Religião

13/01/2020 | domtotal.com

Bispos venezuelanos fazem apelo por seu país pedindo novas eleições

Segundo prelados, atual presidente exerce o poder ilegitimamente e apelam à consciência das Forças Armadas

A Igreja quer continuar 'a fornecer o apoio necessário a todos', especialmente às pessoas mais vulneráveis, dizem os bispos venezuelanos
A Igreja quer continuar 'a fornecer o apoio necessário a todos', especialmente às pessoas mais vulneráveis, dizem os bispos venezuelanos (Vatican Media)

"O povo é o autêntico protagonista da mudança que a Venezuela precisa." É o que escrevem os bispos da Venezuela no final de sua Assembleia Plenária, aberta em Caracas em 8 de janeiro.

A Igreja quer continuar "a fornecer o apoio necessário a todos", especialmente às pessoas mais vulneráveis. Os prelados também reiteram o que foi declarado na exortação pastoral de 12 de julho passado: "Diante da realidade de um governo ilegítimo, a Venezuela pede uma mudança de rumo, um retorno à Constituição". "Essa mudança requer a destituição de quem exerce o poder ilegitimamente e a eleição de um novo presidente da República no menor tempo possível."

Respeito às pessoas

Aos membros das Forças Armadas, os bispos pedem, em particular, que sejam guiados por "uma sã consciência" e que respeitem "a dignidade e os direitos de toda a população". Aqueles que têm responsabilidade política, quer no governo como na oposição, devem prestar atenção ao povo, olhando para suas necessidades e não para privilégios e interesses particulares.

Migrantes como embaixadores

Na mensagem, os bispos da Venezuela também se dirigem aos venezuelanos obrigados a deixar seu país. Os prelados os encorajam a integrar-se nas novas culturas, assim como aconteceu com os migrantes de diferentes regiões do mundo acolhidos na Venezuela. E os exortam a não deixarem de manifestar a própria fé e caridade, participando das obras da sociedade e da Igreja. Ser embaixadores do patrimônio recebido dos antepassados.

Pobreza imposta pela ideologia

Na mensagem, os bispos também exortam os povos da América e do mundo a ouvirem "o clamor da população venezuelana". E pedem às nações que acolhem os migrantes venezuelanos que lhes deem a atenção necessária para viverem com dignidade. Na Venezuela, vivemos "em um regime totalitário e desumano", em que a dissidência política é perseguida "com tortura e repressão". É inaceitável, acrescentam, que um país "com imensas riquezas materiais" tenha sido empobrecido pela "imposição de um sistema ideológico". Um sistema que, longe de "promover o autêntico bem-estar, deu as costas aos seus cidadãos". Para os que estão à frente do governo – lê-se no final do documento – o que conta não é o bem comum, mas o "poder hegemônico", capaz de "destroçar qualquer tentativa de viver em uma democracia autêntica".

Igreja está a serviço da verdade

Na conclusão da Assembleia Plenária, o bispo da Diocese de San Cristobal e primeiro vice-presidente da Conferência Episcopal Venezuelana, dom Mario del Valle Moronta, falou sobre a situação em seu país, explicando, entre outros, por que os bispos, em sua mensagem, definem claramente a Venezuela como um regime totalitário e desumano e comenta a tentativa do governo de difundir no exterior, e também no âmbito interno, uma falsa imagem de bem-estar e de normalidade, enquanto milhões de venezuelanos "sobrevivem" no país. O prelado também acredita que a comunidade internacional deve pressionar aqueles que exercem o poder totalitário, mas não impondo sanções, que no final atingem pessoas que já sofrem.



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!