Mundo

19/10/2019 | domtotal.com

Chile decreta 'estado de emergência' após protestos em Santiago

A manifestação, a princípio pacífica contra o aumento das tarifas de metrô, se transformou em violência, com ataques a estações desse serviço de transporte, saques e incêndios

Incêndio em Santiago do Chile contra aumento nas passagens do metrô
Incêndio em Santiago do Chile contra aumento nas passagens do metrô (AFP)

O presidente do Chile, Sebastian Piñera, decretou na noite dessa sexta-feira o "estado de emergência" em Santiago, após a capital ser sacudida por violentos protestos contra a elevação das tarifas do metrô, que incluíram ataques a várias estações do serviço de transporte metropolitano, saques e incêndios.

"Decretei o estado de emergência (...) e para sua aplicação designei o general de divisão Javier Iturriaga del Campo como chefe da defesa nacional, como determina a legislação", declarou Piñera em mensagem à Nação.

Santiago foi palco de violentos protestos após a convocação de uma série "evasões em massa" no metrô contra o aumento de 800 pesos (R$ 4,63) para 830 pesos (R$ 4,80) na passagem no horário de pico.

A manifestação, a princípio pacífica, degenerou em protestos violentos que prosseguiram pela noite, com ataques incendiários contra um prédio da companhia de eletricidade ENEL e outro do Banco do Chile, e a várias estações do metrô.

O incêndio no edifício da ENEL, controlado parcialmente após uma hora, começou no setor das escadas externas, e depois se propagou para os escritórios superiores.

A ENEL - questionada pela alta nas tarifas de eletricidade - informou que por volta das 22h "um grupo de desconhecidos atacou as dependências do prédio", mas todo o pessoal que trabalhava no local conseguiu sair ileso. Próximo ao prédio incendiado, um supermercado foi atacado e saqueado, revelou a TV local.

Várias estações do metrô também foram incendiadas com coquetéis molotov. A empresa informou que a totalidade do Metrô da capital, que transporta cerca de três milhões de passageiros por dia, deixou de operar após os ataques.

"Toda a rede de Metrô se encontra fechada por distúrbios e destroços que impedem contar com as condições mínimas de segurança para passageiros e trabalhadores", anunciou a ferroviária metropolitana por meio de uma mensagem no Twitter.

Recrutados nas redes sociais sob o lema #EvasionMasivaTodoElDia, milhares de pessoas - principalmente estudantes - se organizaram ao longo desta semana para derrubar os portões das estações, destruir as catracas e passar pelos controles de acesso para protestar pelo aumento das passagens (3,75%) nos horários de pico.

O fechamento forçou os usuários do metrô a subirem à superfície, sobrecarregando o sistema de ônibus da cidade e tendo que caminhar pelas ruas para suas casas, evitando conflitos entre a polícia e os manifestantes.

Na estação de La Moneda, em frente à sede do governo, dezenas de manifestantes - na maioria jovens - depredaram instalações no início da tarde. A polícia respondeu com jatos d'água e bombas de gás lacrimogêneo.

Horas mais tarde, os protestos aumentaram, geraram incidentes maiores, com manifestantes atirando paus e pedras em direção às forças policiais, que reagiram com o uso de carros de choque. A sede do governo foi cercada por um perímetro de segurança.

Na quinta-feira, os protestos deixaram 133 presos após ações simultâneas em pelo menos cinco das 164 estações da ferroviária metropolitana, com danos calculados pela empresa estatal entre 400 e 500 milhões de pesos (entre R$ 2.314.732,84 e R$ 2,893.416,05,).

Com base no aumento do preço do petróleo, no dólar e na modernização do sistema, o valor do bilhete do metrô de Santiago nos horários de pico - de manhã e à tarde - subiu para de 830 pesos. Desde 2010, não havia um aumento dessa proporção.

O aumento não afetou o valor das passagens para estudantes e idosos, mas se soma ao aumento geral de 20 pesos (R$ 0,12) nas tarifas decretadas em janeiro passado.


AFP

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!

Comentários


Instituições Conveniadas