Brasil

09/12/2019 | domtotal.com

Após 3 anos de ameaças, líder sem-terra é assassinado no Pará

Morto em uma emboscada, Márcio Reis era a principal testemunha de defesa do padre Amaro, sucessor da missionária americana Dorothy Stang

Quando voltou a viver em Anapu, Márcio não conseguiu uma terra para viver com a família e então passou a trabalhar como mototaxista
Quando voltou a viver em Anapu, Márcio não conseguiu uma terra para viver com a família e então passou a trabalhar como mototaxista (CPT)

Daniel Camargos
Repórter Brasil

Márcio Rodrigues dos Reis sabia que corria risco de morte. Depois de se tornar um dos líderes dos sem-terra de Anapu (PA), onde a missionária americana Dorothy Stang foi assassinada em 2005, ele denunciou os fazendeiros que incendiaram casas, ameaçaram e expulsaram os sem-terra de um acampamento numa área de 32 km² disputada na Justiça. Márcio também era a principal testemunha de defesa do padre Amaro – sucessor de Dorothy apontado por fazendeiros locais como articulador de ocupações de terras.

Na noite da última quarta-feira (4), Márcio foi assassinado com uma facada no pescoço, durante emboscada em uma estrada isolada da região. Ele era casado e tinha 4 filhas.

O líder sem-terra chegou a ser preso duas vezes acusado de invasão de propriedade (depois absolvido) e porte ilegal de arma. Logo que deixou a prisão pela segunda vez, em novembro de 2018, Márcio conversou com a Repórter Brasil e contou sobre as  intimidações que vinha sofrendo. As ameaças não foram reveladas na época porque ele temia por sua vida.

“O delegado me prendeu. Estava junto com fazendeiros. Me algemaram, me chutaram, me deram uma coronhada na cara”, contou à época, lembrando que sua mulher teve bebê enquanto ele estava na cadeia.

O líder sem-terra disse ainda que, após ser solto, tinha de ir ao fórum local regularmente para provar que estava na cidade. Mas como recebia ameaças constantes, teve de sair de Anapu. Depois de passar alguns meses fora, Márcio voltou à cidade porque, como contou à reportagem, queria ficar perto da família. Sem conseguir uma terra para viver com a mulher e as filhas, ele passou a trabalhar como motoboy.

Na noite da última quarta, após receber uma ligação pedindo uma corrida para a cidade vizinha de  Pacajá, foi assassinado no trajeto, em uma estrada de terra.

Procurada pela Repórter Brasil, a Polícia Civil do Pará informou que abriu um inquérito após o crime, sob responsabilidade da Delegacia de Pacajá, com apoio do Núcleo de Inteligência do estado. A Comissão Pastoral da Terra (CPT), na nota divulgada, critica a polícia, dizendo que ela não é eficiente para investigar os crimes cometidos contra trabalhadores rurais sem-terra: “Os indícios apontam para mais uma execução a mando dos grileiros e madeireiros de Anapu.”

Márcio é o 15º trabalhador rural sem-terra assassinado na cidade desde que a violência voltou a explodir na região, em 2015. “Em Anapu existe uma milícia rural composta por pistoleiros, organizada por madeireiros e grileiros de terras públicas. Quem contraria seus interesses está sentenciado à morte”, afirma a CPT, em nota divulgada nesta sexta-feira (6).

Padre Amaro

Um dos episódios que exemplifica esse clima de disputa e violência da região aconteceu em março de 2017, quando Márcio e outros trabalhadores tentaram reconstruir o acampamento no lote 44, que havia sido destruído por um grupo armado.

Após o episódio, os fazendeiros se uniram e acusaram o padre Amaro de incentivar ocupações de terra, o que levou o sucessor de Dorothy a ficar preso por 90 dias. Intimado a depor, Marcio, segundo a CPT, “resistiu às pressões e negou qualquer tipo de participação do padre Amaro na suposta tentativa de ocupação da fazenda”.

Apesar de ter apenas 27 mil habitantes, Anapu tem extensão maior que a de países como Jamaica e Qatar. Nos últimos oito anos, a população cresceu 32%, ante 9,5% em todo o país, segundo o IBGE. O principal motivo do boom demográfico é a proximidade com a Usina de Belo Monte (a 30 km de distância), que atraiu para Anapu centenas de famílias sem trabalho, terra e perspectiva.

O fim das obras do megaempreendimento, em 2015, e o consequente aumento populacional, fez a violência explodir e elevou a tensão entre fazendeiros e trabalhadores sem terra.

Os confrontos rurais têm epicentro no lote 44, onde ficava o acampamento liderado por Márcio. A área é reivindicada pelo presidente do Sindicato Rural de Anapu, Silvério Fernandes, e seus familiares. A Justiça Federal em Altamira, porém, já decidiu que o local deve ser destinado à reforma agrária. A família Fernandes recorreu da decisão e o caso aguarda julgamento em segunda instância.

Em outubro de 2016, o acampamento sem-terra teve as barracas queimadas. Silvério e o irmão dele, Luciano, foram denunciados pelo Ministério Público Federal à Justiça. Luciano foi assassinado em maio de 2018. Após a morte do irmão, Silvério gravou um vídeo pedindo ajuda do então candidato à presidente, Bolsonaro. Silvério acusa movimentos sociais, que estariam agindo liderados pelo padre Amaro. Essa tese, no entanto, não encontra eco na investigação policial. Segundo a Superintendência de Polícia Civil do Xingu, o motivo da morte de Luciano seria uma disputa entre madeireiros.

Márcio foi o principal denunciante, acusando os irmãos Fernandes de incendiarem as casas e expulsarem os trabalhadores rurais do lote 44. Silvério é madeireiro e já foi vice-prefeito de Altamira. Candidato a deputado estadual derrotado na última eleição, foi um dos principais cabos eleitorais do presidente Jair Bolsonaro na região do Xingu em 2018.

Acampamento queimado

O líder sem-terra foi preso pela primeira vez em março de 2017, quando tentava reconstruir o acampamento no lote 44. Ele foi acusado de invasão de propriedade e porte ilegal de arma. No dia da prisão, Silvério acompanhava a operação policial.

Além de Márcio, cerca de 20 testemunhas denunciaram Silvério e seu irmão por terem queimado as casas do acampamento. Outro denunciante foi Valdemir Resplandes dos Santos, assassinado em 9 de janeiro de 2018. Valdemir era uma liderança do lote 46, que fica em frente ao 44.

Segundo o Ministério Público Federal, os Fernandes “mandaram destruir objetos alheios, com o emprego de substância inflamável, por motivos egoísticos”. Questionado, Silvério admitiu que “desmanchou” as casas. “O lote 44 é nosso. É nosso!”, contou à época à Repórter Brasil.

Márcio ficou preso por nove meses na Penitenciária de Altamira. Logo depois de ser preso, nasceu seu primeiro filho, mas a criança morreu antes de ele ser solto, “devido às dificuldades enfrentadas pela mulher com o marido preso”, segunda a CPT.  

No começo do ano passado, após a Polícia Civil encontrar uma espingarda velha em sua casa, ele foi preso novamente. Na época, sua mulher estava grávida de gêmeas. As duas nasceram com o pai ainda na cadeia.  

Ele o saiu da prisão em setembro de 2018. Dois meses depois, disse à Repórter Brasil que sabia do risco que corria, mas não queria deixar a cidade, pois preferia ficar junto da família.


Repórter Brasil



Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!