Meio Ambiente

30/10/2019 | domtotal.com

'De que forma você traz um morto à vida?', diz indígena krenak sobre Rio Doce

Geovani krenak participou do painel 'Direitos Humanos, Meio Ambiente e Sustentabilidade', no primeiro dia da 4ª Semana de Estudos Amazônicos (Semea)

Líder indígena, Geovani Krenak, falou sobre a situação de seu povo que foi vítima do crime ambiental da Samarco ocorrido em Mariana
Líder indígena, Geovani Krenak, falou sobre a situação de seu povo que foi vítima do crime ambiental da Samarco ocorrido em Mariana Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Professoras Beatriz Souza Costa, Adriana Camata, Ana Virginia Gabrich e Marisa Rios ao lado de Geovai Krenak e Luiz
Professoras Beatriz Souza Costa, Adriana Camata, Ana Virginia Gabrich e Marisa Rios ao lado de Geovai Krenak e Luiz Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
O professor Caio Lara citou falou sobre Dom Helder durante o semea
O professor Caio Lara citou falou sobre Dom Helder durante o semea Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
O professor Caio Lara citou falou sobre Dom Helder durante o semea
O professor Caio Lara citou falou sobre Dom Helder durante o semea Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Homenagens no palco do semea
Homenagens no palco do semea Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
O professor Caio Lara lê trecho de um livro de Dom Helder durante o semea
O professor Caio Lara lê trecho de um livro de Dom Helder durante o semea Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
A advogada do Conselho Indigenista Missionário, Chantelle Teixeira, falou sobre as garantias legais dos indígenas dos povos tradicionais
A advogada do Conselho Indigenista Missionário, Chantelle Teixeira, falou sobre as garantias legais dos indígenas dos povos tradicionais Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Auditório lotado durante o semea
Auditório lotado durante o semea Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
A advogada do Conselho Indigenista Missionário, Chantelle Teixeira, falou sobre as garantias legais dos indígenas dos povos tradicionais
A advogada do Conselho Indigenista Missionário, Chantelle Teixeira, falou sobre as garantias legais dos indígenas dos povos tradicionais Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Líder indígena, Geovani Krenak, falou sobre a situação de seu povo que foi vítima do crime ambiental da Samarco ocorrido em Mariana
Líder indígena, Geovani Krenak, falou sobre a situação de seu povo que foi vítima do crime ambiental da Samarco ocorrido em Mariana Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Auditório lotado durante o semea
Auditório lotado durante o semea Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Líder indígena, Geovani Krenak, falou sobre a situação de seu povo que foi vítima do crime ambiental da Samarco ocorrido em Mariana
Líder indígena, Geovani Krenak, falou sobre a situação de seu povo que foi vítima do crime ambiental da Samarco ocorrido em Mariana Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Líder indígena, Geovani Krenak, falou sobre a situação de seu povo que foi vítima do crime ambiental da Samarco ocorrido em Mariana
Líder indígena, Geovani Krenak, falou sobre a situação de seu povo que foi vítima do crime ambiental da Samarco ocorrido em Mariana Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Auditório lotado durante o semea
Auditório lotado durante o semea Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Líder indígena, Geovani Krenak, falou sobre a situação de seu povo que foi vítima do crime ambiental da Samarco ocorrido em Mariana
Líder indígena, Geovani Krenak, falou sobre a situação de seu povo que foi vítima do crime ambiental da Samarco ocorrido em Mariana Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Joaquim Belo do, Conselho Nacional das Populações Extrativistas, falou sobre a luta da população extrativista da Amazônia
Joaquim Belo do, Conselho Nacional das Populações Extrativistas, falou sobre a luta da população extrativista da Amazônia Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Joaquim Belo do, Conselho Nacional das Populações Extrativistas, falou sobre a luta da população extrativista da Amazônia
Joaquim Belo do, Conselho Nacional das Populações Extrativistas, falou sobre a luta da população extrativista da Amazônia Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Joaquim Belo do, Conselho Nacional das Populações Extrativistas, falou sobre a luta da população extrativista da Amazônia
Joaquim Belo do, Conselho Nacional das Populações Extrativistas, falou sobre a luta da população extrativista da Amazônia Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Daniel Seidel, do REPAM, pediu ajuda aos advogados para lutar pelas causas indígenas
Daniel Seidel, do REPAM, pediu ajuda aos advogados para lutar pelas causas indígenas Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Daniel Seidel, do REPAM, pediu ajuda aos advogados para lutar pelas causas indígenas
Daniel Seidel, do REPAM, pediu ajuda aos advogados para lutar pelas causas indígenas Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Daniel Seidel, do REPAM, pediu ajuda aos advogados para lutar pelas causas indígenas
Daniel Seidel, do REPAM, pediu ajuda aos advogados para lutar pelas causas indígenas Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Eliberto Barroncas durante a quarta semana de estudos amazônicos
Eliberto Barroncas durante a quarta semana de estudos amazônicos Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Eliberto Barroncas durante a quarta semana de estudos amazônicos
Eliberto Barroncas durante a quarta semana de estudos amazônicos Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Eliberto Barroncas durante a quarta semana de estudos amazônicos
Eliberto Barroncas durante a quarta semana de estudos amazônicos Foto (Patrícia Almada/DomTotal)
Final dos trabalhos da noite do primeiro dia do semea
Final dos trabalhos da noite do primeiro dia do semea Foto (Patrícia Almada/Dom Total)
Final dos trabalhos da noite do primeiro dia do semea
Final dos trabalhos da noite do primeiro dia do semea Foto (Patrícia Almada/Dom Total)

