Meio Ambiente

11/02/2020 | domtotal.com

A luta dos defensores dos direitos humanos ameaçados na Amazônia

A série começa com a história de Erasmo Alves Teófilo, presidente da Cooperativa Agricultores da Volta Grande do Xingu, em Anapu, no oeste do Pará

Trabalhadores rurais sofrem diariamente com invasões de madeireiros e fazendeiros
Trabalhadores rurais sofrem diariamente com invasões de madeireiros e fazendeiros (Amazônia Real)

A agência Amazônia Real inicia uma série de minidocumentários para visibilizar a luta de defensores dos direitos humanos ameaçados na Amazônia. A série começa com a história de Erasmo Alves Teófilo, presidente da Cooperativa Agricultores da Volta Grande do Xingu, em Anapu, no oeste do Pará.

Erasmo é uma das vozes que tentam silenciar por conta de sua luta em defesa das famílias de trabalhadores rurais que sofrem com a violência e invasões de grileiros, madeireiros e fazendeiros em áreas destinadas à reforma agrária.

“A gente não pode recuar, a gente não pode se omitir pelas ameaças. E nós estamos em um país que tem que ser garantido o direito das pessoas. Ainda não estamos num país (apesar de parecer), ainda não estamos em um país de ditadura. Nós estamos em um país democrático, e tem que ser exercida essa democracia”, diz o ativista, que é cadeirante e milita no movimento social há 10 anos.

Erasmo é um dos defensores dos direitos humanos em Anapu, o mesmo município que ficou conhecimento internacionalmente após o brutal assassinato da missionária norte-americana Dorothy Mae Stang, a mando de fazendeiros, em 2005.

Irmã Dorothy também defendia a Floresta Amazônica e por isso criou o Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) para o assentamento das famílias sem-terra da região da Transamazônica (BR 230), margeada pelo rio Xingu: o PDS Esperança e o PDS Virola Jatobá, também alvo de desmatamentos ilegais por ação de grileiros e madeireiros.

Erasmo defende o direito de 54 famílias de trabalhadores que vivem em comunidades na Gleba Bacajá, disputada por um fazendeiro. “Gado não pode valer mais do que gente! ‘Ah, mas ali cabe 2 mil cabeças de gado’, mas também cabe tatu, paca, anta, onça e gente…”, critica Erasmo Teófilo.

O ativista está ameaçado de morte e recebe proteção dos movimentos sociais do Pará, entre eles, a Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Pará, a Associação dos Docentes da Universidade Federal do Pará e a Sociedade Paraense de Defesa dos Direitos Humanos.

“Eu sempre falo a todos: ‘não desistam, por mais que seja difícil. Eu sou deficiente, eu sou cadeirante, tinha um milhão e meio de motivos para mim não militar, para nem me envolver com isso. E, no entanto, eu nunca desisti. E nem vou desistir. Só que eu, eu não quero ser mais um, e nem um corpo estendido no chão”, afirma Erasmo Teófilo.

Ficha técnica

Reportagem e vídeos: Cícero Pedrosa Neto
Fotografia: Alberto César Araújo
Edição/Montagem: César Nogueira
Projeto Vozes que Resistem
Coordenação geral: Kátia Brasil.


Amazônia Real

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC.
Saiba mais!