Brasil Política

24/01/2020 | domtotal.com

'Cada vez mais, o índio é um ser humano igual a nós', afirma Bolsonaro

Declaração evidencia preconceito e ignorância do presidente sobre a população indígena

O cacique Raoni foi criticado pelo presidente em discurso nas Nações Unidas
O cacique Raoni foi criticado pelo presidente em discurso nas Nações Unidas (Arquivo/AFP)

Durante a tradicional transmissão ao vivo nas redes sociais que faz nas quintas-feiras, o presidente Jair Bolsonaro falou que "cada vez mais, o índio é um ser humano igual a nós". A declaração foi feita na quinta-feira (23), enquanto o presidente explicava a criação do Conselho da Amazônia e ações de seu governo para a proteção de terras indígenas. "O índio mudou, tá evoluindo. (...) Fazer com que o índio cada mais se entregue à sociedade e seja cada vez mais dono da sua terra indígena", declarou o mandatário.

Na última terça-feira (21) o governo já havia anunciado a criação do Conselho da Amazônia, liderado pelo vice-presidente Hamilton Mourão, e da Força Nacional Ambiental, cuja atuação também seria prioritariamente na Floresta Amazônica. O grupo será composto por órgãos ambientais e policiais militares da região e de outros Estados, mas ainda não há prazo para iniciar os trabalhos.

Já o órgão liderado por Mourão fará um trabalho de ação coordenada interministerial para o "desenvolvimento sustentável" segundo Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente. Ele tratará dos esforços de fiscalização, regularização fundiária, zoneamento econômico e pagamento de serviços ambientais.

Crime de racismo

De acordo com Sonia Guajajara, coordenadora executiva da Articulação dos Povos Indígenas do Brasil (Apib) e candidata a vice-presidente do Brasil pelo PSOL em 2018, a entidade irá denunciar Bolsonaro na Justiça pelo crime de racismo.

A declaração se soma a uma série de outras que evidenciam o preconceito do presidente com relação aos povos originários brasileiros e uma visão pouco familiarizada a respeito da importância desempenhada por eles na questão ambiental. Em discurso nas Nações Unidas, o presidente criticou o líder indígena Raoni, dizendo que o cacique “não fala pelos indígenas” e que interesses estrangeiros o teriam cooptado. “Abusaram da boa fé do Raoni”, declarou.

 Crítico da demarcação das terras indígenas, protegidas pela Constituição Federal, em agosto, afirmou também em transmissão nas redes sociais que “é muita terra para pouco índio, e sem lobby”, ao reafirmar sua decisão de não realizar mais demarcações. “O índio é um ser humano igualzinho a nós e quer o que nós queremos e não pode se usar a situação do índio para demarcar essas enormidades de terras que, no meu entender, poderão ser sim, de acordo com a própria ONU, novos países no futuro”, acrescentou.

O presidente também tem um longo histórico de declarações preconceituosas contra minorias, como orientais e homossexuais, e sempre foi um crítico da demarcação de terras indígenas, protegidas pela Constituição Federal.

Em agosto, afirmou também em transmissão nas redes sociais que “é muita terra para pouco índio, e sem lobby”, ao reafirmar sua decisão de não realizar mais demarcações. “O índio é um ser humano igualzinho a nós e quer o que nós queremos e não pode se usar a situação do índio para demarcar essas enormidades de terras que, no meu entender, poderão ser sim, de acordo com a própria ONU, novos países no futuro”, acrescentou.


Agência Estado/Dom Total

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!



Comentários