmente nossa preocupação", disse Roth.

Embora avalie que o Brasil "tem uma democracia forte", o advogado americano adverte que ela está em jogo.

"Um presidente, somente porque foi eleito, não está acima da lei. Muitos autocratas no mundo tentam se colocar acima da lei. Dizem: 'fui eleito, não preciso seguir a lei, não preciso respeitar os direitos humanos'", alertou durante uma coletiva de imprensa em São Paulo.

"É assim que emerge um governo autoritário, assim que são gerados esses tipos de ditaduras eleitas", alertou.

Durante sua visita ao Brasil, entre os dias 14 e 17 de outubro, os membros da HRW têm uma agenda intensa, com reuniões com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia e com o chanceler, Ernesto Araújo.

De acordo com Roth, a equipe de Bolsonaro não respondeu à sua solicitação de reunião e o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, recusou um encontro.

Witzel tem promovido uma dura política de segurança, multiplicando os confrontos armados entre a polícia e os criminosos, o que muitas vezes resulta em vítimas civis.

Nos primeiros oito meses de 2019, 1.249 pessoas morreram assassinadas pela polícia no estado do Rio de Janeiro, um aumento de 16% em relação ao mesmo período de 2018, ano em que, no total, foram registradas 1.534 mortes.


AFP

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!

Comentários


Instituições Conveniadas