Cultura

10/02/2020 | domtotal.com

A agonia de um conhecido ancião

Eu era poderoso e respeitado, mas fui vítima da tecnologia e estou à beira da morte

Dizem que nasci antes de Cristo e me graduei com Gutemberg
Dizem que nasci antes de Cristo e me graduei com Gutemberg (Jordan White)

Afonso Barroso*

Sou velho, muito velho mesmo, mas estava lépido e fagueiro até pouco tempo atrás. Em outras épocas eu era importante, respeitado e temido, porque sabia tudo de tudo e de todos. Fui e ainda sou testemunha ocular e participante da História. Vivi e registrei tragédias e conquistas da humanidade. Não tenho dúvida de que o genial Raul Seixas, roqueiro contestador e místico como o chamavam, inspirou-se na minha longa vida para compor uma música de grande sucesso chamada Eu nasci há dez mil anos atrás. [Comentário oportuno: há um erro de português no título dessa composição, mas o “há” que sobra aí fica por conta da licença poético-musical. Se tirar, o verso fica manco. Portanto, esqueça-se o erro e curta-se o rock].

Não tenho certidão de idade. Dizem que nasci antes de Cristo e me graduei com Gutemberg. Acho que também por isso o grande Raul me admirava. Ele sabia que durante todos os anos da minha longa existência as pessoas, milhares de pessoas, milhões de pessoas, ele inclusive, me consultavam diariamente para se informar sobre os mais diversos assuntos. Eu sabia dizer quem matou e quem morreu. Influenciava os indivíduos, a sociedade e os governos. Narrava fatos acontecidos no dia anterior e prenunciava outros que ocorreriam nos dias seguintes. Fustigava as administrações, denunciava malfeitos e malfeitores. Era recebido em todos os gabinetes e meandros do poder. Frequentava escolas, açougues e consultórios.

Em sociedade tudo se sabe, diziam os meus subordinados engravatados, especialistas em vasculhar a vida privada dos poderosos, embora sem nunca expor suas vísceras malcheirosas. Eu enaltecia os políticos, e quando decidia combater um ou outro era para colher algum fruto do outro lado da cerca. E assim vivia eu, cercado de glórias muitas vezes vãs.

Confesso que andei transgredindo algumas normas pétreas da minha atividade. Me pagavam pra não contar certas coisas que eu sabia e que podiam manchar reputações. Eu, na minha necessidade de opulenta sobrevivência, aceitava a oferenda e ia em frente. Mas isso não era coisa generalizada, ocorria o mais das vezes em alguns dos meus apêndices. Eu tinha – e ainda tenho – vários apêndices que às vezes inflamam, pegam uma infecção, e não há jeito de extirpá-los como faz a medicina com o órgão supurado no organismo humano.

Esses deslizes não chegavam a manchar o respeito que eu infundia e cultivava. Houve um tempo sombrio, é verdade, em que tentaram e conseguiram me calar, me cercear e até suprimir a liberdade de me exprimir. Passado esse longo tempo de trevas, recobrei o ânimo e voltei à luta com vigor renovado.

De uns tempos para cá, porém, sinto minhas forças se esvaírem. O cansaço me dominou e minhas vistas escureceram como naquela milionária música caipira. A tecnologia tomou conta dos meios de comunicação de tal sorte que minha empáfia e altivez reduziram-se a quase nada.

Lamentavelmente, estou caminhando para o fim. Talvez mais cedo do que se possa pensar, serei apenas uma lembrança recheada de letras mortas.

Quem sou eu? Sou o jornal impresso. 



Comentários
Newsletter

Você quer receber notícias do domtotal em seu e-mail ou WhatsApp?

* Escolha qual editoria você deseja receber newsletter.

DomTotal é mantido pela EMGE - Escola de Engenharia e Dom Helder - Escola de Direito.

Engenharia Cívil, Ciência da Computação, Direito (Graduação, Mestrado e Doutorado).

Saiba mais!