Direito

18/10/2019 | domtotal.com

Julgamento de execução da pena será retomado na quarta-feira

Antes dos votos dos ministros ainda serão feitas as sustentações orais da Procuradoria-Geral da República e da Advocacia-Geral da União

Toffoli destacou que as três ações que começam a ser julgadas pelo STF sobre o caso não se referem a nenhuma situação em particular
Toffoli destacou que as três ações que começam a ser julgadas pelo STF sobre o caso não se referem a nenhuma situação em particular (Fellipe Sampaio/SCO/STF)

Brasília - O julgamento sobre a possibilidade de início do cumprimento de penas após condenação em segunda instância começou nessa quinta (17), mas não foi possível encerrar a fase de sustentações orais e o tema será retomado na próxima quarta-feira (23). Os votos dos ministros ainda estão sem prazo para começar.

Leia também:

A previsão inicial era encerrar a fase das sustentações nessa quinta, mas o presidente do STF, Dias Toffoli, informou que as falas da Procuradoria-Geral da República (PGR) e da Advocacia-Geral da União (AGU) vão ficar para a próxima semana.

O julgamento - um dos principais do Supremo neste ano - é acompanhado com forte expectativa, uma vez que, se a corte alterar o entendimento atual que permite a execução da pena após a segunda instância, a decisão deve beneficiar envolvidos na operação Lava Jato, entre eles o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

No início da sessão, Toffoli destacou que as três ações que começam a ser julgadas sobre o caso não se referem a nenhuma situação em particular.

"As ações ora submetidas em conjunto definirão o entendimento que daqui emanará independentemente no sentido da sua conclusão, servirá de norte a todos os magistrados do país e todo o sistema de Justiça, Ministério Público, Defensoria privada e pública", disse Toffoli em sessão no STF.

"Que fique bem claro que esse julgamento, as presentes ações em julgamento, não se referem a nenhuma situação particular", completou.

O ministro Marco Aurélio Mello, relator das três ações, fez a leitura do seu relatório do caso, resumindo o andamento processual até o momento. Ele reclamou do fato de o caso não ter sido apreciado antes em plenário e criticou Toffoli por ter derrubado no fim do ano passado uma ordem dada por ele para libertar todos os presos no país por condenações em segunda instância.

"É inconcebível visão totalitária e autoritária no Supremo. Os integrantes ombreiam, apenas têm acima o colegiado. O presidente é coordenador e não superior hierárquico dos pares. Coordena, simplesmente coordena, os trabalhos do colegiado", disse o ministro, que já se manifestou em outras ocasiões contra a prisão em segunda instância.

Sustentação

O advogado criminalista Antonio Carlos de Almeida Castro aproveitou a sua fala para criticar a Operação Lava Jato - cuja força-tarefa do Ministério Público Federal de Curitiba tem defendido a manutenção da atual regra. Ele disse que a estrutura de marketing da Lava Jato é muito melhor que a jurídica.

"Vivemos um tempo em que cumprir a Constituição passou a ser um ato revolucionário", afirmou. Apesar de ainda não ter se manifestado no julgamento, a PGR e a AGU já adiantaram que se posicionarão favoravelmente à manutenção do entendimento atual do Supremo, que permite a prisão após condenação em segunda instância.


Reuters/Dom Total

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!

Comentários


Instituições Conveniadas