Rômulo Ávila

Perto de completar quatro anos, o crime socioambiental da Mineradora Samarco, em Marina, Região Central de Minas, continua impactando na vida de milhares de pessoas. Os cerca de 700 indígenas da etnia krenak sofrem com doenças respiratórias, de pele e, principalmente, com a ‘morte’ do rio Doce, de onde tiravam parte do sustento e mantinham suas práticas culturais e espirituais. Os problemas foram relatados por Geovani Krenak, que participa da  4ª Semana de Estudos Amazônicos (Semea), realizada em Belo Horizonte até a próxima sexta-feira (1º). A aldeia fica na cidade de Resplendor, região do Vale do Rio Doce de Minas Gerais.

Veja também:

Cobertura sobre a 4ª Semana de Estudos Amazônicos

Geovani participou do painel ‘Direitos Humanos, Meio Ambiente e Sustentabilidade’, nessa terça-feira (29), junto com os professores Caio Lara e André de Paiva Toledo (Dom Helder), Chantelle Teixeira (advogada do Conselho Indigenista Missionário – Cimi); Joaquim Belo (Conselho Nacional das Populações  Extrativistas); Daniel Seidel (Repam) e Edmundo Antônio Dias Neto (MPMG).

“Vivemos agora uma situação diferente. No início, veio a questão da lama, a morte dos animais e dos peixes. Costumo dizer que o Rio Doce ficou inabitável, porque não há vida no rio. A longo prazo, estão vindo os outros problemas, como doenças de pele e respiratórias”, disse Geovani. Ele explica que os problemas respiratórios têm relação com os caminhões-pipas que levam água potável à aldeia. O problema não existia antes da lama da barragem de Fundão atingir o Rio Doce.

“Minha aldeia ficou irreconhecível depois do crime. Desde então, nosso povo luta por reparação, por Justiça e para tentar manter as práticas culturais espirituais que tínhamos antes do rompimento”.

Geovani explica os rejeitos de minério da barragem estão assentados no fundo do rio. Além dos impactos ambientais e econômicos, Geovani cita a importância espiritual do Rio Doce para o seu povo. “É o que nos causa mais tristeza, porque o espírito do rio está morto. Uma anciã nossa, Dejanira Krenak, fez a seguinte pergunta para um representante da Vale: ‘De que forma você traz um morto à vida? E é essa a situação do Rio Doce’, diz.

“Desde o rompimento da barragem nosso povo não faz o mais sagrado, que eram as práticas religiosas dentro do rio. Nosso povo vem tentando, se é que isso é possível, retomar essa cultura na sua forma mais plena. É o principal enfrentamento do povo krenak”, diz.

Estudos recentes da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) revelam que a contaminação no Rio Doce e no mar de Regência estão piores do que na época da tragédia.

Território dos Sete Salões

Segundo Geovani, a luta do seu povo agora é para conseguir a demarcação de terra do Território dos Sete Salões, onde funciona um parque estadual. "Mas não há políticas públicas para a preservação do parque. O que a gente tem lá é um cenário de destruição, de extração de madeira e de pedras. O que a gente reivindica é demarcação do território Sete Salões, já há uma ação civil pública movida pelo estado brasileiro em favor do povo Krenak".

Eram 10 mil

Durante o painel, Geovani lembrou que, há 200 anos, estima-se que 10 mil indígenas krenak viviam no país. Citando Dom Helder Câmara como um humanista defensor do Direitos Humanos, ele disse seu povo foi morto. “Somos hoje menos de mil”.


Dom Total

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!



Comentários